Conheça Bruno Schmidt, estreante em Olimpíada mas favorito ao ouro

Bruno tem como dupla no vôlei de praia o experiente e já medalhista olímpico Alison, que conquistou a prata em 2012 ao lado de Emanuel

Conheça Bruno Schmidt, estreante em Olimpíada mas favorito ao ouro
Conheça Bruno Schmidt, estreante em Olimpíada mas favorito ao ouro

Bruno Oscar Schmidt. Pelo nome você pode notar que o atleta brasileiro de vôlei de praia tem histórico familiar de vencedor. Bruno é sobrinho de Oscar Schmidt, maior ídolo do basquete brasileiro. O jovem terá a oportunidade nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 de conquistar algo inédito na história da família, que nem seu tio pôde ganhar: uma medalha olímpica.

É verdade que Oscar Schmidt foi campeão dos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis em 1987, vencendo os Estados Unidos em sua própria casa. Mas, em Olimpíadas, Oscar e a Seleção Brasileira nunca conseguiram uma medalha. Bruno Schmidt, ao lado do experiente e já medalhista olímpico Alison, entra como grande favorito para conquistar o ouro no Rio 2016.

A carreira de Bruno Schmidt

Bruno Schmidt começou a carreira no vôlei de praia formando dupla com João Maciel, entre 2007 e 2009. O primeiro título da dupla foi  o torneio da FIVB Challenger & Satellite, em Lausanne. Em 2008, Bruno e João disputaram a primeira final em Circuito Mundial e ficaram a prata, pois foram derrotados pela dupla espanhola Pablo Herrera e Raul Mesa Allepuz, em Kristiansand.

Bruno e João encerraram a parceria em 2009. Então, Bruno iniciou uma nova dupla ao lado de Benjamin. A dupla jogou junto em duas oportunidades. Na primeira delas, entre 2010 e 2011, conseguiram atingir três semifinais e conquistaram duas medalhas: bronze no aberto de Brasília e prata no aberto de Haia.

Apesar de sempre estarem figurando entre os oito melhores, Bruno e Benjamin não conseguiram conquistar ouro e a parceria foi encerrada, por ora. Bruno voltou a jogar com João Maciel, entre meados de 2011 logo após encerrar a parceria com Benjamin, e durou até início de 2012. Nesse tempo, ficaram em quarto lugar no aberto da Áustria. Foi o feito mais expressivo nesse tempo.

Bruno e João Maciel romperam de vez. Novamente o atleta voltou a jogar com Benjamin na metade final do ano de 2012, mas não conquistaram nada expressivo também. Assim, a dupla também terminou definitivamente.

Parceria com Pedro Solberg e Alison

Em 2013, Bruno Schmidt encontrou um novo parceiro para buscar títulos: Pedro Solberg. A parceria rendeu ótimos resultados. Foram sete semifinais e seis medalhas. Bruno e Pedro conquistaram ouro no Grand Slam de Haia e de São Paulo; prata em Xangai, Gstaad e Fuzhou; por fim, bronze em Roma e Durban. Também foram campeões do Circuito Brasileiro de 2012/2013.

Apesar dos bons resultados com Pedro Solberg, Bruno encerrou a parceria com o atleta para começar a jogar junto de Alison, que encerrou uma parceria muito vitoriosa e bem sucedida ao lado de Emanuel. Mesmo com pouco tempo de entrosamento, foram campeões dos Jogos Sul-Americanos e do Grand Slam de Klagenfurt, na Áustria. Em 2015, foram campeões do Campeonato Mundial, do Circuito Mundial e do World Tour Finals, conquistando os três principais títulos da temporada.

Após a conquista dos três principais títulos da temporada em 2015, Bruno e Alison conquistaram o Circuito Brasileiro em Fortaleza em abril de 2016, encerrando em alta a preparação para o Rio 2016. Bruno foi eleito pela CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) o melhor jogador de vôlei de praia da temporada 2015, tendo levado também os prêmios de melhor recepção, melhor levantamento e melhor defesa.

Expectativa para o Rio 2016

Após conquistar o Campeonato Mundial, o Circuito Mundial, o World Tour Finals e o Circuito Brasileiro, Bruno e Alison chegam para o Rio 2016 como um dos grandes favoritos, principalmente porque jogarão em casa e terão o apoio da torcida brasileira.

Alison já teve a experiência de jogar as Olimpíadas, em Londres 2012, quando terminou com a prata ao lado de Emanuel. A dupla tem tudo para conquistar alguma medalha, mas a de ouro é o grande objetivo. Bruno nunca jogou Olimpíada, mas tem sangue vencedor na família, e com as experiências nos Circuitos Mundiais, nunca ter participado de Jogos Olímpicos não deve ser um fator que atrapalhe.