Keno lamenta a saída de Alberto Valentim e afirma: "Estamos  cabisbaixos"

Na reapresentação do time a Academia de Futebol, o atacante cedeu entrevista coletiva para a imprensa

Keno lamenta a saída de Alberto Valentim e afirma: "Estamos  cabisbaixos"
Keno em entrevista coletiva (Foto: Divulgação / SE Palmeiras)

Após a derrota para o Avaí em Florianópolis, o Palmeiras se reapresentou nesta quarta-feira e um dos assuntos que não saiu da boca dos jornalistas foi a não permanência de Alberto Valentim no clube.

O interino recebeu o convite da diretoria para continuar na comissão técnica para 2018, mas apenas como auxiliar, algo que não está em seus planos.

A atacante Keno, foi até a sala de imprensa do CT e em entrevista coletiva, falou do ambiente, já com a notícia da saída de Alberto: “Cheguei no clube, estava conversando com os meninos na academia e fiquei sabendo que ele não ia ficar mais. Os meninos estão chegando ainda, a reação de um e de outros meios cabisbaixos porque sabe do profissional que ele é. Mas a gente sabe que futebol não tem jeito. Vida que segue. Diretoria que comanda, a gente não pode fazer nada”.

A gente sabe da importância dele, é um treinador que a gente respeita. Mas a gente tem de respeitar a diretoria que comanda e só trabalhar. A gente não pode fazer nada”, completou.

Com o título já decretado com para o Corinthians, o Palmeiras luta apenas para a vice-liderança, que além de garantir vaga direta a fase de grupos da próxima Libertadores, rende uma premiação financeira maior. Com os próximos jogos contra Botafogo e Atlético-PR, o atacante comentou a postura que ele e seus companheiros devem ter para essa reta final:

Temos de jogar como se fossem finais, independentemente de qualquer coisa. A parte financeira (prêmio maior pelo segundo lugar) a gente deixa de lado, pois, quando entrarmos em campo, temos de entrar para ganhar. Temos de dar a vida para conseguir os três pontos”.

Com grandes planos para esse ano, o Alviverde não conquistou nenhum título, mas Keno espera um 2018 melhor para o Verdão: “O ano de 2018 será muito difícil, mas o Palmeiras virá muito forte. A gente fica triste porque queríamos ganhar algo neste ano, mas não conseguimos. Temos de levantar a cabeça e voltar forte em 2018”, finalizou o camisa 27.