Médico do Peru garante que remédios ministrados a Guerrero "não têm problema" no doping

Responsável pela comissão médica do Peru, Julio Segura declarou que atacante fez uso de analgésicos e antibióticos; em entrevista, doutor disse que equipe médica é isenta de culpa e está ciente dos protocolos antidoping

Médico do Peru garante que remédios ministrados a Guerrero "não têm problema" no doping
(Foto: Ernesto Benavides/AFP via Getty Images)

Após ser descoberto que o doping de Guerrero apontou presença de benzoilecgonina, o principal metabólito da cocaína, muito se pergunta sobre a origem da substância. Responsável pela comissão médica da seleção do Peru, Julio Segura garantiu em entrevista à Rádio Nacional que os remédios antigripais dados ao camisa 9 na concentração não possuem substâncias proibidas no antidoping.

"Paolo esteve com um processo gripal, inclusive terminou com uma traqueíte (inflamação na traqueia), mas pudemos recuperá-lo graças ao seu esforço. Recebeu medicamentos, antibióticos e analgésicos. Medicamentos que não têm nenhum problema com dopagem", disse Segura.

O doutor ainda fez questão de isentar sua comissão médica de qualquer culpa. De acordo com Segura, a seleção do Peru tem ciência dos protocolos do controle de dopagem; por isso, nenhum medicamento com substâncias proibidas é ministrado aos atletas.

Fifa suspende Guerrero por 30 dias após resultado analítico adverso no exame antidoping

(Foto: Ernesto Benavides/AFP via Getty Images)
(Foto: Ernesto Benavides/AFP via Getty Images)

"Na seleção, sabemos o que é controle antidoping. Portanto, não usamos substâncias que produzam doping. É lamentável o que aconteceu com Paolo, mas estou certo de que não houve nenhum problema de nossa parte", completou.

Conforme publicado pelo jornal peruano Depor, o pai de Guerrero acredita que o exame de seu filho possa ter sido adulterado. No dia que fez o teste, o atleta foi acompanhado pelo dr. Benítez, que não é integrante oficial da comissão médica peruana; Segura fez questão de esclarecer a possível polêmica.

"O doutor Benítez é um médico que colabora conosco. Neste dia, o doutor Alva, que é encarregado de levar os jogadores ao antidoping, iria fazê-lo, mas havia dificuldade por estar na Bombonera. Assim, entendo que Benítez quis colaborar e esteve no controle. Não acho que tenha deixado frascos abertos, seria muito estranho. Além disso, quem fez o exame foi o médico da comissão médica da Conmebol. Os frascos são fechados e lacrados. Nenhum frasco pode ficar aberto", afirmou Julio Segura.