Sada Cruzeiro estreia em Mundial de Clubes em busca do tetra; conheça equipes do grupo celeste

Time mineiro enfrenta Lube Civitanova nesta terça em seu primeiro compromisso pelo torneio na Polônia

Sada Cruzeiro estreia em Mundial de Clubes em busca do tetra; conheça equipes do grupo celeste
Foto: Divulgação/Sada Cruzeiro

Quatro vezes Sada Cruzeiro? O maior time da história do vôlei brasileiro terá a chance de escrever mais um vitorioso capítulo dentro de sua vasta relação de conquistas. A equipe mineira embarcou para a Polônia na última quinta (7), onde jogará o Mundial de Clubes, torneio no qual defenderá o título e ainda vai buscar sua quarta taça. Em solo polonês, o Mundial acontecerá de 12 a 17 de dezembro.

Pertencente ao grupo A, o Cruzeiro tem ainda dentro de seu conjunto o Lube Civitanova (Itália), o Sarmayeh Bank (Irã) e o Zaksa Kedzierzyn-Kozle (Polônia), que jogarão entre si na cidade de Opole. Já o grupo B, com sede em Lodz, contém outras quatro equipes: Zenit Kazan (Rússia), Bolívar (Argentina), PGE Skra Belchatow (Polônia) e Shanghai Volleyball Club (China).

Conheça mais sobre as equipes que integram o grupo da Raposa, inclusive os mineiros, no Mundial de Clubes de 2017, que promete ser um dos mais disputados da história, pela força de seus integrantes e seus craques.

Sada Cruzeiro

Foto: Divulgação/FIVB

Atual campeão do Mundial, o Sada Cruzeiro está presente no grupo A e vai em busca do seu quarto título no torneio. A equipe mineira levantou o troféu da principal competição interclubes de vôlei do mundo em 2013, 2015 e 2016, todos as edições sediadas no Brasil, nas cidades de Betim e Belo Horizonte.

O time que reúne mais conquistas na história do Mundial é o Trentino, tradicional clube da Itália. Como não participará da atual edição do torneio, a equipe italiana poderá ver o Cruzeiro levantando sua quarta taça e empatando em número de conquistas. Raposa e Bolívar (ARG) serão os representantes sul-americanos na competição. 

Ponteiro Filipe comenta desafio de liderar Sada Cruzeiro no Mundial: "Vou fazer o meu melhor"

Na última temporada, o time de Marcelo Méndez conquistou tudo o que disputou: Campeonato Mineiro, Superliga Masculina 2016/17, Copa do Brasil, Campeonato Sul-Americano, Mundial de Clubes e Supercopa. Nesta temporada, perdeu a final da Copa do Brasil para o Taubaté, mas levantou taças do Campeonato Mineiro pela oitava vez seguida, do Sul-Americano e da Supercopa.

Para jogar o Mundial de Clubes, o Cruzeiro deu uma pausa em sua participação na Superliga Masculina 2017/18. A equipe mineira deixou o torneio nacional em "stand-by" na primeira colocação, com 30 pontos, mas vê de perto o vice-líder Sesc RJ com 28 e um jogo a menos. Como o clube carioca joga contra o Sesi-SP no sábado (16), às 20h, o Cruzeiro poderá perder a liderança estando na Polônia, à espera, talvez, da final de domingo.

Filipe será o capitão do Cruzeiro no Mundial (Foto: Agência i7)

O time titular do Cruzeiro terá Nico Uriarte, Evandro, Leal, Filipe, Isac, Simon e Serginho (líbero). Para o ponteiro Filipe, a disputa do Mundial será especial em dose dupla. O atleta se lesionou na edição do ano passado e teve que dar lugar ao jovem Rodriguinho, mas voltou e será o capitão do time na edição deste ano.

“As melhores equipes do mundo estão aqui e cada jogo vai ser decidido no limite, no detalhe. Esse Mundial é mais um desafio pessoal para mim também, agora com essa nova função de liderar o time. Nós vamos fazer o nosso melhor, sabendo o quanto os jogos serão difíceis. Espero que dê tudo certo para nós e que a gente possa fazer um ótimo torneio. Nosso grupo tem uma força muito grande, já passou por tanta coisa e a gente não perde essa sede, essa fome de vencer. Temos que entrar com tudo, fazer o nosso melhor e buscar mais um título para o Brasil e para a nossa torcida”, disse.

No ano passado, o Cruzeiro venceu o Zenit Kazan, da Rússia, por 3 sets a 0 e levou o Mundial em casa. A equipe celeste bateu pela segunda vez consecutiva os russos na decisão, equipe que está presente mais uma vez no torneio. O time mineiro fará sua estreia no dia 12, terça-feira, conta o Lube Civitanova, às 17h30 (de Brasília).

Elenco do Cruzeiro para a disputa do Mundial

Levantadores: Nico Uriarte, Fernando Cachopa e Rhendrick Resley 
Opostos: Evandro, Alemão e Robert
Ponteiros: Leal, Filipe, Rodriguinho, Pablo e Lucas Kehl
Centrais: Simon, Isac e Eder Levy
Líberos: Serginho e Lucas Batista

Lube Civitanova

O voleibol italiano dominou o Mundial de Clubes por anos. De 1989 a 2012, foram disputadas oito edições do torneio, todas elas vencidas por clubes da Itália: Trentino (quatro vezes), Gonzaga Milano (duas vezes), Porto Ravenna Volley (uma vez) e Pallavolo Parma (uma vez). No entanto, o Sada Cruzeiro quebrou essa hegemonia em 2013, quando levantou seu primeiro troféu. Em 2014, foi a vez do Belogore Belgorod, com o clube celeste voltando a vencer em 2015 e 2016.

