São Paulo 2014: um ano de superação
(Foto: Reprodução/SPFC.NET)

Superação. Assim pode ser definido o ano de 2014 para o São Paulo Futebol Clube. Após um 2013 sofrível para o torcedor, o Tricolor Paulista parecia que teria o mesmo destino nesta atual temporada. Entretanto, com a qualidade do seu elenco, a equipe dirigida pelo Muricy Ramalho fechou 2014 com chave de ouro. Nesta retrospectiva, a VAVEL Brasil comenta em detalhes o ano do Tricolor Paulista.

Ostracismo marca o primeiro reforço do Tricolor em 2014

Em novembro de 2013, o São Paulo já acertava o seu primeiro reforço para a temporada seguinte: Luís Ricardo, lateral-direito, 30 anos, e destaque na Portuguesa. Estreou logo na equipe titular no jogo de estreia do Campeonato Paulista, na derrota de 2 a 0 frente ao Bragantino e não saiu mais.

Contratado para ser a "sombra" de Douglas, atualmente no Barcelona (ESP), o atleta foi titular nos primeiros jogos no Campeonato Paulista. Entretanto, foi perdendo espaços na medida em que o camisa 23 entrava e dava conta do recado. Com isso, passava por um momento mais extremo desde chegou ao clube.

As opções da comissão técnica deixavam claras a exclusão e o jogador passou a ser a última opção para a lateral direita, ficando atrás de Douglas, Paulo Miranda (improvisado), Auro e Hudson (improvisado). Figura decorativa no elenco, Luis Ricardo disputou 17 jogos pelo São Paulo e marcou apenas um gol.

Apostas que deram certo

Com exceção de Luis Ricardo, a diretoria do São Paulo teve êxito nas contratações para a temporada de 2014. No sistema defensivo, chegou como solução para a lateral-esquerda o uruguaio Alvaro Pereira, de 29 anos. Ele logo se firmou como titular, mas no segundo semestre acabou caindo de rendimento.

Ainda no setor de defesa, o polivalente Michel Bastos – lateral de origem, mas que atua no meio-campo, também chegou ao São Paulo. Este, porém, sob olhares de desconfiança. Isso porque o jogador é rotulado por receber muitos cartões amarelos e vermelhos. Entretanto, ele teve uma regularidade com Muricy Ramalho e deve assumir a vaga deixada por Kaká em 2015.

Eleito o melhor volante do Campeonato Paulista atuando pelo Botafogo-SP, o desconhecido Hudson chegou ao Tricolor no início de abril. O jogador apareceu na base do improviso e se deu bem: o camisa 25 aproveitou a brecha na lateral e se firmou na equipe dirigida pelo Muricy Ramalho.

No meio-campo, outra aposta que deu certo foi Souza. O volante de 25 anos, que estava no Grêmio, chegou ao São Paulo e foi titular em praticamente todos os jogos do ano. Além disso, o jogador foi convocado por Dunga para os amistosos da Seleção Brasileira contra Argentina e Japão. Por fim, Souza foi eleito o melhor volante do Campeonato Brasileiro juntamente com o Lucas Silva, do Cruzeiro.

No ataque, Alexandre Pato chegou ao São Paulo após ano conturbado no Corinthians e também foi regular. Ele chegou ao Tricolor Paulista em uma troca que envolvia o meia Jadson e ficará emprestado por dois anos. No São Paulo, seu rendimento cresceu com o apoio de Muricy, marcando 12 gols em 40 partidas disputadas.

Por último, mas não menos importante: Alan Kardec. Destaque pelo arquirrival Palmeiras, o atacante se transferiu para o Tricolor em abril deste ano e não decepcionou. Ele ficou em segundo lugar como artilheiro do Campeonato Paulista com nove gols e foi fundamental no Brasileirão, onde balançou em dez oportunidades. Além disso, o camisa 14 ficou marcado por ter feito tentos nos quatro grandes paulistas no mesmo ano jogando por eles.

Eliminação vexatória no Campeonato Paulista

Primeira competição do ano, o Campeonato Paulista era a oportunidade que o São Paulo tinha para apagar a temporada de 2013. No grupo A, o Tricolor Paulista fez companhia a Atlético Sorocaba, Comercial, Linense e Penapolense. Estreou na competição com derrota para a Pantera da Noroeste, mas logo se recuperou e emplacou uma série de cinco vitórias seguidas. Motivo pelo qual acabou terminando a fase de grupos do Paulista com folga na liderança: 27 pontos, obtendo oito vitórias, três empates e quatro derrotas em 15 jogos disputados.

