De olho no G-4, embalado América-MG duela com Brasil de Pelotas no Independência
América de Enderson Moreira pode entrar ao G-4 em caso de vitória no Independência (Foto: Mourão Panda/América-MG)

O torcedor do América-MG não sente o gosto de uma derrota na Série B do Campeonato Brasileiro há quatro rodadas. Com situação melhor que a da torcida mineira estão apenas as de Criciúma e Internacional, que não perdem desde a sexta e a quarta rodada, respectivamente. Neste sábado (1º), o clube americano recebe o Brasil de Pelotas às 19h, no Independência, pela 11ª rodada do certame, para tentar dar prosseguimento à boa fase.

Na sexta colocação, o Coelho tem 16 pontos, um a menos que o Inter, último time do G-4 – o clube mineiro caiu uma posição por vitória do CRB. Já os gaúchos ocupam o décimo lugar (com os resultados parciais da rodada), com 14 pontos, e têm o dobro de derrotas da equipe alviverde na competição: quatro. Um triunfo do América pode deixar o time no G-4.

O América vem de uma ótima vitória fora de casa, contra o Luverdense, por 3 a 0. No dia seguinte ao triunfo alviverde, o Brasil perdeu para o Internacional em casa, pelo placar de 1 a 0, após arrancar duas importantes vitórias sobre Juventude e Vila Nova, equipes do G-4.

Solidez defensiva é arma do América

A meta de João Ricardo, goleiro do América, não é vazada há três jogos. No empate com o Oeste em 0 a 0 e nos triunfos diante de Santa Cruz e Luverdense, por 1 a 0 e 3 a 0, respectivamente, o arqueiro alviverde deixou o campo com um sentimento de dever cumprido. Contra o time gaúcho, o Coelho tentará igualar uma sequência conquistada no início da temporada, ante Ceará, Democrata, URT e Atlético-AC, em que não sofreu gols nas quatro partidas.

O zagueiro Messias dividiu os méritos da boa linha de defesa do time com todos os atletas que dão suporte na marcação e agregam ao elenco na recomposição. “Não é só eu, o Rafael [Lima] ou o João Ricardo lá atrás. A marcação começa lá na frente. Com a ajuda de todos os companheiros, na marcação, estamos sofrendo poucos gols. Então divido este mérito com a toda a equipe”, afirmou.

O América venceu o Luverdense no último sábado (24), e com isso teve uma semana inteira de preparação para o confronto diante do Brasil de Pelotas. Mas essa semana tranquila não era rotina no time. Antes disso, fez sete jogos em 21 dias, uma média de uma partida a cada três dias. Para o duelo com a equipe gaúcha, Enderson Moreira, técnico americano, espera um encontro complicado. 

Nossa expectativa para amanhã é de um jogo complicado. O Brasil é uma equipe forte fisicamente e muito poderosa no jogo de bola parada. Então esperamos um jogo difícil, contra uma equipe muito madura e experiente. Mas sabemos que precisamos ter uma boa capacidade de enfrentamento para que a gente possa buscar o nosso objetivo, que é a vitória”, apontou o comandante.

O Coelho deve ir a campo com um time semelhante ao que bateu o Luverdense, porém com algumas mudanças. Uma delas é a volta de Bill, que estava suspenso no jogo contra a equipe mato-grossense e deve retornar ao grupo dos titulares. Afastado por lesão nas últimas rodadas, o lateral Norberto treinou normalmente durante a semana, mas Christian deve seguir improvisado.

Com isso, diante do Brasil de Pelotas, o América deve começar jogando com João Ricardo, Christian, Messias, Rafael Lima e Pará; Ernandes, Zé Ricardo e Renan Oliveira; Luan, Hugo Cabral e Bill.

Brasil de Pelotas com muitas alterações na equipe

Se Enderson Moreira pouco mudará em sua equipe, Rogério Zimmermann provavelmente deve mexer bem em relação à equipe que jogou contra o Internacional. A dupla de zaga Cirilo e Teco pode dar lugar a Evaldo e Leandro Camilo, que estão retornando. O primeiro cumpriu suspensão na partida contra o Colorado, e o segundo estava com um desconforto muscular.

Duas ausências do time diante do Inter foram o goleiro Eduardo Martini e o meia Wagner. Ambos chegaram a ser afastados por indisciplina, segundo a direção do Xavante. "Wagner e Martini não estiveram no jogo por questões de indisciplina. Conversamos com eles e voltaram ao trabalho. Todo atleta é cabível de erros. Ficou para atrás, se alimentarmos essa situação, não vamos dar continuidade no trabalho", disse o presidente do clube, Ricardo Fonseca, que não detalhou os motivos da punição, considerando-os um "assunto interno".

Se os dois não retomarem suas titularidades, o técnico Rogério deve permanecer com Marcelo Pitol no gol e Nem no meio. Quem também retorna é o volante João Afonso, liberado pelo departamento médico. Se o meio-campista for escolhido para começar entre os 11, coloca Leandro Leite no banco de reservas. 

É preciso ter convicção no nosso trabalho. A gente confia um no outro, no trabalho do professor, em nós mesmos. Está tudo muito embolado, em uma rodada podemos estar no G4 e na outra estar na zona do rebaixamento. Temos que continuar trabalhando, porque aqui tratamos cada jogo como uma final”, comentou João.

O panorama da tabela da Série B, resgatada pelo jogador, pode ser explicada pela própria colocação da equipe. O Brasil tem diante de si a chance pontuar em uma rodada em que está a dois pontos do Z-4 e a três do G-4. Rogério Zimmermann destacou a força do América.

O adversário é forte, vem de bons resultados… é um jogo difícil, mas tivemos uma experiência recente enfrentando o líder fora de casa e conseguimos vencer. Se for analisar nossa sequência, são três equipes que estavam na Série A no ano passado. É sempre motivadora uma partida de Campeonato Brasileiro", encerrou.

VAVEL Logo