Na garra e no sufoco, Argentina supera Nigéria e se garante nas oitavas

Seleção sul-americana sofreu, mas conseguiu vitória já no fim do jogo sobre africanos; França será o adversário na próxima fase

Na garra e no sufoco, Argentina supera Nigéria e se garante nas oitavas
Argentinos conseguiram o gol nos instantes finais, mas Lionel Messi abriu o placar na primeira etapa (Foto: Divlgação/AFA)
Argentina
2 1
Nigéria
Argentina: Armani; Mercado, Otamendi, M. Rojo, Tagliafico (Aguero, min. 80); E. Pérez (Pavón, min 61), Mascherano, Banega; L. Messi, Higuain e Dí Maria (Meza, min. 62).
Nigéria: Uzoho; K. Omeruo (Iwobi, min. 90), Ekong, Balogun; Idowu, V. Moses, Obi Mikel, Ndidi; A. Musa (Nwankwo, min 90+2), Iheanacho (Ighalo, min. 46).
Placar: 1-0, min. 14, Messi. 1-1, min. 50, Moses. 2-1, min. 86, Rojo.
ÁRBITRO: Cuneyt Çakhir (TUR). Auxiliado por Bahattin Duran (TUR) e Tarik Ongun (TUR)
INCIDENCIAS: Partida realizada em São Petersburgo, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa do Mundo.

Emoção. Essa é a palavra que define o que foi a partida histórica entre Argentina e Nigéria nesta terça-feira (26), pela terceira rodada da Copa do Mundo. Precisando da vitória a qualquer custo, os hermanos foram buscar o resultado em São Petersburgo e bateram a seleção africana por 2 a 1 já no final do jogo.

Com o resultado, os sul-americanos atingiram o segundo lugar do Grupo D, com 4 pontos, e conseguiram se classificar para a próxima fase da competição. Já os nigerianos, que só conquistaram 3 pontos após a vitória sobre a Islândia, deixam o Mundial na terceira colocação.

Nas oitavas, a Argentina terá pela frente a França, primeira colocada do Grupo C. O jogo será no próximo sábado (30), ás 11h (de Brasília), na Arena Kazan.

Argentina faz bom primeiro tempo e sai na frente

Diferente dos dois primeiros jogos, a equipe argentina entrou com uma postura mais objetiva. Apesar de não ter uma atuação brilhante, o coletivo bem estruturado foi importantíssimo para a Argentina, que se deparava com uma Nigéria frágil defensivamente e deixando muito espaço.

E não demorou muito pra sair o gol. Aos 14, Banega lançou bonito e Lionel Messi dominou com categoria. O craque argentino entrou na área e finalizou de perna direita, abrindo o placar e desencantando na Rússia pela primeira vez. Foi o centésimo gol do Mundial.

Messi comemora seu primeiro gol na Copa do Mundo (Getty Images Sport/Ian MacNicol)

La Pulga parecia ter se encontrado de vez na Copa. Aos 27, ele enfiou uma ótima bola para Higuaín, mas o atacante teve dificuldade na hora de dominar e ela ficou com o goleiro. Com o relógio batendo a casa dos 32 minutos, Di Maria foi lançado e derrubado na entrada da área nigeriana. O camisa 10 argentino aproveitou o posicionamento ruim de Uzoho e cobrou no canto esquerdo, mas a bola bateu na trave.

Albiceleste começou a diminuir seu ritmo em campo e a orquestrar a partida com mais posse de bola. O time africano procurava ir para cima, mas atuava desorganizadamente e a atuação de sua principal referência, Iheanacho, não ajudou. 

Com o empate rolando entre Croácia e Islândia por 0 a 0, a vitória parcial beneficiava muito os argentinos, que foram para o segundo lugar.

Pênalti e muita emoção marcam o segundo tempo

A etapa complementar foi oposta a primeira. A Nigéria foi a batalha para igualar o placar e teve êxito aos quatro minutos de bola rolando no segundo tempo. Mascherano derrubou Balogun na área. Na cobrança, Victor Moses deslocou Armani e deixou tudo igual em São Petersburgo.

Moses cobrou rasteiro pra empatar (AMARobbie Jay Barratt)
O que parecia um conto de fadas para os sul-americanos se tornou novamente um drama. Desequilibrados emocionalmente, os jogadores se viram no cenário da primeira partida, quando tiveram dificuldades de impor seu jogo após o empate sofrido. Para piorar, a Islândia havia feito um com Sigurdsson em Kaliningrado.
 
A Nigéria só se aproveitou da situação. Se defendendo melhor do que no primeiro tempo e com o ataque inspirado, os africanos ficaram próximos de virar a partida. Aos 30 minutos, Mascherano perdeu a posse e deu contra-ataque. Musa tentou e a sobra ficou para Ighalo, que mandou pra fora. No lance, a bola bateu no braço de Rojo e o juiz decidiu consultar o VAR, mas considerou o lance normal e mandou seguir.
 
Na sequência do lance foi a vez de Higuaín dar uma pixotada em frente ao gol. O camisa 9 recebeu em boas condições, mas isolou o chute na marcada cal. Em resposta rápida, Ighalo apareceu mais uma vez. O nigeriano ganhou do defensor e apareceu sozinho, mas parou em Armani. Aos 40, Meza entrou na área adversária e caiu pedindo pênalti. Porém, para o desespero dos argentinos, o árbitro mandou seguir.
 
Mas o nervosismo argentino virou alívio aos 40 minutos. Mercado foi até a linha de fundo e fez o cruzamento. Marcos Rojo apareceu na marca do pênalti e finalizou de perna direita para fazer o estádio de Kreztovsky explodir de emoção. 
Rojo marcou gol histórico (Getty Images Sport/Richard Heathcote)
Para melhor ainda mais a vida dos hermanos, a Croácia ampliou no final com Perisic e eliminou os islandeses. Vitória da Argentina com o coração e classificação na base da garra sul-americana.