Brendan Rodgers descarta ida para treinar seleção inglesa: "Celtic é meu emprego dos sonhos"

Treinador tem seu nome especulado para assumir o English Team, porém nega que poderia pensar em ir

Brendan Rodgers descarta ida para treinar seleção inglesa: "Celtic é meu emprego dos sonhos"
Foto: Steve Welsh/Getty Images

Depois do revés para a Islândia na Eurocopa, Roy Hodgson acabou se desligando da seleção inglesa, renunciando o cargo. Com a federação inglesa procurando novo comandante, surgiu o nome de Brendan Rogders para o emprego, atual treinador do Celtic e ex-treinador do Liverpool. Respondendo sobre a possibilidade de se tornar o mais novo treinador da Inglaterra, o norte-irlandês foi bem enfático ao dizer que não daria as costas aos Hoops depois de 43 dias de trabalho e sem nenhum jogo competitivo no currículo, reiterando ser o seu trabalho dos sonhos. 

Nascido na Irlanda do Norte, Rodgers é torcedor declarado do Celtic desde sua infância. No país, é normal que as pessoas torçam para a dupla Old Firm, muito pelo futebol do país ou por questões sociais. Estando, portanto, no clube do qual torceu desde criança, segundo palavras do treinador, o ex-técnico do Swansea considera o seu posto atual como o trabalho dos seus sonhos, descartando qualquer especulação envolvendo seu nome para assumir o English Team.

"Não vou começar aqui com o pé errado. É brilhante! Apenas mostra como o mundo do futebol está nos dias de hoje, com todas as fofocas e especulações. Eu acabei de chegar no meu emprego dos sonhos. O time que eu apoiei minha vida inteira. Nem mesmo treinei oficialmente em uma partida. Imagina eu, como um torcedor do Celtic, decidir sair do emprego no Parkhead! Lá na Inglaterra, é realmente um trabalho difícil. Eles têm bons jogadores, portanto a presão e expectativa são grandes, tem sido assim há uns anos. José Mourinho tem sido ligado ao trabalho também e ele etá invicto no United! Estarei no Celtic, com certeza", comentou.

No decorrer da entrevista, Brendan lembrou de sua admiração por Hodgson, mas insistiu que seu prato está cheio no time de Glasgow. "É como o mundo do futebol é. Existiu muitos professionais que em um momento estiveram por cima, e logo já estava pra baixo. Infelizmente terminou da maneira que foi com Roy [Hodgson], porque ele realmente é um bom treinador, boa pessoa", acrescentou.