Grande favorito para chegar às semifinais, o São Paulo enfrentou nas quartas de final a Penapolense, segunda colocada do Grupo A com 19 pontos. Entretanto, o Tricolor Paulista não conseguiu corresponder as expectativas da sua torcida no Morumbi. Da mesma forma como aconteceu em 2013, quando a equipe de Muricy Ramalho foi derrotada pelo Corinthians na semifinal, o São Paulo foi derrotado nos pênaltis, após empatar por 0 a 0 no tempo normal. Nas penalidades, Rodrigo Caio errou e o clube do interior venceu por 5 a 4.

A volta de Kaká

Após 11 anos, Kaká voltou a vestir a camisa do São Paulo, clube que o revelou. No começo de julho, o meia assinou um contrato com o Orlando City, dos Estados Unidos, por três temporadas. Entretanto, como a Major League Soccer (MLS) começará apenas em março de 2015, ele foi emprestado ao Tricolor até o fim da temporada de 2014. No dia 6 de julho, cinco dias após vínculo com o clube americano, Kaká foi apresentado aos torcedores do São Paulo, que lotaram o estádio do Morumbi.

Em sua reestreia pelo clube, o camisa 8 marcou o único gol na derrota para o Goiás por 2 a 1, em partida válida pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ao todo, Kaká disputou 24 jogos e marcou apenas três gols. No dia 30 de novembro, em empate por 1 a 1 diante do Figueirense, o jogador disputou a sua última partida pelo São Paulo. Mais de 30 mil pessoas foram ao estádio do Morumbi para se despedir do meia, que agora irá atuar pelo Orlando City.

Copa do Brasil e mais um vexame

Tentando apagar da memória a eliminação dolorosa no Campeonato Paulista, o São Paulo foi para a Copa do Brasil em busca do seu primeiro título. O Tricolor Paulista teve pela frente na partida de estreia o CSA e venceu os dois jogos: o primeiro por 1 a 0 e o segundo, no Morumbi, por 3 a 0. Após disso, o time de Muricy Ramalho enfrentou o CRB e perdeu o jogo de ida por 2 a 1, mas também conseguiu reverter a desvantagem dentro de casa.

Pela terceira fase da competição, o São Paulo teve pela frente o Bragantino. Na partida de ida, o Tricolor teve os desfalques de Kaká, Luis Fabiano, Alan Kardec e Osvaldo, além do zagueiro Antônio Carlos. Entretanto, a equipe do técnico Muricy Ramalho conseguiu vencer no sufoco por 2 a 1, com gols de Bruno Recife (contra) e Alexandre Pato, de pênalti. Já na partida de volta, mais uma decepção: o São Paulo, com um time misto, poderia até perder por um gol de diferença que se classificaria às oitavas de final da competição, mas acabou perdendo por 3 a 1, sendo assim eliminado pelo modesto Bragantino em pleno Morumbi.

Copa Sul-Americana e nova eliminação

Em busca do bicampeonato da competição, o São Paulo teve a última oportunidade de fechar o ano de 2014 com um título. Porém, mais uma vez, fracassou. Estreia com derrota para o Criciúma por 2 a 1 fora de casa já sintetizava que o Tricolor não teria vida fácil na Sul-Americana. E não teve. Sempre forte no Morumbi, o time de Muricy Ramalho conseguiu reverter o placar dentro de casa e avançou às oitavas de final. Nela, enfrentou o Huachipato, do Chile, e venceu os dois jogos. Nas quartas, teve pela frente o Emelec, do Equador. Fez o dever de casa ao derrotar o time equatoriano por 4 a 2 no jogo de ida e, mesmo sendo derrotado por 3 a 2 no de volta, conseguiu seguir na competição.

Nas semifinais, o São Paulo teve como adversário o Atlético Nacional, da Colômbia. No jogo de ida, no Atanásio Girardot, o Tricolor Paulista teve muitas dificuldades para se infiltrar na defesa colombiana. Como consequência, não conseguiu marcar fora de casa e saiu derrotado por 1 a 0. Na partida de volta, no Morumbi, e empurrado por mais de 45 mil torcedores, o Tricolor não conseguiu sair com a classificação. Com gol de Paulo Henrique Ganso, o São Paulo até conseguiu vencer pelo mesmo placar no jogo de ida, mas nos pênaltis, graças aos erros de Rafael Tolói e Alan Kardec, acabou sendo eliminado da Copa Sul-Americana.

A redenção no Campeonato Brasileiro

Eliminações pífias no Estadual, Copa do Brasil e Sul-Americana fizeram com que o São Paulo apostasse todas as suas fichas no Brasileirão. Fazer uma boa campanha era primordial para salvar a temporada de 2014. Especialista em pontos corridos, o Tricolor Paulista começou o Campeonato Brasileiro a todo vapor. A goleada logo na estreia da competição sobre o Botafogo mostrou que o time de Muricy faria uma campanha totalmente diferente na que fez no ano passado, quando correu riscos de rebaixamento.

