Toyota vence na abertura do Mundial de Endurance em Silverstone
(Foto: FIAWEC)

A Toyota venceu neste domingo 16, a primeira etapa do Mundial de Endurance 2017, disputado no circuito de Silverstone na Inglaterra. Sébastien Buemi, Anthony Davidson e Kazuki Nakajima, levaram o TS050 #8 ao primeiro lugar em uma corrida de certa forma controlada pelo fabricante japonês.

Adotando o kit de alto downforce, mais favorável para as características do circuito, a Toyota dominou os treinos livres e classificatório. Se manteve na liderança da prova, perdendo a primeira posição durante as trocas de piloto e abastecimentos. A Porsche que correu em Silverstone e vai correr em SPA com setup próprio para Le Mans. Por conta disso, não teve um carro vencedor. A diferença de quase 1 segundo nos tempos de volta para os rivais nipônicos demonstram isso. A vitória só viria com algum azar dos dois TS050. E isso quase aconteceu.

Resultado Final

Com períodos de chuva, os dois 919 Hybrid acabaram prevalecendo em alguns momentos. O #1 pilotado por Nick Tandy, chegou a liderar na terceira hora de prova, mas teve que ceder a primeira posição quando entrou nos boxes para troca de pneus. Foras as intempéries climáticas, a equipe Porsche não tinha um carro para vencer, tendo total consciência disso. A vitória poderia ter sido conquistada pela Porsche se não tivessem optado por pneus intermediários, algo que a Toyota sabidamente não adotou.

Toyota #7 voltando para os boxes. (Foto: Reprodução)
Toyota #7 voltando para os boxes. (Foto: Reprodução)

Toshio Sato, presidente da equipe: “Esta foi uma corrida dramática, mas a prioridade foi a saúde de José Maria e estamos todos aliviados que ele está bem após o acidente. Apesar do nosso forte desempenho na qualificação, sabíamos que a Porsche seria um oponente muito mais forte na corrida. Toda a equipe teve um bom desempenho e lutou até a bandeira quadriculada. Claro que é decepcionante não ter dois carros no pódio, mas estou orgulhoso da equipe por sua determinação e espírito de luta, especialmente os mecânicos que trabalharam tão rapidamente no carro # 7. No geral, estou satisfeito com o nosso alta downforce, que mostrou um forte desempenho durante toda esta semana. Agora precisamos ajustar nosso pacote para Spa-Francorchamps, quando vamos mais uma vez lutar de igual para igual com a Porsche”.

O primeiro lugar quase foi alcançado. Faltando menos de 12 minutos para terminar a prova, Buemi acabou superando o Porsche 919 #2 pilotado por Brendon Hartley. Na terceira posição o Porsche #1 de Nick Tandy, Neel Jani e Andre Lotterer que estreou pelo fabricante alemão.

Para José Maria Lopez o acidente foi um grande susto: “A corrida começou muito bem, mas depois tivemos o problema com a barra de direção no final do stint de Mike. Kamui pilotou muito bem para nos manter na corrida e eu estava tão ansioso para entrar no carro. Começou a chover e quando eu estava indo para a curva Copse comecei a ter problemas. Foi um pouco dos problemas com a barra e o piso molhado. Toquei o freio com o meu pneu traseiro. Foi um grande impacto e no começo eu senti um pouco de dor, eu estou feliz. Agora estou pronto para voltar para Spa.”

Com setup específico para Le Mans, Porsche não foi um adversário difícil de ser batido. (Foto: Porsche AG)
Com setup específico para Le Mans, Porsche não foi um adversário difícil de ser batido. (Foto: Porsche AG)

José Maria Lopez estreando pela Toyota, sofreu um grave acidente enquanto pilotava o TS050 #7. Lopez conseguiu retornar aos boxes para reparos, porém precisou ser encaminhado para o hospital do circuito para exames. Por conta do acidente, o carro de segurança precisou ser acionado. Foi o único incidente grave durante todas as 6 horas de prova. Fechando os inscritos na classe LMP1, o ByKolles #4 acabou se envolvendo em um acidente com o Aston Martin #97. Ele não conseguiu completar a prova.

