Com gol de Nenê, São Paulo vence Bragantino por placar mínimo e engata sequência positiva

Equipe tricolor venceu com um gol de Nenê logo aos cinco minutos da primeira etapa e pouco produziu no decorrer dos 90 minutos, sendo vaiada após apito final

Com gol de Nenê, São Paulo vence Bragantino por placar mínimo e engata sequência positiva
Nenê fez o seu primeiro gol com a camisa tricolor (Foto: Divulgação/São Paulo F.C)
São Paulo
Bragantino
São Paulo: Sidão; Militão, Bruno Alves, Rodrigo Caio e Reinaldo; Jucilei, Petros, Nenê e Cueva; Marcos Guilherme e Diego Souza. Técnico: Dorival Júnior
Bragantino: Alex Alves, Ewerton, Lazaro, Guilherme, Adenilson, Fabiano, Willian Schuster, Evandro, Matheus Peixoto, Helton, Leo Jaime. Técnico: Marcelo Veiga.
ÁRBITRO: ADRIANO DE ASSIS MIRANDA, AUXILIADO POR VITOR CARMONA METESTAINE E TATIANE SACILOTTI DOS SANTOS CAMARGO.
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELA SEXTA RODADA DO CAMPEONATO PAULISTA, DISPUTADA NO ESTÁDIO DO MORUMBI.

A sexta rodada do Campeonato Paulista começou nesta quarta-feira (7), com São Paulo e Bragantino se enfrentando no Morumbi. O Tricolor Paulista venceu o time de Bragança por 2 a 0, com o primeiro e único gol marcado pelo recém-chegado, Nenê.

Com o resultado, o Soberano se mantém na liderança do Grupo B, com 10 pontos conquistados até o momento. Já o Massa Bruta segue na segunda colocação do Grupo A, atrás do Corinthians, com sete pontos ganhos.

Depois de cumprirem o compromisso de hoje, o São Paulo volta à campo somente na quinta-feira após o feriado de finados, onde vai visitar o Ituano. Já o Bragantino recebe o Mirassol, na quarta-feira de cinzas (14).

Gol prematuro e posse de bola definem primeiro tempo

O São Paulo foi quem deu o pontapé inicial e, com uma postura ofensiva e rápida aplicada sobre os visitantes, conseguiu chegar com perigo ao gol adversário já nos primeiros lances do confronto do estadual.

Logo aos cinco minutos de jogo, Nenê sofreu pênalti e converteu, com um chute colocado no canto do goleiro. O gol prematuro deu ao Tricolor tranquilidade, mas que mudou a postura da equipe, que começou a valorizar muito a posse de bola. Assim, os mandantes contavam com a movimentação dos meio-campistas e a mobilidade dos atacantes para incomodar a defesa do Bragantino, que encontrava dificuldades para sair jogando.

Nenê se mostrou participativo pelas pontas, vindo buscar o jogo no meio de campo para lançar na velocidade Marcos Guilherme, que chegou a ter uma chance, mas chutou com a perna que não era a boa, parando no goleiro Alex Alves. O camisa 10 Cueva, por sua vez, também criou jogadas ofensivas, mas a sua dupla era com Diego Souza, que tinha a missão de abrir espaço dentro da área para que os atacantes de velocidade chegassem para finalizar. 

Apesar do domínio no primeiro tempo, o São Paulo pouco conseguiu concretizar. O mesmo pode ser dito sobre o Bragantino, que chegou com perigo em apenas um chute de fora da área, defendido pelo goleiro Sidão.

Poucas chances e pouca efetividade ofensiva no tempo final

A segunda etapa acabou tornando o jogo mais aberto, apesar de o São Paulo não conseguir aproveitar as chances de liquidar a partida. O Bragantino se expôs mais em campo e passou a marcar com mais afinco a equipe mandante, que apareceu com Marcos Guilherme duas vezes, levando perigo a Alex Alves.

Vendo o Tricolor se aproximar do segundo gol, o Alvinegro chegou a responder com uma cabeçada de Matheus Peixoto, que foi defendida de forma providencial por Sidão, salvando o que seria o empate da partida.

Ao perceber que o Bragantino tentaria ir para cima e levar perigo, o São Paulo esfriou o jogo e passou a trocar passes sem objetividade, ainda mais após Dorival Júnior promover a entrada de Hudson no lugar de Nenê, contendo mais seu meio-campo.

Matheus Peixoto ainda teve a chance de empatar aos 43 minutos, mas acabou finalizando para fora. Assim, foi decretada a segunda vitória consecutiva do São Paulo no Campeonato Paulista, dessa vez pelo placar mínimo: um a zero.