Titular e capitão contra o Chile, Marquinhos destaca peso de atuar em casa: "Jogo especial"

Defensor começará entre os 11 contra os chilenos devido à lesão de Thiago Silva na partida diante da Bolívia

Titular e capitão contra o Chile, Marquinhos destaca peso de atuar em casa: "Jogo especial"
Foto: Marcello Neves/VAVEL Brasil

A Seleção Brasileira escreverá em casa o último capítulo de sua participação nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Nesta terça (10), às 20h30, a equipe comandada pelo técnico Tite vai receber o Chile no Allianz Parque, casa do Palmeiras, já com classificação garantida para o torneio mundial do ano que vem.

O zagueiro Marquinhos será um dos titulares diante dos chilenos com a baixa de Thiago Silva, que lesionou a coxa contra a Bolívia, na última quinta (5). O defensor destacou o quanto esse duelo representa para si mesmo e para o grupo. "Jogo especial pra mim, na minha terra natal, junto com meus pais. Vai ser um jogo especial. É o nosso pensamento, entrar nesse jogo com muita seriedade, junto com nosso torcedores. É o melhor que podemos fazer", apontou.

Contra o Chile, Marquinhos será o capitão da Seleção Brasileira, sendo o 13º a carregar essa representativa faixa na 'Era Tite'. O zagueiro pontuou a relevância de cada atleta dentro do elenco do comandante gaúcho, em que cada um é fundamental para a composição do grupo dentro e fora das quatro linhas.

"Cada pessoa tem a sua características, sua forma de liderar. O professor vem falando que uns são melhores dentro de campo, outros fora. Vou ajudar o professor a demonstrar meu melhor papel, ter um bom trabalho, bom desempenho. Ser mentalmente forte e coletivamente forte", pontuou.

A Seleção Brasileira conseguiu se classificar para a Copa do Mundo de 2018 em março deste ano. Com exceção da Rússia, país-sede, que já tinha sua vaga garantida, os comandados de Tite foram os primeiros em todo o mundo a assegurarem presença na competição mundial. Contra os chilenos, os jogadores brasileiros vão precisar de cautela quanto a uma questão: eventuais expulsões tiram os 'infratores' da estreia do Brasil na Copa do 2018.

"É uma preparação mental que o professor exige. A gente coloca em prática todos os jogos. Não somente nesse, o último jogo oficial antes da Copa. Um jogo de Eliminatórias é isso, lutado, aguerrido. O Chile corre muito, o Brasil é forte coletivamente. Independente de cartões, se pensa no próximo passo", disse.

Mesmo com 'passagem comprada' para a Rússia, o Brasil compreende a tarefa complicada que terá diante dos chilenos. Isso porque, em toda esta edição das Eliminatórias, a única derrota da Canarinho foi justamente para o Chile, ainda na rodada inicial do torneio. Marquinhos deu prévias do que espera nesta terça.

"O jogo do Chile é muito agressivo, onde tem jogadores muito fortes de ataques, onde buscam essa pressão. Como eles vão atacar, nós vamos saber defender, vamos saber contra-atacar. Temos que saber ter a bola para fazer nosso jogo e saber quando atacar", analisou.

Confira outras respostas de Marquinhos

França favorita?
"Eu acompanho de perto o que tem acontecido lá. Pode melhorar, pode piorar, mas creio que é favorita. Tem uma geração nova, que tá dando liga. Vem forte sim".

Brasileiros do PSG na Seleção 
"Já havia um grande entrosamento. Claro, no PSG pode ter um bom entrosamento. Mas nosso pensamento é formar um bom grupo de seleção brasileira, não um bom grupo de PSG. Aqui a gente vira a chave e se torna jogador de Seleção Brasileira".

Apoio da família
"Creio que minha mãe e minha família sempre me prepraram para esse momento. Continuo sendo um menino humilde, sigo ambicioso. Mas isso não muda meu jeito de ser, meu jeito de viver. Creio que vem dando certo e vou continuar assim".

Seleção Brasileira