A campanha do São Paulo no primeiro turno foi bem sólida. Em 19 jogos, o Tricolor venceu 11, empatou seis e perdeu somente duas, obtendo 35 pontos na primeira metade do campeonato. A sua frente, havia apenas o líder e intocável Cruzeiro, que, em determinados momentos, quase foi alcançado pelo Tricolor no segundo turno. Nele, o time de Muricy obteve dez vitórias, quatro empates e apenas cinco derrotas, em 19 jogos disputados.

Se o título do Brasileirão já não era mais possível – já que o Cruzeiro levantou o caneco com duas rodadas de antecedência – restava-se apenas para o São Paulo a classificação para a Libertadores de 2015. E ela se concretizou somente na 36ª rodada, no empate em 1 a 1 no clássico diante do Santos. Além da vaga na competição internacional, o Tricolor Paulista consagrou-se como vice-campeão do Brasileirão 2014.

Classificação e Números do São Paulo no Brasileirão 2014
PTS JGS
Cruzeiro 80 38
São Paulo 70 38
Internacional 69 38
Corinthians 69 38
Atlético-MG 62 38

Melhor jogo: São Paulo 2x0 Cruzeiro, 21ª rodada do Brasileirão

Foi a vitória que confirmou a potência do São Paulo de Muricy Ramalho. O triunfo frente a 58 mil pagantes no Morumbi confirmou, àquela altura, que o Tricolor Paulista tinha totais condições de encarar o líder do Campeonato Brasileiro. Rogério Ceni e Alan Kardec marcaram os gols daquele confronto.

Pior jogo: São Paulo 1x3 Bragantino, terceira fase da Copa do Brasil

Após vencer em Ribeirão Preto por 2 a 1, o São Paulo poderia até perder por um gol de diferença no Morumbi que sairia com a classificação. Entretanto, o Tricolor Paulista jogou muito mal e como consequência, uma eliminação vexatória para uma equipe de menor investimento e o sinal de alerta ligado que serviu para o restante da temporada.

Melhores de 2014

​Paulo Henrique Ganso: Foi o principal jogador do São Paulo nesta temporada. Em 62 jogos disputados, o meia marcou nove gols e deu 12 assistências. Em 2012, quando chegou ao clube, foram apenas cinco jogos e dois passes. No ano seguinte, realizou 66 partidas e anotou cinco tentos.

Rogério Ceni: Presente em 64 das 69 partidas do São Paulo em 2014, o incansável goleiro de 41 anos e capitão do Tricolor Paulista foi decisivo durante a temporada. Sendo assim, ele renovou seu contrato com o Tricolor até agosto de 2015, para tentar dar ao clube o seu quarto titulo da Libertadores.

Souza: Eleito para a seleção do Brasileirão ao lado de Lucas Silva, do Cruzeiro, como o melhor volante da competição, Souza conseguiu se destacar em uma equipe recheada de estrelas, como Ganso, Kaká, Luis Fabiano, entre outros. Ele participou de 33 jogos do São Paulo na competição e marcou três gols.

Piores de 2014

Antônio Carlos: Titular incontestável no começo da temporada, o zagueiro teve sérias lesões e com isso, acabou não tendo uma regularidade na zaga são-paulina. Quando se recuperou, acabou indo para o banco de reservas e, de lá, viu Edson Silva aproveitar a oportunidade e não sair mais.

Ademílson: Cria da base de Cotia, o atacante não conseguiu repetir as mesmas atuações que o fez chegar ao profissional do São Paulo. Sendo assim, acabou ficando sem prestigio com o técnico Muricy Ramalho e não deve permanecer para 2015.

Paulo Miranda: Mesmo podendo atuar em duas posições – tanto na zaga quanto na lateral -, o jogador não conseguiu se firmar no São Paulo em 2014. Em má fase, o defensor chegou, em alguns momentos, a ser a quinta opção da zaga, ficando atrás de Rodrigo Caio, Antônio Carlos e Rafael Tolói e somente à frente de Edson Silva.

Análise final

Os torcedores do São Paulo podem ficar confiantes para a próxima temporada. O time dirigido por Muricy Ramalho voltou a ter um elenco forte e fez frente a grandes equipes do futebol brasileiro. O vice-campeonato nacional, além de salvar o ano, deu ao Tricolor Paulista a oportunidade de voltar a disputar um título e também de montar um planejamento mais forte para 2015.

VAVEL Logo