Tony promete lutar pela camisa do América-MG mesmo com iminente rebaixamento

Jogador volta à equipe depois de tratamento de lesão e adota discurso realista com mau momento do time, prestes a encarar o rebaixamento para a Série B

Tony promete lutar pela camisa do América-MG mesmo com iminente rebaixamento
Foto: Divulgação/Corinthians

Quando uma equipe entra em determinada competição, a meta sempre será vencê-la. O caráter imprevisível do caminho, no entanto, reserva situações que fogem de qualquer projeção de resultados. No meio dos que começam o torneio pensando na glória, há também os mais realistas, que olham para suas condições e potenciais, e são mais moderados. O que nenhum clube espera é que seu planejamento falhe a ponto de castigá-lo com um rebaixamento, por exemplo.

Depois da derrota por 2 a 0 para o Corinthians, neste domingo (16), pela 31º rodada do Campeonato Brasileiro, o América-MG entrou em uma situação ainda mais difícil de permanência na Série A da competição, cenário que nem o mais pessimista dos americanos esperava ou projetava quando o Coelho iniciou o torneio. A equipe precisaria vencer todos os próximos sete confrontos e torcer por combinações bastante favoráveis de outros times, situação complicada para o meia Tony, que descarta, no entanto, desistir de lutar com a camisa alviverde.

A gente tem que ser realista e não pode enganar o torcedor. Sabemos que nossa situação é muito difícil. Enquanto houver esperança, eu vou lutar. Se a gente tiver condições de jogar, ganhar sete jogos e escapar, a gente tem que lutar por isso. Vou lutar o tempo inteiro, até que matematicamente não tenha chances. Vou continuar lutando pela minha família, pela camisa que eu visto, pelo caráter que eu tenho. Continuar lutando por tudo que Deus me abençoou para fazer. Temos que retribuir com bastante suór”, afirmou Tony.

Depois de ficar ficar por cerca de três meses e meio longe dos gramados, por uma lesão muscular, o meia mostrou que independente disso, a meta é ajudar o time. “Eu estou tentando fazer o que eu posso, cada dia mais minha atuação é um pouco complicada por conta da lesão que eu tive, muito tempo parado. Eu tenho tentado me doar o tempo inteiro. O que eu puder fazer pelo América, eu vou fazer até o último jogo, até o último minuto”, completou o atleta.

Se o jogador pretende lutar por vitória nos próximos sete jogos, o primeiro deles é contra o Atlético-PR, na segunda (24), no Independência. O rubro-negro paranaense busca uma vaga no G-6 do Brasileirão, para acesso à Libertadores.