Zé Carlos se destaca, Santo André empata com Barretos e retorna à elite do futebol paulista
Última participação do Santo André na Série A-1 foi em 2011 (Foto: Divulgação/ EC Santo André)

Após cinco anos o Santo André está de volta à elite do futebol paulistano. Em um confronto tenso, realizado no interior do estado neste sábado (30), o Ramalhão empatou sem gols diante do Barretos, e se garantiu na final, e consequentemente no Paulistão 2017. A primeira partida no ABC terminou em 2 a 0 para a equipe local, com ambos os tentos anotados pelo meia Fernando.

Agora, o Ramalhão espera o vencedor da manhã deste domingo (1) entre Batatais e Mirassol, para conhecer seu advesário na decisão. Fora de casa, o Mirassol garantiu a vitória por 1 a 0 e encaminhou sua classificação no último final de semana.

Mesmo com uma campanha sólida e histórica, não será desta vez que o Barretos disputará pela primeira vez a primeira divisão do Campeonato Paulista. O tradicional Touro do Vale que vinha de dois acessos consecutivos acabou sendo "barrado" pelo Ramalhão do ABC. Em três partidas neste ano, os ramalhinos venceram duas partidas e empataram uma. Foram três tentos anotados e nenhum sofrido.

Raça, obediência defensiva e dedicação dos onze atletas dentro de campo: estas foram as características do Santo André para garantir o acesso nesta temporada. Com um elenco bem estruturado com jogadores experientes e novatos, o Ramalhão obteve dificuldades, e se classificou para a fase de mata a mata somente na última rodada com um empate sofrido diante do rebaixado Paulista. Entretanto, a camisa pesada do time do ABC pesou, tornando a equipe de Toninho Cecílio cada vez mais forte durante as partidas das quartas e semi-finais.

Em mais uma oportunidade brilhou a estrela de Zé Carlos

Com dez mil torcedores empurrando, o Touro do Vale mostrou seu cartão de visitas para os andreenses desde o primeiro minuto. Antes dos cinco minutos de partida, Norton levantou bola com veneno na área adversária, João Victor subiu e por muito pouco não inaugurou o marcador.

Claramente atuando por uma bola, o Ramalhão aproveitava bem seus contra-ataques, principalmente com a velocidade de Guilherme Garré e os passes precisos de Branquinho, que retornou a equipe após cumprir suspensão.

A cada instante a pressão se tornava cada vez maior da equipe da casa. O Barretos trocava passes na entrada da área andreense, mas não arriscava a gol e nem conseguia se infiltrar na eficiente dupla de zagueiros do adversário, formada por Diogo Borges e Samuel Terram. Porém, aos 23' surgiu o primeiro milagre do confronto. Norton finalizou à queima roupa na área e Zé Carlos operou uma linda defesa.

Antes de ambas equipes se dirigirem para o intervalo, os laterais Willian Cordeiro e Paulo se desentenderam na ponta esquerda, o árbitro Raphael Claus expulsou o alteta andreense e somente amarelou o jogador da equipe da casa, causando uma verdadeira revolta de toda a equipe azul.

Obediência tática e classificação "na raça"

Se a pressão do Touro já era grande, com um atleta a mais a situação ficou ainda mais complicada para o Ramalhão. Ainda nos primeiros minutos da volta do intervalo Cordeiro avançou bem pelo lado do campo, tocou para trás e Norton finalizou consciente, entretanto, o meia parou em mais uma defesa fantástica de Zé Carlos. Na sobra, a bola acabou sobrando para Marzagão finalizar de fora da área, para mais um milagre do arqueiro ramalhino.

Aos 66' em seu segundo contra-ataque na partida, foi a vez de Robson, que havia entrado na vaga de Branquinho, surgir frente a frente com o goleiro Junior Beliato, porém o meia desperdiçou uma chance de ouro de sacramentar a classificação do Ramalhão a grande decisão.

O cenário foi se tornando cada vez mais repetitivo: o Barretos pressionava, entretando, não conseguia criar oportundades claras. Pelo alto, o Touro perdia todas as bolas para a defesa cada vez mais segura do adversário.

Já sem nenhuma obediência tática, o Barretos foi com o coração e com a alma para tentar um milagre nos minutos finais. Porém, do outro lado o Ramalhão possuía um "santo" em sua meta. Almir Dias pelo alto, e Mineiro quase que na pequena área decretaram Zé Carlos como o nome da classificação andreense. Não era mais possível tirar a Série A-1 das mãos da equipe do ABC.

VAVEL Logo