Botafogo
e o uso ineficiente da base
Foto: Vítor Silva/Botafogo

No elenco, 33 jogadores. Diversos nomes conhecidos, Gatito Fernández, Diego Cavalieri, Joel Carli, Gabriel, Cícero, Alex Santana, Diego Souza, Rodrigo Pimpão, entre outros. Porém o Botafogo tem chamado a atenção nesse campeonato por ter metade do elenco formado por atletas que subiram da base do clube.

Dentro do quesito "clubes que mais usam jogadores da base", o Botafogo lidera. Até o momento 14 atletas dos 17 no elenco já foram utilizados. Número que o deixa muito à frente do Athletico-PR, segundo nesse quesito com sete jogadores aproveitados.

O que chama atenção é o baixo rendimento da grande maioria desses jogadores. Saulo e Diego são o terceiro e quarto goleiros do elenco. Marcinho e Fernando são os únicos laterais direitos disponíveis no elenco, e constantemente são criticados por erros cometidos. Lucas Barros é o reserva imediato de Gilson, ele atuou pouco como profissional.

Foto: Vítor Silva/Botafogo
Foto: Vítor Silva/Botafogo

Na zaga, Marcelo Benevenuto vem sendo bastante aproveitado e oscilando bastante, já comprometeu como na partida de ida contra o Atlético-MG pela Sul-Americana, mas também já foi herói em vitória contra o Avaí, em que marcou um gol. Kanu foi pouco utilizado.

Setor com quatro peças vinda da base, os volantes chamam a atenção. Bochecha já foi muito elogiado, entretanto parece que está dormindo em campo durante alguns jogos. Rickson e Wenderson atuaram pouco e não comprometeram. O nome que gera expectativa na torcida é o de Caio Alexandre, o jovem se destacou na base e é esperança para o futuro, ainda não teve oportunidades.

Nenhum atleta da base que está nos profissionais tem características de criação. O clube aparentemente tem dificuldades de revelar meia-atacantes.

Setor ofensivo é bastante utilizado

Dos atacantes no elenco alvinegro, apenas Pachu não teve oportunidades em 2019. Yuri, Igor Cássio e Rhuan já tiveram ao menos uma chance com Eduardo Barroca, tirando o último que recém subiu, os outros não mostraram muita qualidade. Vinícius Tanque figura desde 2014 entre os profissionais e até o momento não rendeu. Entre diversos empréstimos, Lucas Campos mostrou qualidade, velocidade e ganhou a vaga no time titular, não foi bem quando utilizado e voltou a ficar no banco de reservas.

Sem muito dinheiro para investir, a saída é utilizar as categorias de base. Mas é necessário ter calma e saber utilizar os atletas, caso contrário eles não irão render, a torcida pegará no pé, o que atrapalha a transição para o time principal. O clube da Estrela Solitária precisa aumentar o investimento nos garotos, lapidá-los de forma que subam ao profissional e consigam ter boas atuações. A grande esperança no Botafogo é em Matheus Nascimento, atacante de apenas 15 anos que vem se destacando na base alvinegra e na da seleção brasileira, muita calma para não queimar a nova joia alvinegra.

O Botafogo volta a campo para enfrentar o Fortaleza na próxima segunda-feira (30), às 20h, na Arena Castelão.

VAVEL Logo