Para Andrea Seidl, chefe da equipe Porsche, o resultado era esperado. “Segundo e terceiro lugar foi como uma vitória. Estou muito orgulhoso de cada membro da equipe tanto em Weissach quanto aqui – é impressionante o que esta equipe conseguiu hoje. Apesar da decisão de vir aqui com pouca pressão aerodinâmica, ambos os nossos carros foram 100% confiáveis e muito competitivos. Além disso, nossos seis pilotos, mais uma vez mostram um alto nível. Parabéns a Toyota para uma vitória bem merecida “.

Na classe LMP2 a vitória ficou com o Oreca 07 #38 da equipe Jackie Chang DC Racing. Em parceria com a JOTA Sport, Oliver Jarvis ex-piloto da Audi, levou o LMP a vitória com uma vantagem de 19.376 segundos para Nicolas Prost com o Rebellion Racing #31. Jarvis partilhou o protótipo com Thoma Laurent e Ho-Ping Tung. Já Prost dividiu o Rebellion com Bruno Senna e Julien Canal. Nelson Piquet Jr., que estreou com o Rebellion #13 ao lado de Mathias Beche e David Heinemeier Hansson, ficou em último na classe.

DC Racing vence na classe LMP2. (Foto: FIAWEC)
DC Racing vence na classe LMP2. (Foto: FIAWEC)

Em terceiro o #28 da equipe TDS Racing. Na quarta colocação o Alpine #36, que chegou a liderar a prova nas primeiras horas. Nicolas Lapierre, Gustavo Menezes e Matt Rao partilharam o Alpine. A expectativa de que a classe LMP2 seria monótona por conta dos protótipos Oreca acabou não se concretizando. A qualidade dos pilotos e estratégias diferentes, por parte das equipes levou a emoção que faltava para a classe.

O resultado superou as expectativas de Bruno. “Estou muito contente com o que aconteceu hoje. Vínhamos encontrando problemas com o acerto do carro desde a sexta-feira e achávamos que seria difícil até brigar para chegar entre os três primeiros depois dos treinos classificatórios. Mas fizemos uma boa prova e poderíamos até sonhar com a vitória se não tivéssemos enfrentado problemas com os pneus intermediários quando a chuva chegou”, explicou.

Bruno ficou encarregado da largada e subiu do quarto lugar no grid para a vice-liderança ainda na primeira volta. Aos poucos, no entanto, começou a sofrer com o acentuado desgaste dos pneus Dunlop. “O carro que vinha logo atrás de mim estava muito agressivo e me obrigou a sacrificar os pneus para defender a posição. Mas, depois, conseguimos imprimir um bom ritmo, acertar na estratégia e fechar a prova numa colocação mais do que satisfatória.”

Protótipos Oreca dominaram a classe LMP2. Mesmo assim não faltou emoção. (Foto: Reprodução)
Protótipos Oreca dominaram a classe LMP2. Mesmo assim não faltou emoção. (Foto: Reprodução)

 O final da corrida reservou um certo suspense para os boxes da Rebellion Racing, já que a diferença de Nicolas Prost para o terceiro colocado Matthieu Vaxivière despencou nas últimas voltas. “Estávamos com o combustível no limite e o Nico precisou tomar cuidado para não ficar a pé. Mas tudo deu certo. Acho que ainda estamos sentindo um pouco da falta de quilometragem de pré-temporada, mas aprendemos bastante aqui sobre o comportamento dos pneus e levaremos essas lições para a próxima etapa, no início de maio em Spa-Francorchamps”, concluiu Bruno.

A Ford venceu pela classe GTE-PRO. O modelo americano começou as 6 horas na frente com seus dois modelos GT. Um susto quase tirou a vitória do #67 dos pilotos Andy Priaulx, Harry Tincknell e Pipo Derani. Apenas o pneu dianteiro esquerdo trocado, o #67 conseguiu se manter entre os primeiros, contanto com uma parada do Porsche #91 pilotado por Fred Makowiecki. O Ford #66 pilotado por Billy Johnson e Oliver Pla, chegou a liderar a prova, mas ficou na quarta posição na classificação final.

