Sem Neymar, burocrático PSG vence Lille e se recupera após duas derrotas seguidas

Líder do Campeonato Francês teve outra atuação fraca, mas desta vez foi efetivo para garantir mais três pontos; Lille segue perto da zona de rebaixamento

Sem Neymar, burocrático PSG vence Lille e se recupera após duas derrotas seguidas
Foto: Franck Fife/AFP/Getty Images
Paris Saint-Germain
3 1
Lille
Paris Saint-Germain: Areola; Daniel Alves, Marquinhos, Kimpembé, Berchiche; Marco Verratti, Rabiot (Lo Celso, intervalo), Pastore (Nkunku, min. 85); Di Maria (Draxler, min. 70), Edinson Cavani, Mbappé.
Lille: Maignan; Malcuit, Soumaoro, Alonso, Edgar Ié; Amadou, Thiago Mendes (Luiz Araujo, min. 74), Thiago Maia (Soumaré, min. 85), Pépé (El Ghazi, min. 76), Benzia; Ponce.
Placar: 1 a 0 - Di María (min. 28); 2 a 0 - Pastore (min. 49); 2 a 1 - El Ghazi (min. 86) e 3 a 1 - Mbappé (min. 90+3).
ÁRBITRO: Johann Hamel (FRA). Cartões Amarelos: Verratti, Dani Alves, Benzia e Edgar Ié.
INCIDENCIAS: Partida válida pela 17ª rodada da Ligue 1 2017/18. Realizada no Parc des Princes, em Paris.

Nos últimos dias, o Paris Saint-Germain perdeu duas partidas seguidas, para o modesto Strasbourg e fora de casa diante do Bayern de Munique. Neste sábado (9), a equipe da capital francesa conseguiu se recuperar e bateu o Lille, em casa, por 3 a 1, impedindo um terceiro tropeço na temporada. Sem Neymar, suspenso, o protagonismo foi dividido. Ángel Di María, Pastore e Kylian Mbappé anotaram os tentos dos mandantes. El Ghazi descontou.

Este resultado mantém o PSG com uma boa vantagem diante dos concorrentes. Agora a equipe de Unai Emery tem 44 pontos. Lyon, Monaco e Marseille disputam a segunda colocação, todos com 32 pontos, mas ainda jogarão nesta rodada. Na quarta-feira (13), os parisienses terão a oportunidade de revanche diante do Strasbourg. O duelo será válido pela Copa da Liga Francesa. Antes, na segunda-feira (11), o time descobrirá seu adversário nas oitavas de final da Uefa Champions League.

Ainda sem Marcelo Bielsa, afastado do cargo, o Lille segue brigando contra o rebaixamento. O time terá que torcer contra o Toulouse para não entrar na zona da degola. Por enquanto, os Dogues estão em 17º com 18 pontos. O próximo compromisso será diante do Nice, também na quarta, em casa, pela Copa da Liga.

Mesmo com a vitória, o PSG voltou a demonstrar o mesmo futebol fraco das últimas semanas. Jogou de forma burocrática, sem intensidade e achou seus gols de forma natural, muito por conta de erros do adversário, sem forçar ou aumentar o ritmo do jogo. Nos momentos finais, ainda sofreu com a pressão do Lille, tentou correr atrás, e matou o jogo no desespero alheio. O técnico espanhol segue sendo questionado.

Poucas emoções em um primeiro tempo burocrático

Como costumeiramente acontece, o PSG impôs seu ritmo de jogo e manteve a posse da bola nos minutos iniciais da partida. Aos poucos, o Lille saia da sua zona defensiva e buscava chegar ao ataque com mais frequência, apostando em transições rápidas. A primeira chance veio com Daniel Alves: Di María cruzou da direita e o lateral apareceu no meio da área, chutando de primeira na arquibancada. Depois, Rabiot também arriscou, desta vez de fora, também mandou por cima.

O ritmo do jogo não agradava e as duas equipes deixavam a desejar. Porém, uma série de passes verticais quebrou a defesa do Lille e o PSG abriu o placar: Verratti acionou Pastore no meio, o argentino tocou em profundidade para Mbappé na direita. Em posição irregular, o jovem francês dominou e cruzou na medida para Di María cabecear sem marcação. De forma burocrática, a equipe da casa marcava seu primeiro tento.

Aproveitando-se da fragilidade do LOSC, o Paris pressionou. Vacilo da defesa visitante, Mbappé recuperou a posse na frente da área e partiu para cima da marcação, o atacante bateu forte e mandou à direita da meta. No lance seguinte, Pastore tentou do meio de campo, mas não acertou o alvo. Os Dogues seguiam sem criatividade para incomodar o clube da capital, o placar persistiu até o apito que sinalizou o intervalo.

Lille pressiona no final, mas Mbappé sacramenta a vitória do líder

Vendo a necessidade de melhorar a qualidade ofensiva da equipe no meio-campo, Unai Emery resolveu sacar Rabiot, promovendo a entrada de Lo Celso. O segundo gol parisiense veio de forma natural, sem forçar. Junior Alonso e Amadou erraram consecutivamente na saída de bola, Verratti brigou e recuperou, Cavani se esforçou e tocou para Di María. O argentino achou seu compatriota Pastore, que chegava de trás, vindo pelo outro lado. O meia invadiu a área e soltou a bomba de perna direita, vencendo Maignan.

Com a desvantagem, o Lille começou a ameaçar, tentando diminuir o placar. Os espaços apareciam por conta do relaxamento natural do PSG e não por méritos totais dos visitantes. Desta forma, os parisienses aguardaram a melhor oportunidade para contra-atacar: Verratti tocou para Mbappé na esquerda, o camisa 29 bateu colocado e Maignan defendeu com dificuldades, a bola ainda foi na trave.

Melhor na reta final, o time visitante foi recompensado com um gol: Marquinhos errou o passe na saída de jogo, Soumaré recuperou a bola, arrancou pelo meio e foi desarmado por Lo Celso. Porém, a redonda sobrou para El Ghazi, no setor direito da grande área. O holandês teve tranquilidade para tocar na saída de Areola.

Depois de sofrer o tento, a equipe da casa tenteou retomar as rédeas do jogo. Em contra-ataque, Mbappé avançou até a área e tocou para Cavani. O uruguaio chutou no canto, mas o goleiro Maignan conseguiu salvar. Pouco depois, Lo Celso arrematou rasteiro, tirando tinta da trave. Do outro lado, buscando o empate, os Dogues conseguiram um escanteio, Maignan foi para a área. No desenrolar da jogada, a defesa do PSG conseguiu afastar o perigo e Mbappé arrancou livre para o campo de ataque, sem goleiro o atacante acelerou e chutou para o fundo do gol.