Em jogo morno, América-MG e Criciúma empatam sem gols no Independência

Empate resumiu duelo sem capricho na conclusão e construção das jogadas do Coelho, e falta de ambição dos catarinenses

Em jogo morno, América-MG e Criciúma empatam sem gols no Independência
Foto: Mourão Panda/América-MG
América-MG
0 0
Criciúma
América-MG: João Ricardo; Ceará (Ruy), Messias, Rafael Lima e Giovanni; Ernandes, Juninho, Renan Oliveira (Hugo Cabral), Matheusinho (Neto Moura) e Luan; Bill. Técnico: Enderson Moreira.
Criciúma: Luiz; Diogo Mateus, Nino, Edson Borges e Diego Giaretta; Jonathan, Ricardinho (Barreto), Douglas Moreira e João Henrique (Alex Maranhão); Silvinho e Lucão (Caíque Valdívia). Técnico: Luiz Carlos Winck.
ÁRBITRO: Marcelo de Lima Henrique (RJ/CBF); Assistentes: Dibert Pedrosa Moises (RJ/CBF) e Wendel de Paiva Gouveia (RJ/CBF).
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 22ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Partida disputada no Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG). Jogo realizado às 21h30.

O América-MG não conseguiu somar pontos que seriam importantes para manter a liderança na Série B. O Coelho recebeu o Criciúma, no Estádio Independência, nessa terça (22) e ambos ficaram no empate por 0 a 0 pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. 

Uma vitória seria importante para o América-MG, pois asseguraria a liderança da Série B por mais uma rodada. Agora, o Coelho terá que torcer por, no mínimo, um empate do Internacional, que receberá o Paysandu, no Beira-Rio, na próxima sexta (25). O time mineiro tem 41 pontos. 

Já o Criciúma comemorou um ponto importante na rodada. A equipe catarinense saiu da décima para a nona colocação, com 31 pontos. Três a menos que o Ceará, quarto colocado e último na linha dos times que conseguirão o acesso para a Série A. Equipes próximas ainda não jogaram, mas um ponto fora de casa, contra o atual líder, é um resultado a ser comemorado.

Na próxima rodada, o América-MG vai até o Pará, e encara o Paysandu, no Estádio Mangueirão, daqui a 17 dias, sexta-feira (8), às 21h30. Por sua vez, o Criciúma também ficará alguns dias sem entrar em campo. Sábado (9), a equipe catarinense receberá o Luverdense, no Heriberto Hulse. 

América pressiona, mas esbarra na marcação do Criciúma

A grande novidade do América foi a estreia do lateral-direito Ceará, contratado nos últimos dias para encorpar o elenco americano. Dentro de campo, o Coelho fez aquilo que manda o roteiro. Pressionou, adiantou as linhas e tentou o gol nos primeiros minutos.

Já o Criciúma também faz o que deveria ser feito para um time que joga contra o líder do Brasileirão. Fechou-se na defesa, compactado em suas linhas defensivas e não deu muito espaço para a equipe do América-MG.

Foto: Daniel Hott/América-MG

Logo aos cinco minutos, o goleiro catarinense fez a primeira boa defesa após chute de Matheusinho. Minutos depois, foi a vez de Luan desperdiçar uma boa oportunidade. O atacante recebeu de Renan Oliveira, saiu do marcador, mas demorou a bater para o gol e perdeu a chance. 

Ofensivamente, o Criciúma apostava no contra-ataque e contava com a velocidade de Silvinho. Porém, com poucos jogadores, era presa fácil para a marcação americana. O time do técnico Luiz Carlos Winck ainda chegava em bolas paradas, mas sem incomodar. 

Até o fim do primeiro tempo, o América ocupou o campo de ataque por mais tempo, teve maior posse de bola, mas não converteu seu domínio em gols. 

Criciúma sai para o ataque, e América tenta o gol a todo custo

Com a primeira parte da missão cumprida, ou seja, segurar o América, o Criciúma retornou para o segundo tempo mais solto. Por sua vez, o Coelho tentou manter a mesma postura da etapa inicial, partindo para o ataque para marcar os gols que precisava.

Com mais qualidade, o América tinha mais posse de bola, controlava o jogo, mas era ineficiente tanto na criação como na conclusão das jogadas. Nos primeiros minutos, o Coelho levou perigo apenas uma vez, com Rafael Lima cabeceando um escanteio batido por Renan Oliveira. 

Foto: Daniel Hott/América-MG

Na segunda metade do jogo, o Criciúma ficou mais adiantado, impedindo que o América saísse mais para o jogo. Acompanhando isso, Enderson Moreira tirou Renan Oliveira e colocou Hugo Cabral, mais ágil e veloz. Mesmo assim, faltava capricho na construção dos jogadores.

Nos minutos finais, pressão desordenada por parte do América. O Criciúma - contente com o ponto conquistado - segurou o placar como pôde. No final, empate com sabor de derrota para o Coelho, e muito comemorado pelos catarinenses.