Mano Menezes admite inicio ruim do Cruzeiro, mas exalta vitória sobre Atlético-PR

Treinador ainda exaltou a preparação dos jogadores em vista do calendário apertado no time, que inclui além do Brasileirão, a Copa Libertadores da América e a Copa do Brasil

Mano Menezes admite inicio ruim do Cruzeiro, mas exalta vitória sobre Atlético-PR
Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Pelo segundo jogo consecutivo, o Cruzeiro saiu atrás no marcador, mas conseguiu reverter a situação. Com gols de Arrascaeta e Barcos, no segundo tempo, o time celeste derrotou o Atlético-PR, por 2 a 1, e chegou ao terceiro lugar no Campeonato Brasileiro, posição que manterá até a próxima rodada.

+ Acompanhe tudo sobre o Cruzeiro na VAVEL Brasil

Ao analisar o que foi a partida, o técnico Mano Menezes admitiu o inicio ruim do time, mas exaltou a qualidade do atletas que buscaram o resultado na etapa final.

"Iniciamos mal, cadenciando demais, rodando bolas óbvias. O Atlético-PR tem qualidade, e é um time que não merece ficar nesta posição. Eles criaram problemas para nós e poderíamos ter tomado gol antes do pênalti. Depois do gol, fomos acelerar no passe no primeiro tempo, ser mais objetivo. No segundo tempo, fomos melhores e fizemos por merecer sair com o resultado positivo", comentou.

No segundo tempo, Mano realizou alterações no time e uma dela teve um efeito quase imediato. A saída de Lucas Silva e a entrada de Rafinha permitiu mais ofensividade na equipe. O meia iniciou a jogada para Arrascaeta empatar a partida.

"A alteração de colocar dois homens por dentro foi a leitura do jogo, porque Lucas Silva se tornou nosso meia. Era mais lúcido o Robinho fazer essa função. E colocar o Rafinha como ponta, já que tem mais velocidade, drible. Ele participou do gol e deu tranquilidade para o time. O Barcos com o Raniel no time foi porque o Barcos estava saindo da área e fazendo boas jogadas. Nesta característica, Raniel é melhor que Thiago Neves dentro da área. Hoje era a situação, nem sempre vai ser possível fazer isso. Depois do segundo gol, fizemos a recomposição e eles colocaram um jogador de ataque, que é o Cirino. Vontade todo mundo tem. Mas tivemos mais qualidade pelos dois lados e criamos oportunidades para merecer a virada", explicou Mano. 

Por fim, o treinador explicou o processo de poupar jogadores, além dos resultados nos amistosos durante a Copa do Mundo, que deixaram o torcedor descrente no futuro celeste. A Raposa terá pelo caminho a Copa Libertadores da América e também a Copa do Brasil. O treinador pretende contar com todos os atletas, mesmo que o time não apresente uma sequência na formação inicial das partidas.

"A parada para a Copa remetia a uma necessidade de descansar os jogadores e depois trabalhar mais duro, mais pesado. O trabalho mais pesado, necessário para o futuro, sempre produz benefícios e alguns momentos que tem de esperar para o jogador render bem. Os amistosos eram para isso, a gente sabia, não tinha cobrança, a não ser ganhar ritmo de jogo. Ritmo esse que na primeira partida ainda não foi possível ver. Tivemos a sorte de levar para esse jogo uma vantagem, e a estratégia do jogo era não se expor desnecessariamente, isso fez com que a gente tomasse um gol no finalzinho, pessoal ficou meio assim, mas aquele era um jogo que podíamos empatar. Não fiquei satisfeito com o rendimento nem os jogadores ficaram, mas o jogo seguinte, contra o América, já foi outro jogo, e hoje também, embora tenhamos começado mal o jogo", finalizou.