Querendo confirmar recuperação, Palmeiras encara a Ponte Preta em Campinas
Apesar do gol na última quarta-feira, Borja não deve iniciar a partida como titular.(Foto: Twitter Oficial - SE Palmeiras)

Que o Palmeiras parece enfim iniciar sua reação no Campeonato Brasileiro é inegável. O time não havia marcado nenhum gol como visitante e balançou a rede quatro vezes diante do Bahia. Também não havia vencido duas na sequência até aqui – e conseguiu o segundo triunfo consecutivo diante do Atlético-GO.

Para confirmar a reabilitação no certame, porém, a missão será indigesta: vencer a sempre difícil Ponte Preta jogando em Campinas neste domingo (o jogo está marcado para 16h). A Ponte que, aliás, tem sido uma pedra no sapato do time alviverde. A última vitória no Moisés Lucarelli foi em 2013 (o Verdão venceu a Macaca por 2x0 em 2015, porém o jogo foi em campo neutro).

O tabu não é a única complicação. A Ponte Preta vem sendo impecável quando joga dentro dos seus domínios com quatro jogos e quatro vitórias até aqui. A última partida entre eles também traz péssimas memórias para o torcedor palmeirense: um frustrante 3x0 que deixou o time praticamente eliminado do Paulistão.

Objetivo da Ponte é manter a invencibilidade dentro de casa

A vitória elástica conquistada sobre o adversário do próximo domingo no último confronto realizado em Campinas é tratada como passado no time alvinegro.

Aquela partida chega inclusive a reforçar a atenção do time campineiro já que a expectativa é de um Palmeiras mordido em busca de resposta. Ao menos é o que pensa o técnico Gilson Kleina:

Nós temos que manter a mesma atitude, mesmo porque nosso time é muito forte dentro de casa. Este espírito guerreiro deve ser mantido sempre, independente do adversário ou mesmo de sua escalação”, afirmou o treinador.

E Kleina não está errado ao reforçar a força da Macaca dentro do Moisés Lucarelli. Seu time segue com 100% de aproveitamento até aqui mesmo já tendo enfrentado gigantes do futebol brasileiro como São Paulo e Cruzeiro.

O comandante alvinegro não deve ter grandes problemas para escalar seu time neste domingo. As baixas são Yago e Xuxa, jogadores que seguem fora por lesão.

A única preocupação está nos experientes Renato Cajá e Emerson Sheik em função da parte física e já pensando na Copa Sul-Americana no meio da semana. Caso opte por trocar os jogadores, Léo Arthur e Lins podem ganhar uma oportunidade.

A provável Ponte Preta terá: Aranha, Nino Paraíba, Marllon, Rodrigo e João Lucas; Fernando Bob, Elton e Renato Cajá; Claudinho, Lucca e Emerson Sheik.

Hora de confirmar a recuperação

Se a Ponte Preta aponta para poucas alterações na sua escalação, o mesmo não se pode dizer do Palmeiras. Cuca planeja algumas mudanças no seu time titular pensando no jogo da Copa do Brasil na próxima quarta-feira.

Alguns jogadores podem ser poupados. Mina, por exemplo, é cotado para ficar de fora – a dupla seria formada por Edu Dracena e Juninho, com Luan como alternativa. No ataque Dudu deve voltar a iniciar uma partida após algum tempo fora por lesão. Quem deve ser poupado por dores é Keno, justamente seu substituto no período ausente.

Quem também deve voltar ao time titular é o atacante Willian. Ele cumpriu suspensão na última rodada e Borja não empolgou diante do Atlético-GO. O elenco foi enfático na defesa do atacante, como destacou Fernando Prass:

Sabemos do esforço do Borja no dia a dia para se encaixar no ritmo de jogo aqui do Brasil. Espero que ele possa estar cada vez melhorando para ajudar o Palmeiras como fez neste jogo”.

Mesmo marcando o gol da vitória alviverde, a chance de que ele volte ao banco de reservas é razoável. Cuca ainda entende que o colombiano deve seguir treinando e aperfeiçoando alguns detalhes técnicos e táticos.

Ao contrário do atacante, Guerra está em alta com o comandante palmeirense. O meia é visto como essencial para o meio-campo alviverde e o próprio Cuca destacou sua qualidade na coletiva desta sexta-feira:

O Guerra é importantíssimo para nós, um jogador de rara inteligência, moderno, que sabe compor meio-campo. Ajuda na parte de compactação, cria a maioria das jogadas. A adaptação dele foi natural, foi muito rápida, assim como a do Mina ”.

Mesmo com toda a sua importância, Guerra também é dúvida para o jogo diante da Macaca pelo desgaste muscular. Apenas o próprio Cuca sabe o time que entrará em campo neste domingo. 

O mais provável é que o Palmeiras inicie com: Fernando Prass; Mayke, Edu Dracena (Mina), Luan e Juninho; Jean e Tchê Tchê; Guerra (Veiga), Willian (Dudu) e Róger Guedes; Borja (Willian).

VAVEL Logo