Último tango? Argentina enfrenta Polônia visando evitar eliminação precoce na Copa do Mundo
Em sua última Copa do Mundo, Messi é a principal esperança dos argentinos para a classificação (Foto: Divulgação/AFA)

Após se recuperar do tropeço na primeira rodada com a vitória sobre o México por 2 a 0, a Argentina volta a campo em busca de uma das vagas para as oitavas de final da Copa do Mundo. O adversário será a Polônia, líder do grupo C e que só precisa de um empate para confirmar a classificação. A partida será nesta quarta-feira (30), às 16h, no Estádio 974.

Os Hermanos ocupam a segunda posição com três pontos, ao lado da Arábia Saudita.  Para seguir no sonho do tricampeonato mundial, a equipe de Messi e cia precisa da vitória diante dos poloneses. Em caso de empate, os albicelestes terão que torcer por um empate ou derrota pelo placar mínimo dos árabes. Se perder, a Argentina estará fora da próxima fase.

A Polônia é a única equipe do grupo C que não perdeu e não sofreu gol após as duas primeiras rodadas. O triunfo por 2 a 0 sobre os árabes deixou a seleção de Lewandowski com um pé na próxima fase. Apesar do primeiro lugar, os poloneses podem ficar de fora da próxima fase se forem derrotados pelos argentinos e a Arábia Saudita superar o México.

Esta será a terceira vez que os dois países se enfrentam na Copa do Mundo. Nos dois confrontos anteriores, cada seleção venceu um duelo. Na Alemanha, em 1974, os poloneses levaram a melhor e venceram por 3 a 2, com grande atuação de Grzegorz Lato, artilheiro daquela edição, que marcou dois gols e deu uma assistência. 

Quatro anos mais tarde, na primeira conquista mundial dos argentinos, os dois times voltaram a se encontrar. E dessa vez, brilhou a estrela de Mario Kempes, artilheiro da competição e principal jogador da Argentina na campanha do título, que foi autor dos gols na vitória por 2 a 0.

  • Argentina pode ter alterações

O técnico Lionel Scaloni fez mistério durante a coletiva de imprensa sobre a escalação do time que entrará em campo logo mais. De acordo com os jornalistas argentinos, existe a preocupação com o jogo aéreo polonês, o que faz o comandante dos albicelestes pensar em mudanças.

Na defesa, Lizandro Martínez pode dar lugar a Cristian Romero,, que foi titular na estreia contra a Arábia Saudita e que entrou durante o segundo tempo na partida diante do México. Outra opção que corre por fora é Germán Pezzela.

Na lateral direita, Molina e Montiel disputam a posição. Cada um dos entrou em campo como titular em uma partida desta copa, mas Molina, que entrou durante o segundo o tempo da última rodada, parece ser a opção mais provável. 

Outra dor de cabeça está no meio de campo, com as dúvidas entre Guido Rodríguez, Enzo Fernández e Paredes. Desses três jogadores, apenas Fernández ainda não jogou como titular no mundial.

Scaloni falou sobre a possibilidade de alterações, mas não deu nenhuma pista em suas declarações.

“Um treinador tem que estar habituado a fazer mudanças. Não temos o compromisso de fazer porque é em busca do aprimoramento da equipe. Planejamos o jogo com base no que vemos que nosso time precisa”.

Provável escalação: Dibu Martínez; Montiel (Molina), Otamendi, Lisandro Martínez (Cristian Romero) e Acuña; Guido Rodríguez (Enzo Fernández), Rodrigo de Paul e Alexis Mac Allister; Di María, Lionel Messi e Lautaro Martínez.

  • Com quatro pendurados, Polônia deve repetir a escalação

Após mexer no time e conquistar a vitória sobre a Arábia Saudita, o técnico Czesław Michniewicz deve mandar a campo a mesma equipe que atuou no último sábado. Com isso, o time polonês mantém o esquema com dois atacantes, com Milik formando a dupla de ataque com Lewandowski.

Por outro lado, dentre os prováveis jogadores que entrarão em campo, quatro já foram amarelados e correm o risco de serem suspensos para a próxima partida, caso a seleção avance de fase: o lateral Cash, o zagueiro Kiwior, o meia Frankowski e o atacante Milik.

Michniewicz exaltou a defesa de sua equipe, um dos principais destaques da competição, que ainda não foi vazada.

“Estou muito contente sobre como jogamos as duas primeiras partidas, principalmente na parte defensiva, não tomamos nenhum gol. É muito importante nesse tipo de torneio. Também tivemos erros, mas foram poucos. Pedimos para que a segunda linha ajude defensivamente”.

Escalação provável: Szczesny, Cash, Glik, Kiwior, Bereszynski; Zielinski, Bielik, Krychowiak e Frankowski; Milik e Lewandowski.

  • arbitragem

Árbitro: Danny Makkelie (Holanda);

Assistente 1: Hessel Steegstra (Holanda);

Assistente 2: Jan de Vries (Holanda);

Quarto árbitro: Said Martínez (Honduras);

Árbitro de vídeo (VAR): Pol van Boekel (Holanda).

VAVEL Logo