Com objetivos opostos, Goiás e Atlético-GO medem forças no Clássico do Equilíbrio

Esmeraldino busca se afastar da zona de rebaixamento, onde se encontra dois pontos fora; Dragão, por sua vez, quer melhor ainda mais no campeonato

Com objetivos opostos, Goiás e Atlético-GO medem forças no Clássico do Equilíbrio
Foto: Cristiano Borges/O Popular

Na continuação da 15ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro de 2016 iniciada nesta sexta-feira (8), Goiás e Atlético Goianiense se enfrentam no Clássico do Equilíbrio número 283 da história, em jogo marcado para as 16h deste sábado (9) no Serra Dourada, em Goiânia. Nos outros confronto, contabiliza-se 108 vitórias do Esmeraldino, 98 do Dragão e 76 empates completam os números. 

As duas equipes, porém, têm objetivos completamente distintos para o confronto. O Goiás quer fazer o resultado para se afastar da zona de rebaixamento, ocupando a 16º posição com 14 pontos ganhos até aqui, enquanto que o rival local quer se garantir ainda mais no G4 e, quem sabe, assegurar a liderança do campeonato ao final da rodada. O Atlético-GO se encontra na vice-liderança com 28 pontos, mesma pontuação que o líder Vasco. 

Condé entende que Goiás chega mais pressionado, mas acredita nas condições de ganhar

Logo no primeiro ano em que disputa a Série B após cair da Série A, o Goiás enfrenta o fantasma do rebaixamento novamente, coisa que certamente não está nos planos de nenhum time, ainda mais nessas condições. A posição desfavorável dos Esmeraldinos em comparação com o rival não são positivos, visto que o Atlético Goianiense se encontra na parte de cima da tabela, buscando estar cada vez mais próximo do acesso, assim como, quem sabe da liderança. Contudo, um momento bom para se sair de uma situação desconfortável é vencendo um clássico, e o técnico do alviverde, Leo Condé sabe disso.

"O Atlético-GO teve um início fantástico na Série B, enquanto que o Goiás não anda indo tão bem assim. Porém, nas últimas cinco rodadas as duas equipes pontuaram o mesmo número: oito pontos. Chegamos mais pressionados porque não ganhamos há três jogos, mas acho que temos nossas chances de ganhar", comentou o treinador.

Já falando dos treinamentos durante a semana, Condé falou que movimentações ofensivas foram o destaque, visto também a baixa eficiência do Goiás no último terço, tendo um dos piores ataques do campeonato. "Tivemos um foco maior nas movimentações ofensivas. Agora, claro, nossa expectativa é colocar isso em prática. Espero que os jogadores, principalmente os da frente, estejam em uma tarde inspirada", afirmou. 

Para o embate, o comandante esmeraldino fez mistério, porém uma confirmação se tem: titular incontestável do time há três anos, Renan foi barrado e Ivan assume a linha debaixo das traves. Outras mudanças que devem acontecer são as de Wendel e Alex Alves entrando nas vagas dos suspensos David e Anderson Salles e Rossi, voltando de suspensão, no lugar de Cassiano

Apesar de ter o dobro de pontos do rival, Marcelo Cabo não vê Atlético-GO favorito

Quando duas equipes estão em direções opostas e com pontuações distantes, é natural que a melhor delas seja favorita quando se enfrentam. Esse, contudo, não é bem o pensamento do treinador do Atlético Goianiense, Marcelo Cabo. O técnico vai para o seu segundo clássico à frente do Dragão e não enxerga que, mesmo com o seu time possuindo o dobro da pontuação do rival, não existe favoritismo. 

"Já não concordo que tenha um favorito. É um clássico, jogo de 50% de chances para cada equipe vencer. Talvez nosso momento seja melhor, mas o adversário pode querer dar a volta por cima. Tudo se nivela. Basta olhar o investimento que foi feito pelo Goiás, que ainda conta com grandes técnicos e grandes jogadores. Precisamos manter o foco", argumentou. 

Por fim, Marcelo confirmou que Júnior Viçosa não estará presente no jogo devido à uma lesão muscular da qual ainda não se recuperou. Completando sua fala, Cabo vê que a humildade é essencial na caminhada. "Posso adiantar que não preciso pedir concentração dos meus jogadores, porque eles estão muito focados. Ainda não chegamos em lugar nenhum e precisamos manter nossa humildade, pois não tem motivo nenhum pra não mantê-la", encerrou o comandante do Dragão.