Ancelotti diz que Gattuso é a 'alma do Milan': "Os rapazes entrariam no fogo por ele"

'Carletto' exalta atual técnico do Diavolo e acredita em classificação à próxima edição da Champions League

Ancelotti diz que Gattuso é a 'alma do Milan': "Os rapazes entrariam no fogo por ele"
Gattuso está no comando técnico do Milan há pouco menos de três meses (Foto: Emilio Andreoli/Getty Images)

Gennaro Gattuso foi, na década passada, titular absoluto do vencedor Milan de Carlo Ancelotti. Volante que deixava a alma em campo, 'Rino' era considerado um homem de confiança do treinador. Agora, com as chuteiras penduradas e técnico do time ao qual é ídolo, o ex-atleta tem a tarefa de ajudar a recolocar o Diavolo na primeira prateleira do futebol europeu, onde Ancelotti esteve por muitos anos com os rossoneri.

Em entrevista à Gazzetta dello Sport, publicada na edição desta terça-feira (20), Ancelotti rasgou elogios ao trabalho de Gattuso à frente do Milan. O ex-jogador estava treinando o time juvenil do clube quando aceitou a proposta, em novembro passado, de assumir a equipe principal após a demissão de Vincenzo Montella. Ele teve um início de trabalho turbulento, mas quase três meses depois, colhe os frutos: dez jogos invictos em todas as competições (ainda não perdeu em 2018).

O Milan é o sétimo clocado na tabela da Serie A, a oito pontos da Lazio, equipe que abre o G-4

Para Gattuso, se o Milan mantiver o desempenho, será possível alcançar uma vaga na Champions League da próxima temporada. "Se você continuar com esse ritmo, sim, mas não colocaremos muita pressão", disse. "Raciocínio jogo após jogo. Para conquistar a [vaga na] Champions é preciso parar aqueles que estão na frente. Os rossoneri têm o dever de estarem prontos no caso de Roma, Lazio e Inter terem algumas dificuldades. Visto de onde começaram, no entanto, já é um ótimo resultado estarmos aqui falando sobre Champions. Você se lembra da depressão de algum tempo atrás?", indagou.

Gattuso era homem de confiança de Ancelotti (Foto: Giuseppe Cacace/AFP)
Gattuso era homem de confiança de Ancelotti (Foto: Giuseppe Cacace/AFP)

Ancelotti seguiu exaltando Gattuso e se auto denominou um 'velho romântico' por ainda assistir aos jogos do Milan, clube pela qual conquistou 17 títulos relevantes somando sua passagem como jogador (1987 a 1992) e treinador (2001 a 2009).

"Acompanho todos os jogos do Milan. Sou um velho romântico e, quando ganham, também me alegro" - Carlo Ancelotti

"Sinceramente eu esperava [por resultados positivos], mas não tinha certeza. Quando há uma mudança de treinador, há sempre muitas incógnitas, muitas dúvidas, muitos obstáculos a superar. Gattuso foi bem ao driblar as dificuldades e fazer os jogadores o seguir; levantou o Milan, dando-lhe um jogo e uma identidade. Estou feliz por ele e por todos os torcedores rossoneri. Acompanho todos os jogos do Milan. Sou um velho romântico e, quando ganham, também me alegro", contou.

De acordo com Ancelotti, Gattuso ganhou a confiança dos jogadores a ponto de eles 'entrarem no fogo' pelo ex-camisa 8 milanista. "Os jogadores o veem como um líder autêntico. Ele tem o grupo em suas mãos. Os rapazes entrariam no fogo por ele, e esse aspecto é determinante no futebol e, em geral, na vida. Gattuso é a alma do Milan e os jogadores colocam seus conhecimentos e energia à disposição da equipe para alcançar o sucesso. Este é o caminho certo", destacou.

"Vejo os conceitos do meu Milan"

Quando sucedeu Montella, Gattuso parou de utilizar um esquema de três e implantou o 4-3-3 como esquema tático principal da equipe. A plataforma de jogo é parecida com o 4-3-2-1, sistema "Árvore de Natal" introduzido ao Diavolo por Ancelotti. Mas 'Carletto' pediu calma ao comparar os jogadores que faziam parte daquele Milan com os atletas do time atual.

"Não vamos exagerar. Os valores técnicos são diferentes. Mas a estrada é a mesma: construir um jogo baseado nas qualidades técnicas. No Milan de Gattuso, eu admito que vejo os conceitos do meu Milan. Bem, os intérpretes não são os mesmos, mas você não pode ter tudo da vida. Conselhos? Sim, para ouvir todos, raciocinar sobre o que lhes é dito e depois decidir por si mesmo. Esta é a força de um treinador: ter a capacidade de fazer uma síntese do que lhe é proposto", finalizou.