Com dois de Müller, Bayern derrota Chelsea em final eletrizante pela Champions Cup

Bávaros abriram três gols de diferença e Blues correram atrás do prejuízo marcando dois, deixando confronto rápido no fim

Com dois de Müller, Bayern derrota Chelsea em final eletrizante pela Champions Cup
Alemão fez dois tentos em 15 minutos (Foto: Suhaimi Abdullah / Getty Images)
Chelsea
2 3
Bayern de Munique
Chelsea: Courtois (Eduardo); Azpilicueta, Christensen (David Luiz), Cahill; Moses, Kanté, Fàbregas (Pasalic), Alonso (Tomori); Boga (Morata), Willian; Batshuayi (Baker).
Bayern de Munique: Starke (Früchtl); Rafinha (Felix Götze), Martínez, Hümmels, Friedl; Sanches, Tolisso (Pantovic), James Rodríguez, Müller (Wintzheimer), Ribéry (Dorsch); Lewandowski (Coman).
Placar: 0-1, min. 6, Rafinha. 0-2, min. 12, Müller. 0-3, min. 27, Müller. 1-3, min. 45+3, Alonso. 2-3, min. 85, Batshuayi.
ÁRBITRO: Muhammad Taqi Al-Jaafari. Amarelo: Moses 29'.
INCIDENCIAS: partida amistosa válida pelo torneio champions cup 2017, versão de singapura.

Na manhã desta terça-fera (25), Chelsea e Bayern de Munique se encontraram em partida do torneio amistoso de pré-temporada Champions Cup 2017, versão de Singapura. Os bávaros conseguiram sair com o resultado positivo ao vencer por 3 a 2, com dois gols de Müller e outro de Rafinha; Batshuayi e Alonso foram às redes pelos Blues

O resultado dá três pontos ao Bayern, que agora soma os seus três primeiros pontos na versão, liderando o Grupo que ainda tem a Inter. O Chelsea permanece sem pontuar ainda, porém joga no próximo sábado (29) contra o time italiano para encerrar sua participação na chave. O mesmo acontece com os bávaros, com a exceção de que o embate contra a equipe de Milão será dois dias antes, na quinta-feira (27). 

Bayern tem primeiro tempo tranquilo ofensivamente, abre o placar e controla Chelsea

Nos primeiros três minutos, as duas equipes trocaram a bola, usando esse período para estudar o adversário na maior parte do tempo, não utilizando-o para agredir ou tomar as rédeas da partida. Depois deles, porém, o Bayern conseguiu controlar mais a posse, rodando o esférico pelo campo, buscando encontrar um espaço para abrir o placar com passes, obrigando a bola a entrar na área até que alguém pudesse finalizar a jogada.

Até que, aos seis minutos, Rafinha resolveu arriscar de fora da área. E deu certo. O atleta recebeu bola na direita e foi cortando para a esquerda, até que decidiu plantar uma bomba de longe para vencer Courtois e movimentar o placar pela primeira vez no confronto. Depois do tento, os alemães continuaram no ataque, no mesmo esquema: trocando passes em busca de chegar na área.

Passados mais seis minutos desde o primeiro gol, aconteceu o segundo. Depois de jogada de Ribery, Müller finalizou a jogada com um voleio fácil com espaço, aproveitando a rara falha defensiva que o Chelsea de Conte tem apresentado no embate de hoje. O terceiro tento não demoraria muito também para sair. Só levaram outros 15 minutos, até que Müller, novamente, encontrasse o caminho das redes com outro chute de longe depois de uma pequena arrancada, não dando chance alguma ao goleiro belga dos Blues.

Desde então, o Chelsea passou a tentar mais investidas ofensivas, mais do que o normal. Teve algumas chances com Batshuayi e Fàbregas, por exemplo, mas foi Alonso que, nos acréscimos da primeira etapa, conseguiu diminuir o placar com um chute forte depois de cruzamento de Moses vindo da direita, que contou também com furada do atacante belga. 

Bayern continua dominação, mas Chelsea diminui no fim

Esse tempo, o sistema defensivo do Chelsea parece ter melhorado sua perfomance em relação ao do primeiro, visto que a equipe conseguiu não tomar mais gols no jogo, ainda que o Bayern assustasse em algumas bolas, principalmente com Ribery, Coman e o recém-contratado James, além de outros jogadores que passaram a entrar nesse tempo. 

Os bávaros continuavam a ter a bola por mais tempo, trabalhando-a, enquanto que o Chelsea tentava se fazer num ou outro contra-ataque, estratégia que acabou não sendo muito bem sucedida, visto que quando a equipe chegava no ataque, o adversário conseguia pressionar o suficiente para acabar os espaços e tempo de quem estava com a redonda, diminuindo, aos poucos, a capacidade de criação dos ingleses, o que dificultou ainda mais as ações dos Blues.

De tanto insistir, porém, os londrinos conseguiram marcar o segundo tento e colocar fogo nos cinco minutoss finais do jogo. Aos 40, Batshuayi conseguiu se aproveitar de bola que caiu nos seus pés próximo do gol em cruzamento de Fàbregas, tendo o trabalho apenas de empurrar para dentro do gol. A partir daí, o time de Stamford Bridge pressionou o adversário na medida do possível, mas sem conseguir marcar o gol que levaria o combate para os pênaltis.