Quatro clubes para três vagas: muito equilíbrio na briga pelo acesso à elite alemã
(Foto: Hugo Alves/Editoria de Arte/VAVEL Brasil)

Enquanto a disputa pelas primeiras posições na Bundesliga parecem estar definidas, com dois times matematicamente classificados à Uefa Champions League e outros dois virtualmente garantidos, a emoção na 2. Bundesliga segue intensa a cinco rodadas do fim do segundo torneio mais importante da Alemanha. Na disputa por três vagas à elite (duas diretas e uma para os playoffs), quatro equipes com suas tradições, boas estruturas e surpresas. Na reta final do torneio, muita emoção e disputa.

Na primeira divisão, só um milagre evita o rebaixamento do Darmstadt. A equipe precisa vencer todos os jogos e torcer por improvável combinação de resultados para evitar a queda. Ingolstadt respira por aparelhos, mas tem mais chances de se salvar, embora esteja em uma situação complicada. Augsburg, Mainz 05, Hamburgo e Wolfsburg brigam mais intensamente para não disputar os playoffs. Três se salvam e garantem permanência na elite com um pouco menos de sofrimento. Abaixo, veja como anda o desempenho dos quatro primeiros colocados na segunda divisão alemã.

Tabela de classificação (Foto: Divulgação/Bundesliga)

Stuttgart - líder, 57 pontos

Um dos times mais ricos da Alemanha, campeão nacional por cinco vezes, o Stuttgart foi rebaixado na temporada anterior pela segunda vez em sua história - antes caiu em 1975 - e confirma o favoritismo ao chegar na primeira posição na briga para retornar à elite. Com 17 vitórias em 29 jogos, os Suábios superaram as adversidades no início da temporada, quando Jos Lukahay deixou o comando técnico com alguns meses de campeonato. Graças ao bom trabalho desenvolvido por Hannes Wolf, os alvirrubros subiram de maneira gradativa para as primeiras colocações. A reta final promete bastante para o clube devido aos confrontos com Union Berlin e Hannover 96, principais concorrentes pelo acesso. 

Dois são os jogadores que podem ser considerados as estrelas do time. O atacante Simon Terodde é o artilheiro da competição com 19 gols marcados em 27 partidas. Além dele, o talento português Carlos Mané é responsável por alguns resultados positivos do Stuttgart, com seis tentos assinalados e sete assistências.

(Foto: Matthias Hangst/Bongarts/Getty Images)

Hannover 96 - segundo colocado, 56 pontos

Outro clube tradicional que foi rebaixado na temporada passada após 14 anos na elite foi o Hannover 96. A campanha no ano passado foi horrível. Embora houvesse a esperança final de permanecer na elite, mas o rebaixamento com três rodadas de antecedência culminou no pensamento antecipado em retornar o quanto antes para os melhores clubes do cenário nacional. Assim como o Stuttgart, houve troca de comando técnico durante a competição. Ainda assim, o time não perdeu o pique de estar nos primeiros lugares.

Daniel Stendel foi o contratado para colocar os Vermelhos na 1. Bundesliga, mas permaneceu no cargo até o último mês de março. Em seu lugar, foi contratado André Breitenreiter, ex-treinador do Paderborn e do Schalke 04. Nos quatro jogos que comandou até agora, foram três triunfos e um empate. A invencibilidade colocou o time de volta entre os classificados diretamente para a primeira divisão.

Sem dúvidas, o destaque da equipe é Martin Harnik. Experiente jogador do torneio, perto de 200 aparições, já marcou 14 gols em 26 partidas e tenta recolocar o Hannover entre os principais.

(Foto: Stuart Franklin/Bongarts/Getty Images)

Union Berlin - terceiro colocado, 54 pontos

Uma das equipes mais cultuadas em terras germânicas por causa do não conformismo e rebeldia durante a ditadura socialista da República Democrática Alemã (Alemanha Oriental, ou DDR), o Union Berlin surpreendeu com uma bela campanha de ascensão e a possibilidade de disputar a elite do futebol alemão pela primeira vez na história, após várias crises financeiras e ostracismo durante as décadas seguintes à reunificação da Alemanha. 

A única glória do Union Berlin foi o vice-campeonato da DFB Pokal na temporada 2000/2001, quando perdeu por 3 a 1 para o Schalke 04. Para ser o 55º clube diferente a disputar a Bundesliga, o time precisa manter a série de vitórias. Com seis triunfos consecutivos, o time da capital chegou ao terceiro lugar e tenta a classificação direta. No entanto, enfrenta fortes concorrentes, como Stuttgart e Eintracht Braunschweig.

O coletivo faz a diferença. Cinco jogadores do Union Berlin marcaram cinco ou mais gols no campeonato. O artilheiro do time é o meio-campista Steven Skrzybski, com oito tentos assinalados.

(Foto: City-Press/Getty Images)

Eintracht Braunschweig - quarto colocado, 54 pontos

Atrás do Union Berlin apenas nos critérios de desempate, o Eintracht Braunschweig liderou por várias rodadas a atual edição da 2. Bundesliga. O time é tradicional no país. Os Leões foram um dos membros fundadores da Bundesliga em 1963, tiveram elencos de alto escalão durante 20 de suas primeiras 22 temporadas, conquistaram o Campeonato Alemão em 1967 e chegaram às quartas de final da Copa dos Campeões (hoje Uefa Champions League) em 1968.

Porém, o time caiu e viu o surgimento de outras forças. Retornou à elite em 2013/2014, mas teve um baixo desempenho e tenta se reerguer novamente. Após manter a estabilidade e permanecer nove jogos invicto, o Eintracht Braunschweig tenta o quarto acesso à elite, o segundo de maneira consecutiva, debaixo do comando técnico de Torsten Lieberknecht.

Destaque para Domi Kumbela. Na temporada 2012/2013, o jogador marcou 19 gols e ajudou os Leões a subirem. Nesta edição da 2. Bundesliga, foram 11 tentos assinalados e a artilharia da equipe. Outros jogadores que contribuem bastante com o desempenho do Eintracht Braunschweig são o atacante sueco Christoffer Nyman, com oito gols, além de Onel Hernández e o capitão Ken Reichel, com cinco tentos cada.

(Foto: Joachim Sielski/Bongarts/Getty Images)
VAVEL Logo