Neste domingo (18), foi realizada a grande final da terceira edição da Supercopa Feminina. O Corinthians recebeu o Cruzeiro na Neo Química Arena, em São Paulo. As Brabas venceram as Cabulosas por 1 e 0 sagraram-se campeãs do torneio pela 3ª vez seguida.

Os gol do jogo foi marcado por Duda Sampaio no início do segundo tempo.

PRIMEIRO TEMPO COM GOL ANULADO E PLACAR EM BRANCO

O Corinthians foi dono do primeiro tempo, tendo mais posse de bola com o Cruzeiro buscando o contra-ataque. As brabas tiveram boas chances de marcar, mas as Cabulosas também tiveram suas oportunidades.

Aos 7 minutos, a Raposa marcou um gol depois de um lançamento longo de Calhau, Marília avançou e tocou para Byanca, mas a bola bateu na zagueira corintiana e entrou para o fundo das redes, porém, foi anulado pela assistente por impedimento e confirmado pelo VAR. Aos 14, Gabi Portilho finalizou para fora após um cruzamento da ponta direita. Aos 17, Byanca Brasil cobrou um escanteio fechado e Kemelli fez boa defesa.

O Corinthians continuou atacando e aos 26 minutos, Gabi Portilho finalizou de primeira e a bola passou perto do gol das Cabulosas. Aos 32, Byanca Brasil tentou um chute do meio-campo, mas a bola subiu demais e foi para fora. Nos minutos finais do primeiro tempo, Gabi Portilho finalizou para fora e o primeiro tempo terminou empatado em 0 a 0.

Foto: Staff Images/CRUZEIRO
Foto: Staff Images/CRUZEIRO

DUDA SAMPAIO MARCA, GOL ANULADO PELO VAR E BRABAS TRICAMPEÃS

No início do segundo tempo, a "lei do ex" apareceu e Duda Sampaio cobrou falta, abrindo o placar na grande final. Após o gol, as Brabas continuaram no ataque e Gabi Portilho finalizou por cobertura, com a bola batendo no travessão da goleira Taty Amaro, quase o Corinthians marcando o segundo.

O jogo ficou equilibrado, com as duas equipes tendo algumas chances, mas sem levar perigo ao gol das goleiras. Somente aos 30 minutos, depois de um bate e rebate na área do Cruzeiro, Vic Albuquerque deu uma bicicleta e a bola foi para fora, tirando o "UUUH" da torcida corinthiana.

Aos 40, Byanca Brasil finalizou por cima do gol da goleira Kemelli. No lance seguinte, a craque celeste driblou a defesa e finalizou para o fundo das redes, empatando o jogo na Neo Química, mas com a ajuda do VAR, o gol foi anulado por um toque no braço de Byanca. O jogo acabou com a vitória das Brabas, que se sagraram tricampeãs da Supercopa Feminina.