Everton 2017/18: Caminho de grandes conquistas está traçado para os Toffees

Reforços pontuais incluindo retorno de ídolo, filosofia do novo treinador implementada e garantia de futebol continental nesta temporada são apenas alguns dos ingredientes para o sucesso na atual época do clube de Merseyside

Everton 2017/18: Caminho de grandes conquistas está traçado para os Toffees
(PRONTO, FALTA FOTO) Everton 2017/18: Caminho de grandes conquistas está traçado para os Toffees

Faltando apenas dois dias para o início da temporada na Premier League, os clubes já estão entrando nos últimos preparativos visando a época que estar por chegar depois de ficarem o mês de julho treinando e realizando amistosos ao redor do globo - e trabalho nos bastidores desde junho para membros da comissão técnica e dirigentes.

Entrando com uma boa base para o ano de 2017/18, o Everton iniciará sua campanha nacional tendo o luxo de já ter disputado jogos oficiais, pela Uefa Europa League, embora não tenha sido um número vasto deles. Essa vantagem sobre os oponentes diretos para a disputa nas competições europeias pode ajudar os Toffees, que tem o retorno do ídolo Wayne Rooney, além de chegadas importantes como Davy Klaassen e Jordan Pickford, que sanará problema que o clube enfrenta desde a saída de Tim Howard: o gol.

Animadora, pré-temporada conta com dois jogos oficiais 

Os trabalhos de preparação do Everton não poderiam começar melhor. No primeiro amistoso do time, contra o Gor Mahia FC, na Tanzânia, o time acabou triunfando por 2 a 1, incluíndo um golaço performado por Wayne Rooney, que recebeu bola ainda no segundo terço do campo e, após avançar para o meio, arrematou com força para vencer o goleiro, sendo o primeiro tento do jogador no seu retorno aos Toffees

Depois do embate citado, a agremiação viajou para a Holanda, onde enfrentaram o Twente. A vitória também aconteceu, mas agora com maior propriedade numérica no placar final: o time de Ronald Koeman aplicou um sonoro 3 a 0 sobre os holandeses. Três dias mais tarde, a equipe entrou na Luminus Arena para enfrentar o Genk na Bélgica, jogo estrategicamente escolhido para evitar desgaste maior em viagens para os atletas. Dessa vez, 1 a 1 foi o placar final, mas o jogo que serviu de preparação para a ida da terceira fase de qualificação da Europa League foi importante na visão do técnico. "Precisamos sempre melhorar", comentou. 

Chegando na parte em que o time construiu uma vantagem sobre os seus adversários, a equipe azul de Merseyside conquistou a vaga para a fase que antecede a de grupos da UEL, os playoffs, ao bater o Ruzomberok da Eslováquia por 1 a 0 em casa e fora, totalizando 2 a 0 no agregado final. O embate de volta acabou sendo a estreia de Jordan Pickford no gol do time em partidas oficiais. Por fim, a agremiação jogou contra o Sevilla, no último domingo (6), e terminou com um empate por 2 a 2 no Goodison Park. 

Embora a classificação tenha sido confirmada fora de casa, os torcedores do Everton estavam em peso na Eslováquia (Foto: Tony McArdle / Everton FC via Getty Images)
Embora a classificação na UEL tenha sido confirmada fora de casa, os torcedores do Everton estavam em peso na Eslováquia (Foto: Tony McArdle / Everton FC via Getty Images)

As chegadas que podem mudar o destino do Everton

Sete jogadores ao todo chegaram. Sete! Um número expressivo para um clube que aparentemente tinha tudo planejado. Contudo, todas elas chegam para apresentar valor de importância ao time de Koeman, que contou com a saída de Lukaku para o Manchester United principalmente. O lateral-direito Cuco Martina chega, de graça, para somar opções na posição, que hoje tem Coleman como dono. O atacante Henry Onyekuru, de 20 anos, aterrissou em Liverpool por £ 7 milhões vindo do futebol belga, mas já foi emprestado para o mesmo país e jogar no Anderlecht. 

