Guto Ferreira reclama de arbitragem após derrota do Ceará: "Causou danos à nossa equipe"
Foto: Reprodução/Vozão TV

Revolta é a palavra que define os bastidores do Ceará após derrota por 1 a 0 contra o Santos, no Castelão, em jogo realizado pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. O lateral Felipe Jonatan foi o responsável por fazer o único gol da partida, dar a vitória ao time santista e frear a sequência positiva do adversário, vencedor nas três rodadas anteriores. 

Para o lado cearense, as expulsões de Samuel Xavier e Bruno Pacheco no momento final do jogo foram injustas e estão furiosos com a arbitragem. O técnico Guto Ferreira e o meia Leandro Carvalho também receberam cartão vermelho após o fim do jogo, por reclamarem com a equipe de árbitros. O treinador, aliás, comentou a situação.

“Péssimo. Inclusive, desfalque do treinador. São três expulsões e um cartão; são quatro baixas para o próximo jogo. Tenho que avaliar. Uma equipe que até então não tinha tido expulsões em sete rodadas. Ganhamos, perdemos, empatamos e nem por isso tivemos essa quantidade de expulsões. Eu acho que essa quantidade de expulsões indica alguma coisa errada que aconteceu dentro do campo”, falou.

Guto ressaltou que não adianta lamentar o passado e explicou o motivo que culminou em sua expulsão. 

“Infelizmente as coisas não aconteceram do jeito que a gente gostaria. Agora não vai voltar. Não adianta a gente lamentar. Quanto mais a gente falar da arbitragem, pior vai ser pra gente, porque a lei protege eles. Então, não adianta eu ficar falando. No final do jogo, eu comentei com o bandeira sobre a incompetência dele, que causou prejuízo pra gente, e muitas vezes esse prejuízo causa ônus para nós treinadores, e acabei sendo expulso. Tudo dentro de um respeito. Não ofendi, não falei nenhuma palavra de baixo calão pra ele. Só falei que ele foi incompetente e que a incompetência dele causou sim danos à nossa equipe. Então, quanto menos se falar, melhor", complementou.

O comandante foi questionado sobre as lições que se pode tirar da partida, mas preferiu usar o VAR de exemplo para responder a pergunta.

“Primeiro a gente precisa entender o porquê de cada coisa. Quando você não entende os critérios, fica difícil de você pontuar. Cada árbitro que chega para apitar tem um critério. Por exemplo, a utilização do VAR. Por que o VAR não foi utilizado hoje na expulsão do Samuel? O Samuel foi agredido e foi expulso, alegando que ele também agrediu. Por que não foi usado o VAR pra saber o que aconteceu realmente? Então, quando não se tem critério, fica difícil para você pontuar e trazer ao atleta que a condução é dessa maneira", continuou

"Por isso que eu pontuo sempre que o VAR só vai ser justo, uma coisa que contribui, quando houver a colocação, a justificação do árbitro perante a interpretação do lance para toda a torcida. Enquanto o árbitro não tiver a responsabilidade de responder o que ele apitou, vai ficar eternamente esse jogo que um se acha injustiçado, o outro se acha injustiçado. À medida que ele tenha responsabilidade de assumir o que tá apitando, aí eu acho que as coisas começam a melhorar", opinou.

Com a derrota em casa, o Ceará cai ao oitavo lugar, com dez pontos, ultrapassado pelo próprio Santos. Com diversos desfalques por suspensão, além dos que estão no departamento médico, o Alvinegro de Porangabuçu vai entrar em campo às 19h15 da próxima quinta-feira (10) para enfrentar o Internacional no Gigante da Beira-Rio, em Porto Alegre/RS.

Outros pontos da coletiva de Guto Ferreira

O que faltou ao Ceará para sair com a vitória

“Conseguir o gol. Nós tivemos, pelo menos, duas a três, e acho que mais, quatro chances claras e nenhuma delas a gente conseguiu botar a bola para dentro. Sempre faltou um detalhezinho e eu gostaria de ter tido esse detalhe, porque acho que o mais difícil, entre aspas, é chegar. Às vezes o mais difícil é colocar ela pra dentro e é o que faltou. Méritos ao João Paulo, o goleiro deles, em duas oportunidades. Detalhezinho de um fundamento, um encaixe de pé, de um passo a mais que faltou em outras duas oportunidades pelo menos. Sem dizer outras, que nós criamos sete, e eu tô falando dessas quatro que foram muito claras.”

Avaliação positiva sobre o jogo da equipe

"Acho que o volume de jogo. É uma equipe que não se entrega. É uma equipe que caiu hoje, que não deveria cair, mas não adianta a gente chorar. A gente não conseguiu o gol e eles conseguiram; tem mais é que comemorar mesmo. A gente tem que buscar o que faltou, os detalhes que faltaram, mas o mais importante é que a gente sai consciente que nós fizemos um jogo que não foi o suficiente para vencer, mas que não foi um mau jogo. Foi um bom jogo."

"Se tratando de Campeonato Brasileiro, que é uma competição muito difícil, a gente sai com um volume de jogo muito importante, com muitas chances criadas, com volume alto sobre o adversário e a gente tem que analisar o que faltou para que a gente consiga sair como vencedor, comemorando e não justificando", finalizou.

VAVEL Logo