Felipe Melo recusa fama de violento, mas afirma: "Se tiver que dar porrada, vou dar porrada"
Felipe Melo novo camisa 30 do Verdão ( foto: Divulgação / Ag Palmeiras)

O Palmeiras apresentou nesta terça-feira (17) o meia Felipe Melo. Em entrevista coletiva, o jogador falou sobre a projeção de títulos no clube, criticou sua fama de jogador violento e elogiou seus novos companheiros.

O volante contou sobre a conversa que teve com o diretor de futebol Alexandre Mattos e afirmou chegar ao clube para ser um dos principais jogadores

"Quando o Mattos me ligou, ele disse que o time estava sendo montado para chegar em todas as competições, não só a Libertadores. Vamos entrar em todas para vencer. Estou muito confiante de que podemos fazer um bom trabalho. Assim como torcedor e diretoria, os jogadores também sonham muito em fazer história aqui dentro. Chego em um plantel que já tem história, que é campeão brasileiro. Já ganhei no Cruzeiro e sei como é gostoso, então quero repetir. O time a ser batido hoje é o Palmeiras. Na época que joguei a Libertadores eu era muito jovem, era coadjuvante. Hoje eu venho como ator principal", afirmou.

O novo camisa 30 também discordou sobre as críticas que recebe pelo número de expulsões na carreira. "Muito se fala de expulsão, de cartões, mas se não me engano nos últimos quatro ou cinco anos, foram quatro cartões vermelhos. A cada 50 jogos um cartão vermelho? Acredito que para um meio-campista, encarregado de fazer o trabalho sujo, é até pouco. Muita gente critica por inveja, porque queria ter o Felipe Melo no time... Eu vim para cá para ajudar e ser ajudado. Eu sei que o Palmeiras fez um esforço muito grande para me trazer. Eu me senti importante e sei da minha responsabilidade".

Apelidado de "Pitbull", Felipe Melo criticou a fama de ser um jogador violento, porém disse que se for necessário dará " porrada" nos adversários  "Acho que essa situação foi criada por vocês da imprensa, de que o Felipe Melo é maldoso, expulso todo jogo. Se não me engano minha média de cartões amarelos é menor que a do Gabriel Jesus no Palmeiras, se não me engano tomo menos vermelhos do que o Fernandinho da Seleção Brasileira. Vi muitos programas que, em vez de passar lances legais, mostravam expulsões de 2010. Ninguém mostrou o passe do Felipe Melo para o Robinho, o título pelo Fenerbahce, os momentos bons. Deixaram para o torcedor do Palmeiras lembrar dos momentos legais, que o Felipe Melo não é só porrada. Se tiver que dar porrada, vou dar porrada. Se tiver que jogar no Uruguai e dar tapa na cara de uruguaio, eu vou dar. Lógico que com responsabilidade, porque não quero deixar o time com menos um".

Melo aproveitou para alogiar o grupo de jogadores do Palmeiras. Para ele, o grupo foi fundamental para a conquista do Brasileirão de 2016. O meio-campista ainda exaltou Eduardo Baptista, novo treinador do Verdão

"Falei com quatro, cinco jogadores e falaram que o essencial para o título do ano passado foi o grupo. Eu acompanho muito futebol, vi o Brasileiro na medida do possível, e não vi o Palmeiras como melhor elenco, mas vi como melhor grupo. Esse grupo fez o Palmeiras ser campeão, foi o que eu vi. Temos que manter essa união. Se a gente tem um bom grupo, uma união bacana, vamos estar concentrados. O treinador me surpreendeu bastante, tem ideias muito claras, sabe o que fazer". Disse

Jogadores como Michel Bastos e Zé Roberto também foram enaltecidos. "Para mim é uma honra jogar com um cara como o Zé Roberto. Com o Michel eu joguei no Grêmio, jogamos Copa do Mundo juntos. É um cara super profissional. Mas falando do Zé Roberto, é um cara que tem de ser estudado, um cara com 42 anos correndo como está correndo. Eu vi um vídeo outro dia e ele estava a menos de 10 graus correndo. É um caso a ser estudado", finalizou.

O Palmeiras entra em campo pela primeira vez no ano no próximo sábado (21), em uma partida amistosa contra a Chapecoense, na Arena Condá.

VAVEL Logo