Notas: Corinthians mantém padrão defensivo, muda desenho tático e vence na Libertadores
Sheik marcou o seu sétimo gol da carreira em Libertadores (Foto: Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians)

O Corinthians venceu o Deportivo Lara por 2 a 0 na última quarta-feira (14), em sua estreia na Arena Corinthians pela Libertadores da América. Emerson Sheik abriu o marcador para o Timão e Pernía fez contra, mas com a ajuda de Rodriguinho.

A VAVEL Brasil avaliou a atuação dos atletas do clube alvinegro na partida, e chegou a um veredito quanto à equipe que esteve presente para 31.000 mil torcedores na noite de quarta-feira, em São Paulo.

Cássio 6.5: O goleiro de quase dois metros de altura foi pouco exigido na partida, mas mostrou dificuldades em algumas defesas devido à bola escorregadia por conta da chuva. Além disso, o problema característico de Cássio, em ter dificuldades para sair em escanteios e bolas alçadas na área se mostraram presentes.  Em uma de suas saídas, machucou a lombar, quase foi substituído, mas aguentou os 90 minutos dentro de campo.

Fagner 7.0: Participou de quase todas as jogadas ofensivas pelo lado direito, com Romero.Esteve envolvido na jogada do primeiro gol e se mostrou eficiente na marcação, contudo, errou alguns passes de baixa dificuldade. 

Balbuena 7,0: Mais uma vez, o zagueiro paraguaio vem mostrando a sua regularidade. Foi pouco exigido defensivamente e subiu algumas vezes para o ataque, mas as jogadas de nada adiantaram. Fez alguns lançamentos, ora para Clayson, ora para Romero. Seguro no posicionamento e na interceptação de passes.

Henrique 6,5: O zagueiro recém-chegado não comprometeu, mas foi por pouco. Na segunda etapa perdeu a bola na linda da área para Hernandez, mas conseguiu se recuperar no lance. Além disso, ainda precisa buscar a sintonia ideal ao lado de Balbuena, detalhe que falta para se mostrar mais seguro dentro de campo.

Sidcley 6,5: Extremamente participativo no ataque, sofreu um pouco com Reyes nas vezes em que o adversário tinha a bola. Apesar de ter uma característica ofensiva, ainda nota-se que precisa ser mais calmo quando chega à frente e repensar suas decisões quando chega na área.

Gabriel 7,0: O volante é mais um que se mostra regular na equipe corinthiana. No posicionamento cobriu as subidas dos zagueiros ao ataque e marcou em pressão na frente, interceptando bolas, mas acabou errando alguns passes curtos.

Maycon 6,5: Diferente de Gabriel, Maycon era presente no ataque, apoiava pelo lado esquerdo ao lado de Clayson e Rodriguinho, mas insistiu em jogadas difíceis das quais ainda não tem a tomada de decisão necessária para executa-las. Na parte defensiva, Maycon recompunha a marcação, interceptava passes, mas encontrou dificuldades em sair jogando com rapidez, em contra-ataques.

Romero 7,0: Foi o garçom que serviu Sheik no gol. Antes da assistência, o paraguaio abusava da velocidade e muitas vezes esquecia da execução da jogada. No último lance da partida, acertou um belo chute de muito longe e quase ampliou o placar. Na defesa, constantemente segurava as suas subidas para deixar Fagner ir à linha de fundo.

Clayson 6,5: Foi o destaque na primeira etapa, ia para cima dos adversários, driblava, fazia o que lhe é de costume. Contudo, na segunda etapa ficou mais marcado e passou a participar com menos frequência da partida. Não tinha a explosão em velocidade que fora vista na primeira etapa, além de ter arriscado apenas um chute a gol e foi substituído por Pedrinho aos 43 minutos.

Rodriguinho 6,0: Embora não tenha atuado na estreia da Libertadores, na Colômbia, o meio-campista encontrou dificuldades no jogo de hoje. Arriscou três chutes, sendo que apenas um deles foi a gol. Foi bem marcado por toda a partida e não vem se habituando à formação sendo o homem de frente. Apesar de ter sido o co-autor do segundo gol, ainda não se mostra à vontade com o esquema tático sem um centroavante de origem. 

Emerson Sheik 7,5: Foi o autor do primeiro gol da equipe e deu um alívio à Fiel, que já ansiava pelo gol. Na primeira etapa incomodou os defensores psicologicamente, sofreu faltas, mas com a bola nos pés errou alguns passes de simples execução. Contudo, o gol o coroou como o melhor atleta da partida, não só por conta do feito, mas por surpreender torcida, diretoria e imprensa, que não demonstravam a confiança que Emerson Sheik vem retribuindo nos jogos no auge de seus 40 anos de idade. Logo após o gol, Sheik foi substituído por Júnior Dutra devido ao seu desgaste físico.

Júnior Dutra 5,5: O atacante passou a ser a referência na área, mas pouco conseguiu fazer. Roubou uma bola, cabeceou uma vez pra fora e ainda foi punido com um cartão amarelo por atrapalhar a saída do goleiro, Salazar.

Mateus Vital 5,5: Entrou no lugar de Maycon, aos 17 minutos do segundo tempo. Demorou a participar da partida em que necessitava de um distribuidor de jogadas para os três que ficavam posicionados tanto pelos lados, quanto à sua frente.  Pouco fez, embora não tenha comprometido. 

Pedrinho 5,5: O jovem entrou aos 43 minutos da segunda etapa, se mostrou disposto a ir para cima da marcação, driblou, pedalou, mas não teve tempo de mostrar mais do que lhe é esperado, ao menos nesta partida.

Fábio Carille 6,5: O comandante corinthiano fez as substituições corretas visto o material humano que tem em mãos. Talvez se tirasse Sidcley e promover Maycon de lateral esquerdo em um momento que o Deportivo Lara crescia na partida pelos lados, tivesse sido a decisão mais correta. Ademais, o técnico enxergou bem a partida, embora as substituições feitas não tenham tido um desempenho que mudou o resultado final.

VAVEL Logo