Renato Portaluppi vê boa atuação no Grêmio e critica vaias da torcida: "Não vou agradar a todos"
Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Renato Portaluppi vê boa atuação no Grêmio e critica vaias da torcida: "Não vou agradar a todos"

Treinador pediu para os atletas terem cuidado na etapa final e confessou que pediu para Everton não dá entrevistas

izabellefranca
Izabelle França

Diante da sua torcida, o Grêmio voltou a disputar uma partida desde a parada da Copa América. Pelas quartas de final da Copa do Brasil, o Tricolor empatou em 1 a 1 com o Bahia, na noite desta quarta-feira (10).

Apesar do resultado, o técnico Renato Portaluppi gostou do que os seus comandados apresentaram. Bem como,  lamentou a dividida que Felipe Vizeu sofreu aos 39 minutos da segunda etapa.

"Foi um bom jogo, principalmente por parte do Grêmio, que dominou praticamente a partida toda. Criamos situações, fizemos o gol e fomos para o vestiário com a vantagem. Falei com o grupo para termos cuidado no começo do segundo tempo. Infelizmente, tomamos o gol. No final ainda tivemos a infelicidade de perder o Vizeu e terminar com 10 jogadores".

Renato recebeu vaias ao colocar Luan no lugar de Jean Pyerre. Segundo ele, tentou melhorar o time e que o Grêmio não vai conseguir ganhar todos os duelos. Além disso, argumentou que já havia treinado os atletas com uma nova formação.

"Tem gente que está mal acostumada, pensando que a cada cinco meses vamos dar uma volta olímpica. As outras equipes também querem ganhar, não é só o Grêmio. O Grêmio não vai ganhar todos os jogos. Eu tentei melhorar a minha equipe, mas não vou agradar a todo mundo. Nem Deus agradou, não será eu que irei agradar. O André estava muito bem no jogo. O problema foi que nós tomamos um gol e as pessoas acham que está tudo errado. O Grêmio tem de jogar com um homem de área. Eu testei, fiz alguns coletivos e a minha equipe precisa jogar com um homem de área. Se eu coloco o Luan e tiro o André, demostro medo, porque estaria tirando um atacante e botando um meia. Não posso tirar um atacante e botar um meia. Eu tirei um meia, o Jean Pyerre, e botei o Luan, outro meia".

Sobre a possível saída de Everton, o comandante revelou que as negociações depende do presidente e afirmou que o atleta precisa se preocupar com o presente.

"Não posso garantir nada, não sou o dono do clube. Tem o presidente aí. Para ele sair, as propostas devem chegar e agradar ao clube. Quem está falando que o Everton irá sair? Falei com o nosso assessor e pedi para tirar o Everton das entrevistas. Ele tem de se preocupar em jogar neste momento".

VAVEL Logo