Nenê vibra com vitória sobre Botafogo e define palavras para triunfo: "Intensidade e atitude"

Camisa 11 cruzmaltino foi autor do gol da vitória vascaína e mostrou que grupo está unido; Jogador também comentou sobre lances polêmicos, no momento do gol e na jogada de Paulo Vitor

Nenê vibra com vitória sobre Botafogo e define palavras para triunfo: "Intensidade e atitude"
(Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Vitória conquistada na marra. Foi assim que o Vasco da gama venceu o Botafogo no clássico deste Sábado(14), no Maracanã, pela 28° rodada do Campeonato Brasileiro. O confronto foi marcado por lances polêmicos mas, principalmente, pela vontade colocada nos 90 minutos de jogo. E se sagrou vitorioso a equipe com mais empenho e atitude. Característica essa que foi reconhecida pelo presidente do clube, Eurico Miranda, que elogiou o envolvimento dos atletas, principalmente no último jogo fora de casa, onde o Vasco jogou com um jogador a menos durante 30 a 35 minutos. Nenê comentou sobre o discurso do presidente e da superação da equipe para enfrentar toda a logística.

"Eu acredito que tudo, todos os detalhes. Foi um jogo difícil, viagem mais longa, jogamos mais tarde, eles jogaram aqui então, no primeiro tempo a gente estava um pouco preso ainda, não tava leve, igual o último jogo. Mas no segundo tempo nós demos o nosso sangue ali, o time teve atitude, intensidade e fomos em busca da vitória que era tão importante pra gente, e graças a Deus nós conseguimos e creio que ele falou em relação a isso. O grupo todo está junto, sabendo a importância, os que iam entrar também e creio que foi isso", destacou o camisa 11.

Como todo clássico é decidido no detalhe, Nenê adicionou a persistência a marcação, pressionando a saída de bola da zaga do time adversário, recuperando a posse da bola e, consequentemente, abrindo o placar do jogo. No lance, os jogadores reclamaram insistentemente em uma possível falta do jogador cruzmaltino, alegando que a bola bateu no braço do jogador, coisa que o próprio meio-campo do vascaíno esclareceu, sem qualquer tipo de dúvida de que a bola teria batido no seu peito e não na mão. O atleta do Gigante da Colina falou sobre a reclamação do Botafogo e do lance do gol.

"Faz parte, é normal. Até quando eu falei com eles, que até o próprio árbitro me perguntou, que foi realmente no meu peito, não bateu na mão e eu fui falar com eles, e eles "não, a gente estava reclamando da outra jogada", eu não sei se era a do Madson ou a do Ramon, que foi dentro da área, mas eu creio que foi lance normal e isso faz parte do time deles, de reclamar, mas eu creio que o juiz não errou, principalmente na minha jogada, eu tenho certeza que não bateu na mão, foi no peito e ele até me perguntou, então tranquilo em relação a isso", explicou Nenê.

O gol de Nenê colocou o Vasco ainda mais na briga pela vaga na Libertadores. (Foto: Paulo fernandes/Vasco.com.br)
O gol de Nenê colocou o Vasco ainda mais na briga pela vaga na Libertadores. (Foto: Paulo fernandes/Vasco.com.br)

Na euforia do resultado positivo e na apreensão do fim do jogo, o Vasco precisava manter a máximo possível da posse de bola no campo adversário e, para isso, o técnico Zé Ricardo colocou o garoto Paulo Vitor no lugar do outro garoto Mateus Vital. Mal sabia o garoto recém colocado no jogo, que seria o autor de mais um lance polêmico na partida. Perto do fim da partida, o time cruzmaltino teve um escanteio à seu favor e o camisa 19 recebeu o passe curto de Nenê e tentou aplicar uma lambreta pra cima do lateral-direito, Arnaldo, do Botafogo. O lateral não se importou tanto assim com a tentativa do drible, mas seus companheiros ficaram mais exaltados e foram cobrar o jogador. O autor do gol do Vasco explicou a situação de mais esse lance polêmico.

"É difícil ali. Eles viram como uma forma de desrespeito, e ele é um garoto né? Ele tem esse estilo de jogo, ás vezes claro, dependendo do momento, acaba não sendo muito bom em relação ao adversário, eles pensam realmente que foi um desrespeito então é uma situação que tem que ser controlada ali naquele momento e nós podemos realmente controlar. Falei pra eles que iria conversar com ele, então faz parte. O futebol é dele e não foi nenhuma maneira desrespeitosa, eles pensaram que sim mas sabendo da índole dele, eu sei que não foi desrespeitoso", finalizou o atleta.

Na próxima rodada, o Vasco da gama enfrenta o lanterna da competição, Atlético Goianiense no Serra dourada pela 29° rodada do Campeonato Brasileiro na quarta-feira(18). O clube cruzmaltino ocupa a oitava colocação e está há uma vitória de entrar no G-7.