Com dois gols de Musa na segunda etapa, Nigéria vence Islândia e assume vice-liderança do Grupo D

Musa se tornou o maior artilheiro da equipe africana na história das Copas, com quatro gols; os islandeses ainda desperdiçaram um pênalti com Sigurdsson

Com dois gols de Musa na segunda etapa, Nigéria vence Islândia e assume vice-liderança do Grupo D
Musa se tornou o maior artilheiro da equipe africana em Copas (Foto: Kevin C. Cox/Getty Images)
Nigéria
2 0
Islândia
Nigéria: Uzoho, Idowu, Ekong, Balogun, Omeruo, Ndidi, Etebo, Mikel, Musa, Moses e Iheanacho.
Islândia: Halldórsson; Saevarsson, Arnason, R.Sigurdsson, Magnússon; Gunnarsson, G.Sigurdsson, Bjarnason, Gíslason; Bödvarsson, Finnbogason.

Fechando a segunda rodada no Grupo D da Copa do Mundo, Nigéria e Islândia se enfrentaram na Arena Volgogrado em busca da primeira vitória de ambas as equipes na Copa. Entretanto, os nigerianos levaram a melhor e venceram o confronto por 2 a 0, com dois golaços de Musa, o camisa 7 que se tornou o maior artilheiro da Nigéria em Copas, com quatro gols ao todo.

Agora, os nigerianos assumem a segunda posição do grupo, com três pontos e somente uma vitória contra a Argentina na última rodada, garante a classificação para a próxima fase. Em caso de empate contra os argentinos, os africanos terão de torcer para Croácia e Islândia empatarem ou para uma vitória dos croatas, que possibilita o avanço às oitavas.

Primeira etapa sem gols e sem sustos

Quando o árbitro soprou o apito, o confronto tinha ares de que a Islândia tomaria as rédeas da partida. Logo aos dois minutos, Sigurdsson já levou perigo ao bater uma falta de frente para o gol e exigir defesa providencial de Uzoho. Minutos depois, o camisa 10 apareceu de novo, livre, de cara para o gol e finalizou colocado para outra intervenção do goleiro.

Entretanto a equipe nigeriana cresceu na partida e abusava da velocidade de Moses, um dos principais jogadores da equipe, que atuava pela ponta direita e dava ritmo ao jogo, mas enfrentava dificuldades na saída de bola, rifando a redonda em vários lançamentos ao ataque.

(Foto: Shaun Botterill/Getty Images)
(Foto: Shaun Botterill/Getty Images)

Com o controle do jogo, a Nigéria passou a administrar melhor a posse e o confronto ficou marcado pela força física e disputas de bola. Os goleiros sequer trabalhavam, e os nigerianos cercavam a área islandesa, mas sem agredir o goleiro Halldórsson. Todavia, o lance de perigo surgiu dos pés de Sigurdsson, mais uma vez. O camisa 10 lançou uma bola para dentro da área, passando perto pela cabeça de Finnbogason, que quase abriu o placar.

Golaços e pênalti desperdiçado na segunda etapa

Durante os 45 minutos finais, os islandeses começaram adiantando a marcação e tentando chegar ao gol, principalmente com Sigurdsson, o principal articulador da Islândia. Contudo, em um lançamento de lateral errado, a Nigéria recuperou a bola dentro de sua área e Iheanacho saiu em arrancada pelo gramado, quando chegou próximo à área islandesa, o atacante cruzou para Musa, que no domínio da bola tirou a marcação e mandou uma bomba para dentro do gol, inaugurando o placar para a Nigéria.

(Foto: Kevin C. Cox/Getty Images)
(Foto: Kevin C. Cox/Getty Images)

Após o gol, a Islândia se viu obrigada a ir para cima em busca do empate. Com jogadas trabalhadas pelo centro do campo, chutes de fora da área eram frequentemente arriscados, mas os nigerianos se recuaram e impediram que jogadas de perigo fossem finalizadas.

Percebendo o adversário mais exposto, os nigerianos se aproveitaram disso e exploraram os espaços deixados entre a marcação. Aos 14 minutos, Ndidi arriscou um petardo de longe para defesa providencial de Halldórsson.

À frente do marcador, a Nigéria administrava a posse de bola e acelerava as jogadas quando via os islandeses pressionando em seu campo, visto que um buraco no meio de campo se adiantava abria espaço para a velocidade tanto de Musa, quanto de Moses, ainda protagonistas na segunda etapa.

O técnico da Islândia promoveu a entrada de jogadores de área, o que deixou o meio de campo desprotegido, dando a chance para a Nigéria pressionar. Vista a pressão, os nigerianos aproveitaram com Musa se movimentando em frente à área que recebeu bola na ponta esquerda, driblou os zagueiros, colocou o goleiro no chão e encheu o pé para ampliar o marcador. Um golaço. 

Com o jogo se encaminhando para o final, a Islândia pressionou e Finnbogason foi derrubado na área para o árbitro assinalar a marcação do pênalti, após consultar o VAR. Entretanto, Sigurdsson correu para a bola e isolou o pênalti, desperdiçando a chance de colocar os islandeses no jogo novamente. 

(Foto: Shaun Botterill/Getty Images)
(Foto: Shaun Botterill/Getty Images)

Finnbogason, ainda recebeu dentro da área e finalizou forte, mas Uzoho evitou o gol dos islandeses na partida. Ademais, a Nigéria passou a administrar a posse de bola e segurou o resultado até o final, conseguindo sua primeira vitória na Copa.