Luxemburgo ressalta números e destaca merecimento do Palmeiras após título paulista
Foto: Cesar Greco/Palmeiras

Vanderlei Luxemburgo é um dos principais responsáveis por levar o Palmeiras a conquistar o Campeonato Paulista contra o Corinthians esse ano. Jogando em casa, no Allianz Parque, a vitória contra o Timão se deu nas cobranças de pênaltis após o tempo regulamentar terminar em 1 a 1.

Em entrevista coletiva após o jogo, o técnico afirmou que a conquista ajuda a superar a desconfiança do seu trabalho no time:

“É legal, né? O Palmeiras, quando me contratou, sabia da responsabilidade que tinha de voltar ao Palmeiras. Pelo passado e pelo presente. A responsabilidade do presente. Sabíamos que tínhamos de conquistar. E a primeira foi a Florida Cup. Agora, o Campeonato Paulista, que era muito difícil, e as pessoas começaram a criar uma desconfiança, principalmente quando o Corinthians classificou. E tentamos quebrar isso, de que não ia ganhar porque era o Corinthians”.

Luxemburgo comentou, também, os números do Verdão no estadual. Com o maior número de vitórias (oito), a maior soma de pontos (trinta) e a melhor defesa (apenas sete gols sofridos), a campanha do time foi exaltada pelo treinador.

"As pessoas analisam um jogo, não o geral. O Palmeiras tem a defesa menos vazada, é a equipe que mais finalizou a gol durante a competição. O Palmeiras é a equipe que mais tem transição ofensiva. Tem alguns números importantes que as pessoas não analisam".

Luxa também comentou sobre a escalação de Patrick de Paula, de 20 anos, responsável por converter o pênalti do título palmeirense. O meio-campista foi promovido ao elenco profissional esse ano e vem recebendo elogios por sua atuação.

"Por que eu coloquei um menino de 20 anos para bater? Porque eu tenho 68 anos e não ia bater na bola. Há dois anos ele estava na favela jogando bola. E lá na favela o tiro come para lá, para cá. Ele não está nem aí para bater o pênalti. Ele vai fazer isso aí. E ele vai amadurecer ao longo do tempo. Acho que o Palmeiras mereceu a conquista do Campeonato. Não só por hoje".

“Hoje comecei com Willian, Luiz Adriano e Zé Rafael, porque eu queria o Rony no segundo tempo, a equipe do Corinthians ia sentir o peso da grama sintética. E aí conseguimos impor o maior ritmo de jogo no segundo tempo. A escolha era difícil, porque o Gabriel Menino é muito menino. O Zé Rafael também não tava bem, mas tem experiência. Optei por tirar o Menino e fortalecer o meio de campo com o Bruno Henrique e o Zé Rafael, e introduzir o Rony do lado de lá. Aí começamos a ajeitar e entender o jogo do Corinthians. Aí o segundo tempo foi completamente diferente, como lá na Arena Corinthians. Essas cinco substituições te dão uma vantagem, uma coisa muito boa”, comentou sobre o jogo.

“Queria dar os parabéns ao Tiago, porque o Corinthians é um adversário muito difícil, mas fiz meus jogadores entenderem que não era um desafio ganhar do Corinthians. Era uma oportunidade. Uma pena que passamos um sufoco, porque o Weverton caiu e o Luiz Flavio deu um minuto a mais. Faz parte do jogo, mas aí acalmei o pessoal. Eles estavam com a cabeça arriada. Vamos botar a cabeça no lugar, treinamos para bater, temos bons cobradores. E aí o treinamento prevaleceu. O Weverton foi muito bem, os pênaltis. E o Patrick de Paula disse que queria bater o quinto pênalti. Ele foi lá e bateu com propriedade”, continuou.

O título do Campeonato Paulista encerra, para o Palmeiras, um jejum de 12 anos sem título e dá ao técnico mais bons números para sua carreira: os últimos cinco títulos conquistados pelo alviverde no estadual foram sob o comando de Luxa (1993, 1994, 1996, 2008 e 2020).

VAVEL Logo