MotoGP 2015: uma épica e polêmica decisão entre Valentino Rossi e Jorge Lorenzo
Jorge Lorenzo (moto 99) e Valentino Rossi (moto 46) protagonizaram uma disputa de titulo épica, drampatica e muito polêmica (Foto: Divulgação/Yamaha)

Toda disputa de titulo, seja em qualquer esporte, sempre conta com muitos ingredientes. Emoção, drama, alegria, frustração, são alguns desses, que sempre acabam ajudando um campeonato a ter bastante atenção do público. Porém, na decisão do titulo da MotoGP deste ano, um ingrediente a mais foi adicionado e acabou sendo o principal.

Polêmica                         

A decisão de titulo da MotoGP deste ano parecia que seria “somente” emocionante. Valentino Rossi e Jorge Lorenzo, ambos da mesma equipe, Movistar Yamaha MotoGP. Ambos com talentos mundialmente reconhecidos e com tudo para fazer uma épica decisão de campeonato na última corrida da temporada, em Valência, na Espanha. Porém, um personagem apareceu para mudar tudo e colocar um tempero ainda maior nas coisas.

Quem seria este personagem? Obviamente, ninguém mais e ninguém menos que o espanhol Marc Márquez, da Repsol Honda Team. Embora não tenha conseguido fazer um grande campeonato, como fez em 2013 e 2014, ele acabou conseguindo “destaque” em uma disputa de titulo que acabou ganhando contornos dramáticos nas últimas corridas.

Mas antes de qualquer coisa, tem que se falar do começo. Nas três primeiras etapas do ano, Rossi conseguiu ser superior – e muito – a Lorenzo. O italiano conquistou duas grandes vitórias (Catar e Argentina), uma delas depois de um espetacular duelo contra Márquez, na Argentina. Além dessas, ele conseguiu um terceiro lugar no Texas. Para Lorenzo, o inicio foi horrível. Nenhum pódio nas primeiras corridas.

Porém, quando a etapa européia iniciou, Lorenzo conseguiu reagir de forma incrível. Foram quatro vitórias consecutivas (Jerez, França, Itália e Catalunha). As vitórias deixaram o espanhol muito perto de Rossi na tabela de pontos do campeonato. Enquanto isso, Márquez só possuía uma vitória e um pódio, mostrando o quão seria difícil seu terceiro ano na classe.

Depois de uma grande reação, a boa fase de Lorenzo acabou o deixando nas próximas corridas. Uma delas foi na Holanda, quando Rossi venceu de forma épica, mesmo depois de um polêmico toque de Márquez em sua Yamaha. Parecia que não, mas a relação até o momento sadia entre o espanhol e o italiano começava a “azedar” a partir dali. Depois da corrida em Assen, Márquez conseguiu encaixar uma sequência de duas vitórias (Alemanha e Indianápolis). Depois, um segundo lugar na República Checa, que teve vitória de Lorenzo.

Depois da corrida checa, as duas posteriores foram dramáticas e emocionantes. Primeiro, em Silverstone, na Inglaterra. Rossi fez uma apresentação impecável na chuva, mas outro personagem também roubaria cena. O italiano Danilo Petrucci, a bordo de sua Pramac Ducati, conseguiu um sensacional segundo lugar, depois de superar Lorenzo e Andrea Dovizioso, este piloto oficial da Ducati, que acabou em terceiro. Márquez, por sua vez, caiu ao tentar alcançar Rossi na liderança.

Posteriormente, foi a vez de Márquez conseguir uma vitória sensacional em San Marino, em uma corrida que contou com trocas de moto e condições de tempo e pista diferentes. Além do espanhol,  os britânicos Bradley Smith (Monster Yamaha Tech 3) e Scott Redding (Estrella Galicia 0,0 Marc VDS) também se destacaram ao conseguirem ir ao pódio. Outro piloto que acabou ganhando status na prova foi Loriz Baz, que a bordo da Yamaha Forward, conseguiu um belo quarto lugar.

