Análise: com reforços importantes, Palmeiras adota nova formação e busca sucesso em 2018

Verdão tem usado um 4-1-4-1 montado por Roger Machado, dando ênfase ao qualificado setor de meio-campo

Análise: com reforços importantes, Palmeiras adota nova formação e busca sucesso em 2018
Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

A temporada do Palmeiras começou recentemente e, apesar de a equipe já ter conquistado quatro vitórias consecutivas, o processo de preparação não está perto do final. Ajustes táticos, escolhas na escalação, estratégias de rotação de elenco: tudo isso é importante. No Verdão, ainda há interrogações, que devem ser definidas com o passar do tempo pelo técnico Roger Machado.

Conhecido por suas ideias modernas, o metódico comandante tentará levar o time à glória novamente após um relativo "fracasso" em 2017. Na temporada passada, o Alviverde não levantou nenhuma taça e ainda sofreu com problemas com seus ex-treinadores, Cuca e Alberto Valentim.

Roger foi apresentado no final de novembro (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Roger foi apresentado no final de novembro (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)

Parte tática será fundamental no Palmeiras de 2018

Já foi possível perceber, tanto nos treinamentos quanto nos jogos, que Roger dará bastante ênfase à movimentação e distribuição tática dos jogadores. Nos momentos iniciais, ainda havia dúvidas a serem sanadas pelo público e pela imprensa, como a formação que seria usada pela equipe, mas agora tudo parece um pouco mais claro.

Nas primeiras partidas do Verdão no Campeonato Paulista, os atletas têm jogado em um 4-1-4-1. Já que a intenção é fazer um jogo propositivo, a construção de jogadas acontece desde o primeiro terço de campo, o que ocorre principalmente devido à liberdade de Tchê Tchê e Lucas Lima, que se aproximam da zaga para receber o passe.

O volante entrelinhas – Felipe Melo, que tem atuado bem e ganhado pontos na equipe de Roger Machado – também tem a função de agregar qualidade à saída de bola. Para isso, tende a recuar entre os dois homens de zaga e criar mais uma opção, com os laterais avançando ao meio-campo para gerar superioridade numérica.

Assim, a formação titular do Palmeiras neste começo de 2018 é a seguinte:

Com o passar dos jogos, no entanto, a dor de cabeça para Roger deve aumentar, pois Moisés Edu Dracena estão voltando aos poucos, enquanto Gustavo Scarpa também é um grande nome na disputa pelas vagas do meio-campo. Há ainda Keno, que tem agregado muito pelas pontas e pode ser um jogador para entrar no decorrer das partidas.

O que as contratações podem agregar ao futebol apresentado?

É imprescindível analisar os reforços do Palmeiras nesta pré-temporada, tentando entender o que novos jogadores acrescentam ao estilo de jogo buscado por Roger Machado. Apesar do papel que o jogo coletivo exercerá na temporada do Verdão, as individualidades também são essenciais para o sucesso da equipe.

Com novas peças, elenco do Palmeiras se reúne com treinador (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Com novas peças, elenco do Palmeiras se reúne com treinador (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)

A chegada de Weverton aumentou ainda mais a disputa pelo gol alviverde, que antes tinha apenas Fernando Prass e Jaílson como concorrentes. O arqueiro titular já foi definido pelo treinador, mas boas opções nunca são demais.

Emerson Santos chega como mais um nome para a linha defensiva, visto que Yerry Mina foi vendido para o Barcelona recentemente. Pelo menos a princípio, será pouco utilizado, visto que sequer foi inscrito no Campeonato Paulista, mas é bastante promissor pela idade.

Marcos Rocha e Diogo Barbosa reforçam os setores mais problemáticos do Palmeiras em 2017: as laterais. Antes rivais em Minas Gerais, os dois devem ser titulares no Verdão, auxiliando a equipe a finalmente encontrar um equilíbrio defensivo e ofensivo, o que não aconteceu nas últimas temporadas.

Gustavo Scarpa também merece destaque, visto que vem de boas temporadas pelo Fluminense. Ele atua preferencialmente pela direita, podendo exercer uma função mais avançada ou voltada à armação. No entanto, também é possível que o camisa 14 jogue de forma mais centralizada, adaptando-se ao esquema da nova equipe.

Por fim, Lucas Lima. Em sua passagem pelo Santos, o meia ficou conhecido pela criatividade na armação do jogo, mas mostrou-se apático sem a bola em diversas oportunidades. Nas apresentações recentes pelo Verdão, ele mostrou ter aprimorado a parte defensiva e sua movimentação, o que deve ajudá-lo a ter uma temporada melhor.

Equilíbrio

Desde que chegou ao Palmeiras, Roger Machado usou e abusou da palavra "equilíbrio". Seja tático, ofensivo ou defensivo, a harmonia das funções é uma das grandes prioridades na temporada. Para evidenciar isso, basta fazer uma citação da primeira entrevista coletiva do treinador em 2018.

"Espero sempre que a gente tenha uma equipe equilibrada, defendendo, atacando bem para que, desde o início do campeonato, a gente mostre coisas importantes que trabalhamos na pré-temporada. A equipe vai sempre buscar o gol, mas sempre entendendo os momentos do jogo: quando se defender, e quando definir a partida a nosso favor", pontuou.

Tem dado certo, pelo menos até agora. Com quatro vitórias seguidas, invicto no Paulista e apresentando bom futebol na maioria do tempo, o Palmeiras de Roger Machado não desaponta nem o mais pessimista torcedor palmeirense.