Ford vence na classe GTE-PRO. (Foto: FIAWEC)
Ford vence na classe GTE-PRO. (Foto: FIAWEC)

Em segundo A Ferrari #51 da equipe AF Corse de Alessandro Pier Guidi e James Calado. O Porsche #91 dos pilotos Fred Makowieki e Richard Lietz completou o pódio da classe PRO na terceira posição. Tanto Ferrari quanto Porsche chegaram a liderar a prova em determinados momentos. A Aston Martin teve uma prova complicada. Nenhum dos dois carros teve um desempenho convincente durante a prova, terminando em sexto e sétimo na classe. Jonny Adam acabou batendo com o Aston #97 no LMP1 da ByKolles na hora final da prova.

Na classe GTE-AM a vitória ficou com a Ferrari #61 da Clearwater Racing. Weng Sun Mok, Keita Sawa e Matthew Griffin acabaram super beneficiados pelo toque entre o Aston Martin #98 pilotando por Pedro Lamy e a Ferrari #54 da Spirit Of Race de Miguel Molina. A vitória chegou faltando 24 minutos para o fim da prova.

Ferrari vence na classe GTE-AM. (Foto: Divulgação)
Ferrari vence na classe GTE-AM. (Foto: Divulgação)

Lamy, Paul Dalla Lana e Mathias Lauda dominaram a prova, mesmo com várias rodadas proporcionadas por Dalla Lana. O Aston Martin terminou à frente de Dempsey-Proton Racing. A Ferrari #54 não conseguiu completar a prova e foi desclassificada.

A próxima prova ocorre entre os dias 4 a 6 de maio em SPA-Francorchamps

FIA e ACO estendem Mundial de Endurance até 2020

Os presidentes da Federação Internacional do Automóvel (FIA), Jean Todt, e do Automobile Club de l’Ouest (ACO), Pierre Fillon, assinaram hoje uma extensão de três anos para o contrato do Campeonato Mundial FIA Endurance, tendo a parceria entre as duas organizações, se estendendo até o final da temporada de 2020. Assim a ACO se mantém como promotora do WEC por mais três anos.

Presidente da FIA, Jean Todt: “Estou muito contente por este anúncio da extensão do acordo de cooperação com ACO como promotor do FIA WEC. Corridas de endurance, são uma parte fundamental da história do automobilismo e estou ansioso para promover a forte cooperação entre as equipes da FIA e ACO”.

Presidente da ACO, Pierre Fillon: “Quando anunciamos esta parceria em 2011 várias pessoas foram céticas. Acho que podemos dizer hoje, depois de cinco temporadas de sucesso e no início da sexta, esta parceria é um sucesso. Nós temos um campeonato forte, as equipes tanto da ACO, quanto FIA trabalham em conjunto num espírito muito construtivo. Quero agradecer a Jean Todt por tudo que ele tem feito para criar este campeonato. É com grande prazer que eu assinar a extensão a esta parceria em nome da ACO”.

WEC planeja mudar formato da classe GTE para 2018

A organização do Mundial de Endurance, planeja mudanças no formato da classe GTE para 2018. A ideia é dar um maior protagonismo, principalmente com a chegada da BMW. Durante entrevista coletiva em Silverstone, Sir Lindsay Owen-Jones presidente da comissão de endurance da FIA, revelou que tais mudanças que já iniciaram este ano com o título mundial de GT, tem total apoio dos fabricantes.

“Esperamos ver alguma evolução do próprio formato no início do próximo ano”, disse Owen-Jones.

“Estamos trabalhando com algumas idéias criativas para dar aos carros GT mais visibilidade dentro dos fins de semana corridas para tornar muito mais atraente para os fãs”.

Uma das propostas e que os treinos classificatórios exclusivos das classes GTE-PRO e AM. “É um pouco cedo para dizer o que exatamente será feito, mas devemos ser capazes de voltar com notícias sobre isso em breve”, disse ele.

