Legado Olímpico: Hitler usa Olimpíada para expandir sua marca em Berlim 1936

Neste especial da VAVEL Brasil, relembre como foram os Jogos Olímpicos de Berlim 1936 e seu legado para o país e o esporte mundial

Legado Olímpico: Hitler usa Olimpíada para expandir sua marca em Berlim 1936
Legado Olímpico: Hitler usa Olimpíada para expandir sua marca em Berlim 1936

Entre os dias cinco e 21 de agosto de 2016 acontece a 31ª edição dos Jogos Olímpicos. Neste ano, a competição mais importante do esporte mundial ocorre na Cidade Maravilhosa: o Rio de Janeiro. Neste especial da VAVEL Brasil, relembre como foi a Olimpíada de Berlim 1936 e seu legado para o país e o esporte mundial.

Três anos depois de assumir o cargo de chanceler, Adolf Hitler desejava expandir a popularidade de seu governo. Com esse objetivo em mente, sua nação se candidatou a sediar a próxima edição do maior evento esportivo do mundo, os Jogos Olímpicos.

Hitler e seus generais fazendo a saudação nazista/ Foto: Getty Images
Hitler e seus generais fazendo a saudação nazista/ Foto: Getty Images

No entanto, a partir do momento que a capital da Alemanha Nazista foi escolhida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), houve represália por conta dos atletas. Nos Estados Unidos, o presidente da União Atlética Amadora, iniciou um movimento de boicote aos Jogos por conta da ameaça da eugenia e segregação racial por parte do regime vigente no país-sede.

Cedendo à pressão internacional, Hitler manteve sua promessa de "Jogos sem Racismo"

Cedendo à pressão internacional, o fascismo alemão teve de aderir às determinações feitas pelos norte americanos. Desse modo, somente durante a realização da Olimpíada, Hitler manteve sua promessa de "Jogos sem Racismo". À primeira vista, pode parecer uma boa ação, mas deve-se ressaltar que foi somente um curtíssimo período no qual, supostamente, a repressão às raças não arianas foi interrompida ou reduzida. 

Para a construção da infraestutura, calcula-se que o governo nazista gastou um total de 40 milhões de reichmarks, porém os números são controversos. Como o principal objetivo era a propaganda, não foram poupados recursos para a realização de Jogos imponentes. Entre as obras mais importantes, destaca-se o Estádio Olímpico de Berlim, ou "Olympiastadion"

Olympiastadion em 1936/ Foto: Olympic/ Divulgação
Olympiastadion em 1936/ Foto: Olympic/ Divulgação

Construído em menos de dois anos, estima-se o custo de 43 milhões de reichmarks. Projetado pelos arquitetos Werner March e Albert Speer, o estádio continua sendo uma dos mais importantes de todo o continente. Atualmente com capacidade para mais de 75 mil espectadores, o Olympiastadion foi sede de grandes eventos esportivos nos últimos anos, como a Copa do Mundo de 2006, inclusive a final entre Itália e França, e a final UEFA Champions League temporada 2014/15.

Jogadores do Barcelona celebram título europeu no Olympiastadion/ Foto: Anadolu Agency/ Getty Images
Jogadores do Barcelona celebram título europeu no Olympiastadion/ Foto: Anadolu Agency/ Getty Images

Desde o início, foi a casa do time mais tradicional de Berlim: o Hertha BSC, que agora na disputa Bundesliga e terminou a última temporada na sétima colocação. 

Houve uma cerimônia inédita que é tradição até os dias de hoje: o revezamento da tocha

Logo no início dos Jogos, houve uma cerimônia inédita que é tradição até os dias de hoje. No ano de 1936, pela primeira vez, a tocha olímpica foi passada de mão em mão, num revezamento de mais de três mil atletas, até sua chegada no Estádio Olímpico de Berlim

Tocha olímpica sendo carregada em Unten den Liden, atrás o Portão de Brandemburgo/ Foto: Olympic/ Divulgação
Tocha olímpica sendo carregada em Unten den Liden, atrás o Portão de Brandemburgo/ Foto: Olympic/ Divulgação

Ademais, para tornar os Jogos ainda mais populares, o Terceiro Reich despejou grandes investimentos para garantir a transmissão das competições pela televisão, que havia na época, era uma grande novidade. No rádio, a transmissão foi de mais de 138 horas e distribuída em 41 países pelas companhias alemãs "Fernseh" e "Telefunken".

Devido à intensa vontade de mostrar sua superioridade em relação ao mundo, o esporte alemão, em geral, recebeu imensa quantidade de capital por parte do governo. Assim, se iniciava a forte tradição nas Olimpíadas: ao final, a Alemanha Nazista terminou na primeira colocação, com 33 medalhas de ouro - nove a mais que o segundo lugar: os Estados Unidos.