Aula de futebol: Bayern é impiedoso e expõe sistema defensivo frágil do Barcelona
Foto: Divulgação/FC Bayern de Munique

O Bayern de Munique aplicou uma histórica goleada de 8 a 2 para cima do Barcelona de Lionel Messi nesta sexta-feira (14), eliminando de forma histórica o time catalão nas quartas de final da Liga dos Campeões. No Estádio da Luz, Müller (duas vezes), Perisic, Gnabry, Kimmich, Lewandowski e Coutinho (duas vezes) fizeram para a equipe alemã, enquanto Alaba (contra) e Luis Suárez descontaram para o Barça.

Além de ser o confronto mais aguardado das quartas pelo peso das camisas envolvidas, era o embate entre os únicos campeões da Champions remanescentes nesta edição, com cinco títulos de cada lado.

Também significava a disputa particular entre Lionel Messi e Robert Lewandowski. Campeão e artilheiro do último Campeonato Alemão com 34 gols, o polonês ainda liderava a artilharia da principal competição da Europa com 13 bolas na rede. No entanto, apesar da ótima fase do centroavante, a expectativa era de um Bayern com jogo coletivo forte contra um Barcelona não mais em seus tempos de glória e muito dependente do craque argentino, que sempre pode resolver com sua genialidade.

Estratégias

Quique Setién optou por começar com Griezmann no banco, povoando mais o meio-campo com Vidal no 4-4-2. Piqué e Lenglet formaram a dupla de zaga, enquanto Semedo e Jordi Alba cuidaram das laterais. No meio-campo, Sergi Roberto, Busquets, De Jong e Vidal compuseram, na prática, um quarteto de volantes, com as funções de defesa na frente da área e de início das construções ofensivas. E, na frente, Messi ficava com a visão de jogo e a habilidade individual características, e Suárez tomando conta da área adversária.

Hans Flick manteve seu tradicional 4-2-3-1, apenas substituindo Pavard na lateral-direita, ainda sem condição de jogo por lesão. A zaga contou com Boateng e Alaba. Nas laterais, Kimmich e o promissor Davies eram peças ofensivas fortes, com velocidade e bolas na área. Thiago Alcântara e Goretzka formaram a dupla de volantes servindo tanto à defesa, quanto ao ataque, participando das jogadas. Mais à frente, Gnabry e Perisic apareciam em velocidade pelos lados, também invadindo a área, enquanto Thomas Müller orquestrava o ataque centralizado, com assistências e finalizações. Lewandowski fazia o centroavante clássico, mas com bastante movimentação.

Barcelona sofre com transição defensiva, e Bayern dá aula de jogo coletivo

O favoritismo a favor do Bayern existia, mas o que se viu em campo foi um atropelo do time alemão para cima do Barcelona. Com um Messi, completamente, apagado, a equipe catalã deixou clara sua total dependência em relação ao craque argentino, não só não encontrando outras alternativas, como também evidenciando um sistema defensivo muito falho. Do outro lado, os bávaros mais que confirmaram sua força coletiva, além dos talentos individuais.

Logo aos três minutos, Perisic arrancou pela esquerda, encontrou Müller na entrada da área, que tabelou com Lewandowski e finalizou certeiro, abrindo o placar após jogada coletiva. Lance de espaços na defesa do Barça, comum em seus últimos jogos.

Mas, três minutos depois, Alba recebeu na direita, cruzou rasteiro para a área buscando Suárez, Alaba se jogou na bola para interceptar, mas fez um belo gol contra, empatando a partida. Além disso, o Barcelona ainda teve duas chances claras logo em seguida para virar o placar. Porém esse seria o único momento de esperança catalã.

Com uma transição defensiva desastrosa do Barcelona, perdendo a bola com enorme facilidade, e uma marcação alta e incansável do Bayern, a goleada histórica não demorou. Aos 21, roubada de bola de Gnabry, justamente, na transição defensiva catalã, arrancou, abriu na esquerda para o Perisic, que bateu forte cruzado, e Ter Stegen aceitou.

Cinco minutos depois, Goretzka, nas costas do Busquets, encontrou uma bela assistência por elevação de primeira para Gnabry na área, que ganhou do adversário e marcou. E, após mais quatro minutos, cruzamento de Kimmich da direita para a pequena área, achando Müller bem posicionado, que empurrou para dentro.

Para a segunda etapa, precisando fazer três para forçar a prorrogação, o Barcelona veio com Griezmann no lugar de Sergi Roberto, substituição ofensiva. Mas o Gigante da Baviera parecia não se importar com sua vantagem elástica no placar, continuando com a marcação alta e fazendo passes por elevação na área adversária.

Aos sete minutos, Lewandowski teve um gol anulado por impedimento na jogada. O polonês chegou a se aventurar na posição de Perisic, que foi para a direita. Até que, aos 11, lançamento espetacular da intermediária defensiva para Alba no campo de ataque pela direita, passou para Suárez na entrada da área, que invadiu, driblou o Boateng e fez um lindo gol, descontando para o time catalão. A partida, então, começou a ficar faltosa.

No entanto, com 17 minutos, a goleada teve continuidade. Linda jogada de Davies em cima de Semedo pela esquerda, invadiu a área, encarou toda a defesa do Barça, tocou para trás e encontrou Kimmich na cara do gol para empurrar a bola nas redes. As substituições de Gnabry por Coutinho e de Boateng por Süle mostraram que a equipe alemã não recuaria, queria mais. E Teve.

Aos 36, cruzamento de Coutinho dentro da área pela esquerda, e Lewandowski só teve o trabalho de cabecear para o gol na segunda trave. Três minutos depois, Müller recebeu na entrada da área, teve tempo de pensar, escolheu Coutinho, que entrou livre na área pela esquerda, chutou entre dois e marcou. E, aos 43, Hernández, que tinha entrado há pouco, também recebeu livre na área pela esquerda e fez a assistência para Coutinho marcar entre os adversários de frente para o gol. 8 a 2. O Barcelona não respirou, e quem deu aula de futebol foi o Bayern de Munique.

Próximos compromissos

Depois do resultado histórico, o Bayern de Munique espera agora a definição do vencedor entre Manchester City e Lyon neste sábado (15) às 16h para saber quem enfrentará nas semifinais da Champions League em jogo único. A partida decisiva acontece na próxima quarta-feira (19) às 16h.

VAVEL Logo