A seguir, viria a etapa de Aragón, na Espanha. Lorenzo venceu, Márquez caiu, mas toda a ênfase foi na belíssima disputa pelo segundo lugar entre o espanhol Dani Pedrosa (Repsol Honda Team), que fazia uma temporada bastante apagada até o momento, e Rossi, pelo segundo lugar. Pedrosa acabou levando a melhor na última volta.

Pedrosa também se destacou ao conseguir uma grande vitória em Motegi, no Japão, corrida que parecia ter vitória de Lorenzo praticamente certa. Ele liderou a primeira parte com folga, mas sua moto perdeu rendimento nas últimas voltas e ele acabou sendo superado não somente por Pedrosa, mas também por Rossi.

Depois da etapa japonesa, a briga pelo titulo foi polarizada entre Rossi e Lorenzo. O italiano liderava o campeonato por quase toda a temporada, enquanto o espanhol conseguiu reagir com mais vitórias. As três últimas corridas seriam emocionantes, pois não eram apenas dois pilotos brigando por titulo, era Rossi e Lorenzo, companheiros de equipe, lutando pela glória no final. Porém, Márquez apareceu para dar deixar com um toque de polêmica a decisão.

Tudo começou na Austrália, antepenúltima corrida do ano. Lorenzo, Rossi e Márquez lutavam pela vitória. Além deles, Andra Iannone (Ducati Team) também apareceu como “figurante”. Márquez chamava a atenção com suas ultrapassagens muito agressivas em cima de Rossi e Iannone, até a penultima volta da corrida. Na última, ele superou Lorenzo e venceu a prova. Rossi acabou fora do pódio, pois seria surpreendido por Iannone. Porém, o italiano da Yamaha acusou Márquez seriamente de tê-lo prejudicado durante a prova e de ajudar Lorenzo.

As coisas perderam ao controle na Malásia, quando Márquez deixou Lorenzo passar e começou a brigar pelo terceiro lugar com Rossi. O experiente e italiano e o jovem espanhol brigaram intensamente pela posição, muito mais por causa de Márquez, que parecia querer se “vingar” das acusações de Rossi depois da corrida da Austrália.

O resultado de toda a briga acabou sendo um toque entre eles, que causou a queda de Márquez. Ao final da corrida, eles trocaram acusações e sobrou para o italiano, que foi punido e teve que teria que largar em último na última corrida do ano. Rossi ainda falaria, com palavras muito claras, que Márquez estaria favorecendo Lorenzo pelo fato de ambos serem espanhois. Eles negaram, mas ninguém parecia mais acreditar nas palavras dos dois.

Rossi bem que tentou recorrer a decisão, mostrando imagens e vídeos de todos os ângulos, mas não conseguiu reverter a situação. Ele foi obrigado a largar de último em Valência, o que lhe deixaria em situação complicada na busca do 10º titulo da MotoGP. Lorenzo, por sua vez, aproveitou a ocasião fazendo a pole position e tentando pressionar seu colega de equipe, com declarações polêmicas.

Na corrida, Lorenzo foi “escoltado” por Márquez até o final. Os dois espanhóis corriam juntos, com alguma pressão de Pedrosa, que parecia querer brigar pelo primeiro lugar, mas não conseguiu. Rossi, por sua vez, fez o que pôde. Saiu de último para quarto, que era o lugar que ele conquistaria naturalmente, sabendo que seria difícil alcançar Lorenzo, Márquez e Pedrosa. Ele tinha que torcer para a dupla da Honda superar seu companheiro de equipe, mas na altura dos acontecimentos e fatos, isso seria difícil.

No final das contas, Lorenzo levou a melhor e conquistou o terceiro titulo da MotoGP. Porém, o espanhol foi muito mais vaiado do que aplaudido, assim como Márquez. Rossi, por sua vez, ganhou um grande apoio após a dolorosa derrota, muito mais que os seus rivais. Afinal de contas, o italiano mostrou força durante todo o campeonato e que ainda tem capacidade de lutar pelo sonhado 10º titulo da categoria.

Com todos os acontecimentos do final da temporada, o ano de 2016 promete ser quente para a MotoGP.

VAVEL Logo