Luan reforça amor pelo Atlético-MG e descarta atuar pelo Cruzeiro: "Jamais"
Luan durante treinamento na Cidade do Galo (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Luan reforça amor pelo Atlético-MG e descarta atuar pelo Cruzeiro: "Jamais"

Menino maluquinho tem contrato até 2022 com alvinegro; em quase sete anos de casa, ele soma 279 partidas disputadas

leo-moura
Leonardo Almeida

Luan Madson Gedeão de Paiva é, sem dúvidas, um dos maiores jogadores da história do Atlético-MG. Ídolo inquestionável da torcida do Galo por sua vontade demonstrada em campo, ele é um dos jogadores mais antigos do atual elenco alvinegro; desde janeiro de 2013.

Com 28 anos e com contrato até 2022 com o Atlético, Luan possui 279 partidas disputadas pelo clube e 45 gols anotados. Em bate-papo no canal De Sola, na plataforma Youtube, o meia revelou que já recebeu diversas propostas para deixar a Cidade do Galo, mas que a paixão vinda das arquibancadas de Belo Horizonte o impediu de deixar o clube.

"Carinho do torcedor não deixou eu sair. Tive várias propostas da China, Dubai, que era um sonho de família, e México. Vou continuar com o trabalho sério e participando de partidas decisivas na história do Galo, porque vai continuar surgindo várias propostas daqui pra frente", expressou.

Sobre um dia vestir a camisa do Cruzeiro, o menino maluquinho rechaçou a ideia e cutucou a atitude de jogadores que já viraram a casaca.

"Jamais. É rival, pra sempre. Com minha história no Galo, dinheiro nenhum compra minha honestidade. Por toda identificação que eu tenho com o torcedor, eu não jogaria no Cruzeiro. Vi alguns jogadores fazerem isso e não acho legal", revelou.

Questionado sobre a Seleção Brasileira, que atualmente disputa a Copa América 2019 no Brasil, o meia do Atlético-MG não esconde a vontade de um dia vestir a amarelinha e, disse, ainda, que esteve perto de uma convocação no ano de 2015.

"Seleção sempre é o sonho de todo mundo. É um objetivo meu. Em 2015 tive uma lesão muito séria, que me afastou um pouco desse sonho. Pessoal consultaram com o Levir Culpi (técnico) na época. Eu estava em um momento espetacular da minha carreira, fazendo vários gols decisivos. Em seguida, surgiu essa conversa (de Seleção) aí eu tive minha lesão grave, que me impediu desse sonho. Estou novo ainda, com 28 anos, tenho muito futebol pela frente. Confio no meu potencial e creio que na Seleção falta um doido (risos)", complementou.

VAVEL Logo