Sada Cruzeiro atropela Zenit e fatura tricampeonato mundial

Com parciais de 25/21, 25/23 e 25/15, mineiros vencem novamente o Zenit Kazan, repetindo feito de 2015

Sada Cruzeiro atropela Zenit e fatura tricampeonato mundial
Foto: Agência i7/Cruzeiro
Sada Cruzeiro
3 0
Zenit Kazan
Sada Cruzeiro: Serginho, Rodriguinho, Leal, Isac, Simón, Evandro e William.
Zenit Kazan: Salparov, Leon, Anderson, Ashchev, Volvich, Mikhaylov e Butko.
INCIDENCIAS: Duelo válido pela grande final do Campeonato Mundial de Clubes de Vôlei Masculino, no dia 23 de outubro, às 16h15, no Ginásio Poliesportivo Divino Ferreira Braga, em Betim.

Para cravar ainda mais seu nome como melhor equipe de vôlei do mundo, o Sada Cruzeiro venceu o Mundial de Clubes de Vôlei Masculino 2016, batendo o Zenit Kazan, da Rússia, por 3 a 0, neste domingo (23). O grande duelo teve como palco o Ginásio Divino Braga, em Betim/MG.  

Com uma sintonia digna de campeão, ou melhor, bicampeão, a equipe de Marcelo Mendez desconheceu a qualidade dos russos e conquistou seu segundo Mundial de Clubes seguido, vencendo novamente o Zenit na final, como foi no ano passado. Unido ao dois canecos, os cruzeirenses têm ainda o título conquistado em 2013, fazendo deles a única equipe brasileira a figurar tantas vezes como melhor do mundo.

Embalados pela torcida, que lotou o Ginásio, os mineiros venceram os russos por 3 a 0, mas não tiveram vida tão fácil nos dois primeiros sets. Mesmo os estrangeiros não estando com suas principais estrelas em dias tão inspirados, como os potentes Leon e Mikhaylov, a concentração dos russos impressionava nas etapas iniciais. No entanto, com parciais de 25/21 e 25/23, o Cruzeiro largou na frente. Na disputa do set que poderia - e foi - ser o decisivo, os russos começaram tentando não se abalar com a desvantagem, mas os donos da casa sequer abaixaram o tom ofensivo e inteligente das jogadas.

Com passes bem acertados e ataques potentes, as duas equipes fizeram um grande set inicial. No ataque do Sada Cruzeiro, Evandro, Leal, Simón e Isac concentraram os pontos, enquanto os russos viram Leon e Mikhaylov virarem a maioria das bolas para os visitantes. Com o levantador William distribuindo bem as jogadas, os mineiros largaram na frente da grande decisão, fechando o set em 25 a 21.

As equipes começaram o segundo set forçando mais seus saques e ainda assim mantiveram um bom aproveitamento na recepção. Disputado ponto a ponto, lances como um bloqueio do central Simón quando o placar registrava 18 a 17 para os mineiros possibilitaram que eles abrissem uma distância, que mesmo sendo pequena, fez com que os donos da casa largassem na frente. A caminho do final do set, o Zenit voltou a diminuir e pressionar, mas Evandro soltou o braço para deixar o Sada Cruzeiro com 2 a 0 no placar, com a segunda parcial de 25 a 23.

O placar desfavorável ao Zenit não desanimou a equipe. Com a mesma concentração  dos sets anteriores, os russos tentaram continuar impondo dificuldades ao Cruzeiro. No entanto, a equipe de Marcelo Mendéz não baixou o ritmo intenso e foi vendo o bicampeonato cada vez mais próximo. Os mineiros tiveram pouquíssimos erros em todos os fundamentos e fecharam o set em 25 a 15. O ponto da glória não veio das mãos de nenhum atleta cruzeirense, mas os olhos de toda a equipe acompanharam o ataque do norte-americano Anderson indo para fora da quadra, concluindo o jogo e dando ao Sada Cruzeiro o lugar mais alto do pódio.

Terceiro lugar

O confronto entre europeus e sul-americanos na grande final do Mundial de Clubes foi precedido por um outro entre equipes dos mesmos continentes. Na disputa do terceiro lugar, estiveram em quadra, às 14h, o Trentino Volley, da Itália, encarando o Personal Bolívar, da Argentina. Com parciais de 25/22, 23/25, 25/23, 29/31 e 17/15, os italianos conquistaram o terceiro lugar, no tie-break, garantindo-se pódio. O Trentino é o maior campeão do torneio, com quatro títulos conquistados, de 2009 a 2012, em Doha, no Catar.