Odair Hellmann protagoniza seu segundo Gre-Nal como treinador do Internacional

O primeiro clássico foi o 407 em transição entre Diego Aguirre e Argel; Para o 413, como técnico oficial, almeja manter-se invicto no Beira-Rio

Odair Hellmann protagoniza seu segundo Gre-Nal como treinador do Internacional
Foto: Ricardo Duarte/ Internacional

O Internacional de Odair Hellmann já se prepara em prol do clássico a ser disputado na tarde deste domingo (11), no estádio Beira-Rio. Com o fator casa em mãos, o treinador almeja se manter invicto como mandante e, claro, deixar para trás as más lembranças de quando, após assumir o comando do time como interino 3 dias antes do Gre-Nal 407, foi alvo da goleada na qual o Grêmio carimbou o placar histórico de 5 a 0.

Entretanto, na ocasião nada poderia ser feito para evitar o resultado, tratava-se de um Inter com problemas técnicos e físicos. Sendo que, Odair Helmmann foi chamado pela direção para assumir o comando em busca de um "fato novo" para o clássico, após a demissão de Diego Aguirre.

Agora, como treinador oficial do clube, Hellmann tem pela frente o clássico 413. Segundo Odair, a vitória no Gre-Nal é muito importante para o desenvolvimento de ambas as equipes, em especial para o Inter que pretender colocar em prática tudo que tem desenvolvido durante os treinamentos e, também, consolidar sua forma de jogar.

"O Gre-Nal tem sua importância independente do que vale. Quartas de final, três pontos, ele tem sua importância de clássico e a rivalidade é muito grande. O jogo, a gente espera a evolução da equipe que está jogando. Vem numa crescente, numa consolidação de forma de jogar. Esperamos transferir os treinamentos e jogos para o campo", disse.

"Queremos colocar isso em prática no Gre-Nal. Queremos, em todos os jogos, apresentarmos para o torcedor o que temos apresentado até agora. Vamos trabalhar os dias que restam para que consigamos apresentar as boas coisas que já temos feito e as evoluções naturais que esperamos na equipe", completou o treinador.

Oriundo das  categorias de base do Internacional quando foi atleta e profissional também dos times inferiores, quando tornou-se treinador e auxiliar do clube, o técnico conhece muito bem o valor deste embate. Porém, sintetizou que não basta somente o fator anímico, é preciso fazer um bom jogo.

"O que a gente sabe é que a motivação, a vontade, a parte anímica aflora nos momentos decisivos e jogos importantes, nos clássicos. Mas isso tem que ir até um ponto. E outro ponto é concentração, organização tática, intensidade de jogo. Se passar do ponto, acaba perdendo o equilíbrio para fazer um bom jogo tecnicamente, fazendo a leitura. O lado anímico é importante, mas tem que estar dentro dos outros aspectos. Não adianta ter um e não os outros", concluiu Odair Hellmann.