Depois de quase 2 anos, Ferrer supera Dolgopolov e levanta troféu na Suécia

Espanhol ex-top 3 derrotou tenista da Ucrânia para conquistar o ATP 250 de Bastad

Depois de quase 2 anos, Ferrer supera Dolgopolov e levanta troféu na Suécia
Ferrer beija troféu sueco/ Foto: Getty Images
David Ferrer
2 0
Alexandr Dolgopolov

Neste domingo (23), ocorreu a final da chave principal de simples do ATP 250 de Bastad, na Suécia. Cabeça de chave número oito da competição, o espanhol David Ferrer voltou a ser campeão de um torneio depois de quase dois anos, ao vencer o ucraniano Alexandr Dolgopolov - número 89 do ranking da ATP - em sets diretos.

O último troféu de Ferrer havia sido em outubro de 2015

Depois de uma hora e 28 minutos em quadra, o tenista de 35 anos saiu vencedor, com parciais de 6/4 e 6/4. Este foi o 27º título na carreira de Ferrer, sendo o terceiro apenas em solo sueco: anteriormente, havia conquistado o título em 2007 e em 2012, em ambas ocasiões, diante do compatriota Nicolas Almagro.

O último troféu do natural de Javea havia sido no dia 25 de outubro de 2015, no ATP 500 de Viena, na Áustria, depois de bater o norte-americano Steve Johnson na decisão por dois sets a um, com parciais de 4/6 6/4 e 7/5.

"Eu ainda gosto de jogar tênis, mas é muito diferente aos 35 anos"

Com os 250 pontos conquistados nesta semana, David ganha 13 posições no ranking mundial e será o 33º na próxima segunda-feira (24), com 1210 pontos. Já o tenista da Ucrânia subiu 22 posições e ocupará a 67ª posição, com 701 pontos.

"Foram dois anos sem ganhar nenhum torneio, então fico muito feliz com esse resultado" afirmou o tenista da Espanha e continuou: "Estava um pouco nervoso quando tinha 5/1 de vantagem e o Alenxandr seguia jogando sem nenhuma pressão aparente. Tentei focar em cada ponto, no entanto, quando vieram todos aqueles match points, muitos pensamentos entraram na minha cabeça, me prejudicando".

Além disso, o ex-top 3 disse estar conseguindo mantendo a motivação semana a semana, jogo a jogo. "Eu sei que será difícil retornar ao top 10, mas se, pelo menos, conseguir manter o nível de atuação desta semana, seguirei no circuito em 2018" analisou. "Eu ainda gosto de jogar tênis, mas é muito diferente aos 35 anos" completou.

O melhor do tênis mundial, você acompanha na VAVEL Brasil.


Share on Facebook