Foto: Divulgação/FIVB

Com tudo isso, um italiano em 2017 promete tentar recolocar o vôlei de seu país no ponto mais alto do pódio do Mundial: o Lube Civitanova. Desde quando o Sada quebrou a soberania da Itália em Mundiais, as melhores campanhas de italianos foram em 2013 e 2017, com terceiro lugar do Trentino em ambos os casos.

O Lube Civitanova chega ao Mundial com a conquista do Campeonato Italiano deste ano. Na temporada 2017/18, que está acontecendo, o time lidera o torneio nacional com 31 pontos, um a mais que o segundo colocado, Perugia. Além da conquista do Italiano de 2017, o Civitanova também venceu a competição em 2006, 2012 e 2014 e 2017, além de somar cinco títulos na Copa Itália (2000/01, 2002/03, 2007/08, 2008/09) e quatro Supercopas.

Foto: Divulgação/FIVB

O técnico do Civitanova é Giampaolo Medei, que começou sua carreira no próprio clube ainda em 1994, mas com as equipes juvenis. Depois de passar por outras equipes do vôlei italiano, o treinador chegou ao grupo profissional do Civitanova em maio deste ano. Medei também passou pela Seleção Italiana, com a qual foi vice para o Brasil na Olimpíada de 2016 na condição de auxiliar do técnico  Gianlorenzo Blengini.

Algumas peças do time italiano são bastante renomadas, como o levantador norte-americano Micah Christenson e o ponteiro cubano naturalizado italiano Osmany Juantorena. Ainda, o líbero titular do elenco, o francês Jenia Grebennikov, é considerado um dos melhores do mundo na posição.

Ponteiro da Seleção Italiana, Juantorena é um dos destaques do Civitanova (Foto: Divulgação/FIVB)

Zaksa Kedzierzyn-Kozle 

Campeão polonês, o Zaksa Kedzierzyn-Kosle garantiu vaga direta no Mundial de Clubes para ser o representante do país anfitrião no torneio. Estreante na competição, o Kedzierzyn-Kosle participa pela primeira vez do Mundial na tentativa de garantir o primeiro título de uma equipe da Polônia na história do campeonato interclubes.

Foto: Divulgação/FIVB

Uma das equipes mais antigas da Polônia, o Kedzierzyn-Kosle é datado de 1947, completando, portanto, seis décadas de existência em 2017. A equipe teve pouco protagonismo longe de casa, com um quarto lugar na Liga dos Campeões da Europa de 2002/03, além de uma prata e um bronze na Taça Challengem, terceiro maior torneio interclubes do continente europeu.

A equipe polonesa venceu a liga nacional sete vezes (1998, 2000, 2001, 2002, 2003, 2016, 2017) e ficou com o vice em outras quatro oportunidades (1997, 1999, 2011, 2013). Ainda, levou a Copa da Polônia seis vezes (2000, 2001, 2002, 2013, 2014, 2017).

O técnico do Kedzierzyn-Kosle é o italiano Andrea Gardini, que atuou como central quando atleta. O ex-jogador ajudou seu país na prata de 1996 nos Jogos Olímpicos, além do bronze em 2000 na mesma competição. Gardini foi auxiliar-técnico na Seleção Polonesa e chegou ao Kedzierzyn-Kosle neste temporada.

Um dos destaques do time polonês é o levantador francês Benjamin Toniutti, que esteve com a França na Olimpíada do ano passado. No currículo, Toniutti tem quatro edições do Campeonato Francês, uma do Campeonato Alemão e outra da Copa da Rússia.

Benjamin Toniutti é um dos pontos de apoio do Zaksa Kedzierzyn-Kozle (Foto: Divulgação/FIVB) 

Sarmayeh Bank 

Outra equipe que participa do Mundial de Clubes pela primeira vez é o iraniano Sarmayeh Bank. A equipe foi fundada em 2015 e chega ao torneio na Polônia como campeã asiática. Desde quando criada, e equipe venceu as edições do Campeonatos Iraniano dos quais participou, além do Campeonato Interclubes da Ásia em 2016 e 2017.

O time iraniano não é o favorito do grupo, mas aparece como uma força interessante. O time é praticamente uma base da seleção do Irã, tendo, por exemplo, os levantadores Saedi Marouf e Mehdi Mahdavi, o oposto Shahram Mahmoudi, os centrais Mohammad Mousavi e Mostafa SharifatMostafa Sharifat e ainda os ponteiros Mojtaba Mirzajanpour, Farhad Ghaemi e Alireza Mobasheri.

Mojtaba Mirzajanpour é um dos destaques da Seleção Iraniana e também do Sarmayeh (Foto: Divulgação FIVB)

Tabela do grupo A

Terça – 12/12
14h30 (de Brasília) - Zaksa Kedzierzyn-Kosle x Sarmayeh Bank
17h30 (de Brasília) - Sada Cruzeiro x Lube Civitanova 

Quarta – 13/12
14h30 (de Brasília) - Zaksa Kedzierzyn-Kosle x Lube Civitanova 
17h30 (de Brasília) - Sada Cruzeiro x Sarmayeh Bank 

Quinta – 14/12
14h30 (de Brasília) - Sada Cruzeiro x Zaksa Kedzierzyn-Kozle
17h30 (de Brasília) - Lube Civitanova x Sarmayeh Bank

Sábado – 16/12
Semifinais

Domingo – 17/12
Final