Seleção VAVEL da Premier League 2014/2015
Seleção VAVEL da Premier League 2014/2015

Mais uma temporada se passou da Premier League e, pela quinta vez na história, o Chelsea de José Mourinho se consagrou campeão do campeonato inglês. Mesmo criticado por seu estilo e estratégia de jogo, o Special One conseguiu levar os Blues ao título da temporada 2014/2015 de forma antecipada O time liderou boa parte do nacional e permaneceu assim até a derradeira rodada, ocorrida no último domingo (24).

A briga por vaga na próxima Uefa Champions League foi mais disputada. Em alguns momentos do ano, o Southampton fazia-se presente no G-4.

Porém, os pontos corridos são cruciais e o time não conseguiu manter o forte ritmo, e acabou terminando na 7ª colocação, e aguarda a final da FA Cup entre Arsenal e Aston Villa no próximo sábado (30) para ver se disputará ou não a Uefa Europa League.

Uma vitória dos Gunners abre a vaga para o sétimo colocado na Premier League, e os comandados de Ronald Koeman contam com o título de Arsene Wenger para participarem da segunda competição mais importante da Europa.

Vice-campeão, o Manchester City permaneceu lá por boas rodadas. Chegou a sair por tropeços, porém se recuperou ao final da temporada e garantiu a vaga direta na principal competição interclubes do planeta.

Outro que também garantiu vaga direta na UCL foi o Arsenal. Contando com um Alexis Sánchez inspirado durante toda a temporada, os Gunners terminaram em 3º e também vão diretamente à fase de grupos.

Quem ainda terá que passar pelos playoffs da Champions será o Manchester United. Em reconstrução, o time de Louis van Gaal foi irregular no ano, tendo perdido muitos pontos bobos e deixado escapar vitórias que já estavam na mão.

A irregularidade de suas estrelas contratadas na última janela de transferências como Falcao Garcia e Di María acabaram decepcionando os adeptos dos Red Devils. O United não quis contratar o colombiano, que retornou de empréstimo ao Monaco após uma temporada fracassada, e o argentino, que chegou com peso de craque, terminou o ano no banco de reservas.

Muitas foram as decepções mas muitas foram as alegrias, e depois de muita discussão e argumentos apresentados, nós da VAVEL Brasil montamos a Seleção da temporada 2014/2015 da Premier League. Mesmo campeão antecipado, o Chelsea teve apenas três representantes na seleção. A diversidade se fez presente nos selecionados.

Confira a Seleção VAVEL da Premier League 2014/15:

Goleiro: David De Gea (Manchester United)

Os torcedores do Manchester United sofreram com o limitado setor defensivo da equipe. Além da baixa qualidade de zagueiros como Paddy McNair, Johnny Evans e Chris Smalling, o time ainda contou com inúmeras lesões.

A única posição que permaneceu sólida e regular durante todo o ano foi o goleiro. David De Gea teve a melhor temporada de sua carreira e salvou os Red Devils de estarem mais um ano de fora da Champions League.

Com atuações no mínimo espetaculares, o arqueiro espanhol foi o atleta mais importante da temporada, garantindo pontos e vitórias com defesas consideradas impossíveis. Qualquer torcedor e até os torcedores dos rivais do United sabem que, se não fosse por De Gea, a equipe estaria mais uma vez de fora da competição europeia.

Vale mencionar também Joe Hart, do rival Manchester City. Hart também fez uma excelente temporada, mas como os Citizens já estavam consistentes e tinham uma zaga não tão limitada quanto a do rival, De Gea foi escolhido devido à sua extrema importância na campanha do Manchester United na Premier League.

Lateral direito: Branislav Ivanovic (Chelsea)

Consistência e poder de decisão. Essas foram as principais características de Ivanovic que lhe renderam o posto de melhor lateral direito da temporada. O sérvio teve uma temporada excepcional e foi peça importante para o título do Chelsea, com gols decisivos em momentos complicados dos Blues em confrontos difíceis.

Além do poder de decisão no ataque, o lateral se mostrou extremamente consistente no setor defensivo, muitas vezes impedindo jogadas dos adversários na parte direita dos flancos com desarmes certeiros.

Zagueiro: John Terry (Chelsea)

Impossível não mencionar o capitão da equipe campeã. Ídolo da torcida dos Blues, John Terry, mais uma vez, se demonstrou de suma importância para as expectativas do torcedor da equipe. Mesmo com 34 anos, Terry permanece com pique para correr atrás dos jogadores mais jovens, e não decepciona.

Foi o xerife da zaga de José Mourinho, e além de se mostrar de total necessidade no setor de defesa, Terry deixou também seus importantes gols de cabeça que ajudaram o Chelsea na campanha do penta.

Zagueiro: José Fonte (Southampton)

Considerado por muitos o melhor zagueiro da temporada, o português Fonte foi importante na campanha dos Saints. O português de 31 anos foi peça fundamental para a segunda defesa menos vazada do campeonato.

Fonte foi consistente do primeiro ao último apito da temporada e muitos acreditam que ele foi ainda melhor que John Terry no ano. O Southampton sofreu com perda de jogadores importantes no início da temporada, como Luke Shaw e Adam Lallana, mas com mérito do treinador Ronald Koeman junto de seus atletas e principalmente de seu capitão, os Saints encerraram a competição na sétima posição.

Lateral esquerdo: Ryan Bertrand (Southampton)

Jogador do Chelsea desde 2006, Bertrand foi emprestado aos Saints em 2014, e não decepcionou. O lateral, assim como Fonte, foi peça chave para a defesa do Southampton ser a segunda menos vazada da competição.

