Di Grassi explica importância da Fórmula E no Dia da Terra
Foto: Fórmula E

O texto abaixo foi feito por Lucas di Grassi ao site oficial da Fórmula E:

Este ano, o Dia da Terra é diferente e talvez o mais incomum que já tivemos. A pandemia de coronavírus está fazendo com que as pessoas experimentem repentinamente a natureza como nunca a viram antes. As pessoas na Índia podem ver o Himalaia pela primeira vez em 30 anos, os rios estão se recuperando, os animais nos jardins zoológicos estão se comportando de maneira muito diferente, porque não há visitantes. Mas também, as pessoas que vivem em grandes cidades poluídas estão sentindo como a natureza está respirando atualmente.

Obviamente, serão momentos de curto prazo, mas ainda assim as pessoas estão descobrindo como seria um mundo sem esse enorme impacto da produção e da mobilidade. Esse sentimento torna o Dia da Terra 2020 especial. E tenho certeza de que, depois dessa crise, as pessoas não apenas exigirão medidas de seus governos para trazer suas vidas sociais e econômicas de volta ao normal, mas também exigirão repensar a maneira como valorizamos a natureza e estarão mais dispostas para fazer a parte deles.

Nós, a família da Fórmula E, contribuímos para esse repensar há alguns anos. Acredito firmemente que a sustentabilidade em nosso mundo deve ser baseada em tecnologia e inovação. A ameaça do aquecimento global está tão distante para muitas pessoas, que elas precisam ver um benefício real na mudança de comportamento.

Os carros elétricos atendem perfeitamente a esses requisitos: eles estão se tornando cada vez mais baratos e, ao mesmo tempo, cada vez mais sustentáveis — uma situação em que todos saem ganhando e que não significa restrições em termos de vida pessoal. Quando Alejandro Agag fundou a Fórmula E há cerca de oito anos e a trouxe à vida, esse desenvolvimento já estava no horizonte. É por isso que eu acreditei desde o começo e hoje, seis anos depois, a situação prevista aconteceu: carros com motores de combustão estão se tornando supérfluos.

Nossas campanhas conjuntas contra a poluição do ar, nossa “Corrida pelo Ar Limpo”, que apoiamos com a Fórmula E e eu como embaixador da ONU, são de enorme importância para a humanidade. Afinal, um aspecto da mobilidade elétrica é frequentemente negligenciado: as emissões de veículos são prejudiciais à nossa saúde - e são produzidas diretamente onde a maioria das mulheres, homens e crianças vive: em nossas cidades. É precisamente aqui que os carros elétricos são a melhor - e aliás a única - maneira de proteger as pessoas. Mesmo que exija algum esforço.

Eu sou um piloto de corrida com uma paixão. O que torna a Fórmula E tão especial para mim: é "Correr por uma Razão". Juntamente com a Fórmula E e a Audi, muitas vezes tenho a oportunidade de mergulhar em outros mundos, aprender e conhecer pessoas que trabalham por um mundo melhor em seu campo. Uma viagem à Índia, em cooperação com as Nações Unidas, abriu meus olhos para as preocupações, mas também para o poder inovador dessas pessoas. Ou uma visita ao maior complexo de energia solar do mundo antes de nossa corrida em Marraquexe: foi impressionante ver como um país que era completamente dependente da importação de combustíveis fósseis está mudando e agora é pioneiro em grandes tecnologias.

Muito alcançado, mas muito mais à nossa frente. Enquanto olhamos para o futuro da Fórmula E, espero que a categoria continue sendo líder em novas tecnologias e inovações. Isso se aplica à eletrificação do trem de força, que sempre deve permanecer relevante para a produção comercial, bem como para novos conceitos que agregarão ainda mais para os fãs da Fórmula E. Eles devem se tornar parte dessa plataforma digital, dentro e fora da pista. Onde quer que vamos, queremos mostrar às pessoas que os carros elétricos são rápidos, dinâmicos, sexy, e estão disponíveis - e são a melhor maneira de mostrar às gerações futuras um mundo diferente, não apenas em meses como esses.

VAVEL Logo