Continuando ainda no ataque, Wayne Rooney aparece em Merseyside para ser, além de opção para o meio de campo - posição que andou praticando em Manchester -, para ser opção para o ataque como substituto de Lukaku. Além do poder dentro de campo, o atacante aparecerá como referência e cararegará a marca Everton consigo nesse período de sua carreira, podendo ser o atleta que elevará o patamar Toffee. Mas, além dele, Sandro Ramírez veio do Málaga por £ 5 milhões aproximadamente para também ser opção de centroavante. 

Para a defesa, Koeman preferiu contar com a presença de Michael Keane, que se apresentou no Goodison Park para ser um dos defensores que seu novo treinador buscava para encaixar em suas características táticas. O ex-Burnley acabou se tornando a contratação mais cara da história do clube ao chegar por £ 30 milhões, mesmo valor pago para contar com os serviços de Jordan Pickford, goleiro de 23 anos vindo do Sunderland. Deve ser o atleta que ganhará as atenções embaixo das traves, agora num clube que tem expectativas maiores. 

Por fim, mas longe de menos importante, Davy Klaassen assinou por £ 25 milhões junto ao Ajax. A princípio, acredita-se que o holandês foi ao Everton para substituiu Ross Barkley, que deve sair ainda nesta janela, segundo palavras do treinador e atitudes do jogador. Contudo, o meia pode dividir e completar funções com Rooney, fazendo uma espécia de segundo atacante, jogando atrás do centroavante, tendo papéis alinhados entre finalização e armação. Nome para se ficar de olho. 

'Caminho do sucesso é por aqui, Everton'; espera-se que Rooney ajude a trilhar o clube de volta ao topo (Foto: VI-Images via Getty Images)
'Caminho do sucesso é por aqui, Everton'; espera-se que Rooney ajude a trilhar o clube de volta ao topo (Foto: VI-Images via Getty Images)

Koeman tem a temporada que quer no Everton: contratações à gosto e competição internacional

A venda de Lukaku certamente aumentou o poder de fogo do Everton no mercado. Não à toa, Koeman contratou nomes como Klaassen, Pickford e Keane, jogadores que apresentam características que o treinador presa: juventude aliada à experiência, potencial total ainda não atingido e ainda sanou problemas que perdurou na temporada passada e outros que perdurariam nessa, com a iminente saída de Barkley. 

Além disso tudo, Ronald poderá disputar uma competição europeia com o clube. Faltando mais uma fase até chegar na de grupos da UEL, o treinador espera poder atingir objetivos no mata-mata da competição, além de dar continuidade no seu trabalho durante o segundo ano, conhecido como o primeiro de uma filosofia implementado, dado o tempo dela adentrar às paredes da agremiação durante a primeira. O holandês, enfim, pode brilhar e erguer os Toffees para o lugar de onde nunca deveria ter saído.

Segunda temporada de Koeman à frente do Everton tem tudo para ser ainda melhor (Foto: Tony McArdle / Everton FC via Getty Images)
Segunda temporada de Koeman à frente do Everton tem tudo para ser ainda melhor (Foto: Tony McArdle / Everton FC via Getty Images)

Expectativa alta com razão: o que esperar de 2017/18 do Everton

Reforços pontuais para posições exigidas, filosofia implementada e agregada e disputa de competição europeia. A temporada do Everton não poderia iniciar melhor em 2017/18 e, por isso, qualquer resultado fora das competições europeias pode ser considerado fracasso ao ano dos Toffees. O time já está habituado às exigências táticas, técnicas e profissionais da comissão técnica e os novos reforços só agregam o que já foi discutido aqui. 

É difícil pensar em um ano fracassado para esse Everton que, além de tudo supracitado, ainda tem o chamado depth, opções para as posições. O que pode-se complementar é que grandes coisas são esperadas dos comandados de Koeman e a capacidade de correspondência é ainda maior que já fora outrora. De fato, o Everton busca seguir caminho semelhante ao do Tottenham quando vendeu Gareth Bale para se tornar uma das forças na terra da rainha.