Novamente com gol de zagueiro, Vasco bate Tupi pelo placar mínimo e segue invicto no ano

Equipe de Jorginho atinge a marca de 29 jogos de invencibilidade, após vitória com gol do zagueiro Luan

Novamente com gol de zagueiro, Vasco bate Tupi pelo placar mínimo e segue invicto no ano
Luan comemorando único gol, na vitória sobre o Tupi-MG ( Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)
Vasco da Gama
1 0
Tupi
Vasco da Gama: Martín Silva; Yago Pikachu, Luan, Rodrigo, Júlio Cesar (Henrique); Marcelo Mattos, Julio dos Santos, Andrezinho (Evander) - (Diguinho), Nenê; Jorge Henrique, Thalles; TEC: Jorginho.
Tupi: Glaysson; Felippe Formiga, Rodolfo Mol, Heitor, Bruno Costa; Felipe Alves (Henrique Santos), Jataí, Marcos Serrato, Jonathan; Silvy (Ygor Souza), Giancarlo (Gabriel Sacilotto); TEC: Ricardo Drubscky.
Placar: 1-0, Luan, 37min. 1T.
ÁRBITRO: Francisco Carlos do Nascimento (AL), auxiliado por Pedro Jorge dos Santos (AL) e Brígida Cirilo Ferreira (AL); Cartões Amarelos: Pikachu, Thalles, Evander (VAS); Felippe Formiga, Jataí (TUP); Cartões Vermelhos: Jonathan (TUP).
INCIDENCIAS: Partida válida pela segunda rodada do Brasileirão Série B, realizada na tarde deste sábado (21), no Estádio São Januário, no Rio de Janeiro.

O Vasco venceu a segunda na Série B, e chegou a 29 jogos de invencibilidade. A vítima da vez foi o Tupi de Juiz de Fora. A equipe mineira vendeu caro a derrota ao Gigante da Colina. Chegando por vezes com muito perigo ao gol defendido por Martín Silva. Mas com o controle das ações no meio-campo, e com jogadas velozes, o Vasco conseguiu assustar também, e pelo quarto jogo seguido, um zagueiro decidiu para o clube de São Januário. O nome da vez foi Luan, que de cabeça, após falta venenosa de Nenê, fez a bola morrer no fundo da rede.

Com o resultado, o Vasco volta a primeira posição, empatado com o Atlético-GO, mas levando vantagem no saldo de gols. O Tupi-MG, por sua vez, segue sem pontuar na competição. Depois de perder em casa para o Goiás, e da derrota para o Vasco, a equipe de Ricardo Drubscky amarga a falta de pontos neste início de competição.

Na próxima rodada, o Vasco tem confronto marcado com o Vila Nova. O mando de campo é da equipe goiana, mas a diretoria transferiu a partida para o Mané Garrincha, em Brasília, visando lucrar com a venda de ingressos para a torcida vascaína, que é grande na capital. A partida acontecerá às 21h30 da próxima terça-feira (24). O Tupi-MG volta para Minas. A equipe de Drubscky terá pela frente o Paysandu. A partida contra o Papão acontecerá simultaneamente a Vila Nova e Vasco.

Vasco marca em primeiro tempo fraco tecnicamente

A segunda rodada do Brasileirão Série B começou com tudo em São Januário. Logo no início de jogo, o Tupi-MG, visitante, colocou uma bola na trave, assustando os vascaínos, na torcida e dentro de campo. O lance serviu quase que instantaneamente para que a equipe de Jorginho prestasse mais atenção na partida. Nos minutos seguintes, o Vasco começou a comandar as ações, como era de se esperar, mas levando pouco perigo, já que a equipe errava muito o último passe.

Como vem acontecendo nas últimas partidas, Nenê era muito visado. A todo momento o “Camisa 10” sofria faltas, muitas delas pesadas, mas a arbitragem atuava de maneira frouxa, sem punição. Sem o principal jogador do Vasco, já que com a bola, Nenê era quase anulado, pelo excesso de faltas, e com Andrezinho fora, por lesão, o Vasco chegava pouco, apesar de manter muito mais a posse de bola. A primeira chegada verdadeiramente contundente foi apenas aos 21 minutos, com chute de Thalles.

Ironicamente, quando a equipe vascaína começava a reduzir o ritmo, e os mineiros começavam a gostar do jogo, Nenê cobrou falta venenosa, na direção da marca do pênalti, na cabeça de Luan que, de forma certeira, desviou do goleiro, abrindo o placar para o Vasco da Gama e encerrando as emoções na primeira etapa.

Jogo melhora no segundo tempo, mas gols não saem e partida termina com vitória magra do Vasco

O segundo tempo se inicia como o primeiro, mas dessa vez, era o Vasco que pressionava desde a saída de bola. Logo aos 2’, um bate-rebate na área do Tupi-MG assusta os poucos torcedores mineiros em São Januário, mas como antes, a equipe vascaína peca na conclusão das jogadas, desperdiçando novamente um a oportunidade de marcar.

O Vasco veio decidido a finalizar o Tupi-MG na segunda etapa e, nos primeiros 10 minutos, armou um verdadeiro bombardeio ao gol defendido por Glaysson. O Tupi, por sua vez, se defendia como podia, mantendo o contra-ataque “engatilhado”, esperando por uma desatenção vascaína, que não vinha.

Aos 23’, após erro no comando ofensivo da equipe carioca, o alvinegro mineiro desceu em rápido contra-ataque, resultando em uma bola que explodiu no travessão de Martín Silva, proveniente dos pés de Serrato. Na hora, alguns jogadores do Tupi pediram gol, alegando que a bola, após explodir na trave, teria tocado no chão, mas depois da linha fatal, o que não ocorreu.

Alguns minutos se passaram e a blitz do Tupi continuava. Agora, depois de Giancarlo escorar fazendo o “pivô”, Henrique, saiu frente a frente com Martín, mas o goleiro uruguaio provou o porquê é ídolo na Colina, fazendo belíssima defesa.

Na reta final da segunda etapa foi a vez do Vasco montar a pressão. Primeiro com Thalles, que após passe de Nenê, chutou em cima de Glaysson. Um minuto depois, Yago Pikachu entrou na área e chutou cruzado, novamente na direção de Glaysson. E por último, um dos lances mais bonitos da partida. Aos 46 minutos, Nenê cobrou um escanteio para o Vasco, e com muito efeito, quase surpreendeu o goleirão adversário, no que seria um belo gol olímpico ao apagar das luzes.