Além de ajudar na defesa, Bertrand também foi importante no setor ofensivo e marcou dois importantes gols. A importância e a consistência do lateral fizeram com que os Saints contratassem em definitivo o atleta. Bertrand ficará no Southampton por mais quatro temporadas.

Volante: Ander Herrera (Manchester United)

O espanhol foi contratado também início da temporada, e diferente de Di María e Falcao García, não decepcionou. Com uma consistência fenomenal, Herrera foi o jogador mais importante do meio campo do Manchester United, que pecou na irregularidade durante o campeonato.

Ao lado de Daley Blind, formou um setor de volantes que ajudava a escassa defesa dos Red Devils, além de apoiar com muita qualidade o ataque do United.

Fez belos gols para o time de Manchester, e ao lado de De Gea, foi o jogador mais importante para a campanha dos Red Devils na temporada.

Meia: Eden Hazard (Chelsea)

Eleito o melhor jogador do ano, o camisa 10 dos Blues fez por merecer. Com uma temporada sensacional, Hazard maestrou o meio de campo do Chelsea ao lado de Cesc Fabregas.

O belga de 24 anos foi o criador das principais jogadas da equipe campeã, além de ter marcado gols importantes, como na vitória por 1 a 0 diante do Manchester United, já ao final da temporada.

Além de gols e assistências, Hazard também chamou a atenção pela capacidade de dribles em espaços curtos. Diversas vezes saiu de marcação de três adversários com jogadas sensacionais, o que deram ao belga o prêmio de melhor jogador do ano na Terra da Rainha.

Meia: Philippe Coutinho (Liverpool)

Se não fosse por Philippe Coutinho, o Liverpool, com certeza, estaria em apuros. Finalmente o camisa 10 mostrou do que é capaz e foi de total importância para a campanha dos Reds, que culminou na sexta posição, com vaga na Uefa Europa League.

Foi responsável pela criação de jogadas no meio campo e não decepcionou. Seus números poderiam ser maiores senão fosse o setor de ataque, que decepcionou muito. Balotelli, contratado para substituiur Luis Suárez, vendido ao Barcelona, não fez nada e chegou a nem ser relacionado por Brendan Rodgers em algumas rodadas.

Sturridge passou boa parte do ano lesionado e o jovem Sterling também fracassou. Coutinho chamou a responsabilidade e tende a crescer com o decorrer dos anos, e pode ser peça chave para os Reds na busca por vôos maiores.

Atacante: Alexis Sánchez (Arsenal)

A indagação de que senão fosse por Alexis Sánchez o Arsenal não estaria onde está é bastante questionada. No início da temporada, isso pode ser afirmado devido às constantes lesões que privaram Arsene Wenger de esboçar o time titular desejado.

Com o passar das rodadas, os jogadores foram voltando e a consistência da equipe também. Com a ajuda de Alexis, os Gunners encerraram a temporada em terceiro lugar e estão com vaga garantida na fase de grupos da próxima Champions League.

Não só pelos 16 gols marcados, Sánchez também foi importante com assistências e criação de jogadas. Wenger vai contar muito com ele para as próximas temporadas, e com certeza o chileno não irá decepcionar.

Atacante: Harry Kane (Tottenham)

Aparentemente o camisa 9 da Inglaterra foi encontrado. Harry Kane, de apenas 21 anos é apontado como a principal revelação recente no setor, e isso foi demonstrado na última Premier League.

Vice artilheiro com 21 gols, o jovem atacante é atleta do Tottenham desde 2009, mas passou por diversos clubes de menor expressão por empréstimo, como Leicester City e Milwall.

Na temporada 2014/15, Kane mostrou que tem faro de gol e que vai ser importante para os Spurs. O jogador deve permanecer no clube na próxima temporada mas, se manter o ritmo, será buscado por gigantes do futebol europeu.

Atacante: Sergio Aguero (Manchester City)

Impossível não citar o artilheiro da Premier League com 26 gols na temporada. O argentino de 26 anos foi a peça principal do City na campanha do vice campeonato. Com gols importantes e decisivos, Aguero disparou na artilharia e continua deixando seu nome na história dos Citizens.

Com a excelente média de um gol a cada 97 minutos, quase um por partida, Aguero já afirmou que só sairá do clube inglês após vencer uma Champions League com a equipe. Se dependesse dele, não seria tão difícil, e seus companheiros continuarão na busca pelo principal título interclubes do mundo na próxima temporada.

Treinador: Ronald Koeman (Southampton)

Técnico dos Saints desde junho de 2014, Koeman surpreendeu a todos na penúltima temporada e levou o Southampton à oitava colocação. Na temporada 14/15, devido ao sucesso de seu elenco, o treinador perdeu peças importantes como Luke Shaw e Adam Lallana, negociados com Manchester United e Liverpool, respectivamente.

Mesmo com a saída de importantes jogadores, Koeman manteve a uniformidade de grupo e foi ainda melhor na temporada passada, onde encerrou a competição na sétima posição com 60 pontos conquistados.

O treinador holandês segue na expectativa de disputar a Uefa Europa League. A esperança reside nos pés do Arsenal, que enfrenta o Aston Villa na final da FA Cup no próximo sábado (30). Se os Gunners se consagrarem campeões, abre mais uma vaga para competição europeia, a de sétimo colocado, que no caso é do Southampton.

Os comandados de Koeman chegaram à ocupar o G-4 da Premier League por algumas rodadas, mas o rendimento caiu como era esperado, mas ainda assim continuam no sonho de disputar uma competição europeia.

Revelação: Harry Kane (Tottenham)

Melhor jogador: Eden Hazard (Chelsea)

VAVEL Logo