Goleiro Luiz contesta expulsão diante do Paraná: "Juiz caiu na pressão"

Para capitão do Criciúma, Tigre não perderia duelo no 11 contra 11

Goleiro Luiz contesta expulsão diante do Paraná: "Juiz caiu na pressão"
Luiz foi expulso no fim da primeira etapa | Foto: Divulgação / E.C. Criciúma

Expulso nos acréscimos da primeira etapa na derrota por 2 a 1 diante do Paraná, na noite desta sexta-feira (13), no estádio Durival de Britto, o goleiro Luiz criticou a arbitragem do mineiro Igor Junio Benevuto e afirmou que o Criciúma não perderia caso ficasse no 11 contra 11. Para o capitão do time catarinense, o cartão vermelho que recebeu, resultado de um toque de mão fora da área, após já ter recebido amarelo por reclamação, foi arbitrária e equivocada.

"Estávamos bem no jogo, conseguimos sair vencendo, mas desde o começo o árbitro minou nossos jogadores. Deu cartão para os pendurados, marcava tudo contra nós, até que na minha expulsão, se vocês olharem bem na televisão, o jogador com quem divido a primeira bola se beneficia de posição de impedimento. Depois meus pés realmente estão fora da área, porém, a bola não. A marcação dele não existe", criticou Luiz

O goleiro criciumense disse que teve convicção da legalidade do lance na hora da jogada e que assistiu diversas vezes ao término do jogo. Luiz considerou o cartão absurdo. "Não estou falando de cabeça quente. Foi na frente do bandeira e ele também se omitiu. O juiz caiu na pressão dos jogadores adversários e da torcida da casa. Isso não existe", disparou o arqueiro.

Luiz disse ainda que a arbitragem foi preponderante para a vitória paranista. "Vínhamos de quatro partidas invictas e, sem dúvidas, a derrota diante do Paraná passou pela arbitragem. Difícil trabalhar e ser prejudicado assim. Não iríamos perder essa partida se ficássemos no onze contra onze", afirmou.

Com a derrota diante do Paraná, o Criciúma para na 8ª colocação, com 42 pontos. Agora, a equipe treinada por Beto Campos tem dois compromissos em casa em seguida: Vila Nova, na terça (17), e Inter, no sábado (21).