Além da BMW que volta ao Mundial, Lamborghini e McLaren também avaliam a participação na classe GTE em 2019. “A categoria GT poderia ter mais visibilidade do que tem agora”, disse o presidente da FIA Jean Todt. “O primeiro passo na evolução, juntamente com Pierre, Lindsay e suas equipes, veremos qual poderia ser o próximo passo para destacar a categoria principal GTE-Pro”.

Filipe Albuquerque leva United Autosports a vitória em Silverstone pelo European Le Mans Series

United Autosports vence na classe LMP2 e LMP3. (Foto: ELMS)
United Autosports vence na classe LMP2 e LMP3. (Foto: ELMS)

A primeira etapa do European Le Mans Series, realizada neste sábado 15, no circuito de Silverstone na Inglaterra teveum final de prova inesperado. Filipe Albuquerque com uma pilotagem agressiva superou faltando menos de 5 minutos o Oreca da equipe G-Drive Racing pilotado por Ryo Hirakawa.

Albuquerque pilotou o Ligier JS P217 #32 com Hugo Sedeleer e Will Owen. A vitória poderia ter sido mais fácil se Owen não tivesse recebido uma punição por uma ultrapassagem em bandeira amarela.

Resultado final 4 horas de Silverstone 2017

Disputando a vitória conseguiu superar o Oreca da equipe DragonSpeed que enfrentou problemas com a durabilidade dos seus pneus. Pelos lados da G-Drive, Leo Roussel foi o principal piloto. Largando em quarto na classe, depois do stint de Memo Rojas, superando o Oreca #40 da equipe Graff e o Ligier #25 da Algarve Pro Racing em apenas duas voltas. Infelizmente o desempenho do protótipo caiu depois que Hirakawa assumiu o volante.

Na terceira posição Dallara #49 da equipe High Class Racing de Dennis Anderson e Andres Fjordbach. Os três fabricantes escritos na classe, acabaram ocupando o pódio. Na quarta colocação o #40 da Graff Racing, que chegou a liderar a prova. Frank Matelli e James Allen não conseguiram manter o mesmo ritmo de Richard Brandley.

A DragonSpeed que marcou a pole iniciou, a prova com um bom ritmo. Ben Hanley liderou a primeira hora. Após passar o volante para Henrik Hedman o Oreca #21 teve problemas na caixa de câmbio. Terminou na 11º da classe. O Ligier da Algarve Pro Racing pilotado por Andrea Roda, Andrea Pizzitola e Mattew McMurry também enfrentou problemas mecânicos não completado a prova.

Aston Martin vence na classe GTE. (Foto: ELMS)
Aston Martin vence na classe GTE. (Foto: ELMS)

A United Autosports também venceu na classe LMP3 com o Ligier JS P3 de John Falb e Sean Rayhall. Foi uma vitória do início ao fim da prova. A diferença para o Ligier #6 da 360 Racing foi de aproximadamente 30 minutos. Em terceiro o também Ligier #17 da equipe Ultimate.

Pela classe GTE, a TF Sport, estreante na série venceu com Nick Thiim, Euan Hankey e Slih Yoluc. Fazendo o último stint. Os atuais vencedores da Michelin GT3 Le Mans Cup correram com um Aston Martin Vantage, largando na pole. Acabaram perdendo a primeira posição para a Ferrari #55 da Spirit of Race

Euan Hankey retomou a liderança após a primeira rodada de pit stop, construindo uma vantagem de 50 segundos antes de perder tempo depois de um toque. Thiim controlou a parte final da corrida, enquanto Matteo Cairoli no Porsche #77 da equipe Proton Competition terminou na segunda posição. O Porsche pilotado por Cairoli, Joel Camathias e Christian Ried se alternou com a Ferrari pela liderança da prova. Fechando o pódio na classe, o Aston Martin #99 da equipe Beechdean AMR de Andrew Howard, Ross Gunn e Darren Turner.

A próxima etapa acontece no dia 14 de maio no circuito de Monza na Itália.

 

VAVEL Logo