Guia VAVEL Superliga Feminina 2017/2018: Osasco
Foto: Rodrigo Rodrigues/Editoria de Arte/VAVEL Brasil

Finalista em 13 das últimas 15 edições da Superliga Feminina, o Osasco tem o objetivo de voltar a levantar a taça do maior campeonato do voleibol do mundo. A equipe da Grande São Paulo é a segunda maior vencedora do torneio, com cinco títulos. No entanto, não consegue a medalha de ouro desde a temporada 2011/2012. Time de alto investimento e de jogadoras selecionáveis, o Osasco novamente é uma das equipes postulantes ao título. 

Desempenho na última Superliga

Dono da segunda melhor campanha na fase classificatória (17 vitórias em 22 jogos), ficando atrás apenas do Rio de Janeiro, o Osasco enfrentou o Fluminense nas quartas de final. A equipe osasquense não teve dificuldades para passar pelo Tricolor, e na melhor de três, conquistou duas vitórias por 3 sets a 0 sobre o time carioca. Já nas semifinais, em melhor de cinco, passou com três vitórias pelo Praia Clube

A grande decisão aconteceu no dia 23 de abril. Em uma partida emocionante, disputada na Arena da Barra e decidida apenas no tie-break, o Rio de Janeiro venceu o Osasco pela oitava vez em uma decisão de Superliga e conquistou o seu 12ª troféu. 

Técnico: Luizomar de Moura

No comando do Osasco desde 2006, Luizomar de Moura é apontado como um dos melhores técnicos de vôlei do país e substituto natural de José Roberto Guimarães na Seleção Feminina. O treinador tem em seu currículo três títulos da Superliga Feminina - dois pelo Osasco e um pelo Flamengo - quatro Sul-Americanos, um Mundial e diversos campeonatos regionais pelo time paulista.

Em janeiro desta temporada, Luizomar foi anunciado pela Federação Peruana de vôlei. O treinador assumiu o compromisso tendo como objetivo resgatar o prestígio internacional da equipe, que tenta voltar a disputar as Olimpíadas, o que não acontece desde os Jogos de Sydney, em 2000.

Mas apesar do trabalho com a Seleção Peruana, o treinador continua no Osasco. Não é novidade para o treinador atuar em duas frentes. Durante muito tempo Luizomar se dividiu entre a equipe paulista e as seleções de base do Brasil.

(Foto: João Pires/Fotojump)
(Foto: João Pires/Fotojump)

Elenco

O Osasco manteve a sua base, vice-campeã da última edição da Superliga. As principais contratações foram a central Nadja Ninkovic, a levantadora Fabíola e a ponteira Mari Paraíba. A sérvia, de 25 anos, tem passagens pelos clubes Volero Zurich, da Suíça, Firenze, da Itália, e Alba Blaj, da Romênia. Pela seleção da Sérvia conquistou a medalha de bronze na última edição do Grand Prix.

Nadja é natural de Belgrado, na Sérvia (Foto: Divulgação)
Nadja é natural de Belgrado, na Sérvia (Foto: Divulgação)

Jás as brasileiras retornaram ao Osasco após temporadas na Europa. Fabíola jogou na Rússia e Suíça nos últimos três anos. A levantadora conquistou todos os títulos possíveis pelo time paulista. Já Mari Paraíba iniciou no voleibol no Osasco, onde conquistou a medalha de prata nas edições 2005/06 e 2006/07 da Superliga.

 

Além das três citadas, a  central Ju Mello e a oposta Lorenne também chegaram para reforçar o elenco. O Osasco ainda renovou os contratos das centrais Bia e Nati Martins, das ponteiras Tandara e Bruna Neri, da oposta Paula Borgo, das levantadoras Carol Albuquerque e Zeni e das líberos Camila Brait e Tássia.

(Foto: João Pires/Fotojump)
Fabíola retornou ao Brasil após três temporadas na Europa (Foto: João Pires/Fotojump)

Estrela: Tandara 

Considerada o principal nome do voleibol mundial em sua posição, a ponteira Tandara é o grande destaque da equipe osasquense. Aos 28 anos, a jogadora já ergueu os principais troféus pela Seleção Brasileira, e foi escolhida por José Roberto Guimarães para iniciar o processo de renovação da mesma. Neste período, Tandara assumiu o protagonismo do time verde e amarelo e conquistou o Montreux Volley Masters, o Grand Prix e o Sul-Americano, sendo eleita MVP deste último. 

(Foto: Divulgação/FIVB)
(Foto: Divulgação/FIVB)

Tandara também é conhecida por sua versatilidade. Com a aposentadoria de Sheila da Seleção Feminina, a jogadora se tornou oposta titular do time comandado por José Roberto Guimarães. Na última temporada, atuando como ponteira pelo Osasco, foi premiada com os seguintes troféus por conta de seu desempenho na Superliga: o de maior pontuadora da temporada, melhor saque e também de craque da galera. O seu único título da Superliga aconteceu na temporada 2011/2012, pelo Osasco. 

(Foto: João Pires/Fotojump)
(Foto: João Pires/Fotojump)

 Estreia na Superliga 

Em busca do hexacampeonato, o Osasco estreia nesta terça-feira (17) no principal campeonato da temporada. O adversário na rodada de abertura será o Barueri, rival na decisão do Campeonato Paulista disputada há pouco menos de uma semana. Na oportunidade, o time osasquense derrotou a equipe azul na primeira partida, mas sofreu uma derrota no tie-break no jogo da volta.

Com a decisão empatada, o título foi decidido no golden set, onde o Osasco se saiu vencedor, conquistando o seu sexto título paulista em sequência. Portanto, a partida desta terça terá sabor de revanche para a equipe comandada por José Roberto Guimarães. O jogo será disputado no Ginásio José Correa, em Barueri, às 19h30. 

VAVEL Logo