Redenção Alvirrubra: após quatro anos, Náutico chega como favorito para título do Pernambucano
Foto: Divulgação / Clube Náutico Capibaribe

No início de 2014, o Náutico carregava nas costas o sabor amargo do rebaixamento para a Série B, ocupando a última colocação na tabela. Com a confiança totalmente abalada, a diretoria buscava reerguer a equipe da melhor forma possível para a próxima temporada. A administração do clube chegou ao nome que iria reconstruir a equipe, contratando o gaúcho Lisca Lorenzi como treinador. Ao seu comando, a expectativa era de que o timbu teria um estilo brigador para a temporada.

Com um regulamento totalmente diferente dos anos anteriores, o Campeonato Pernambucano de 2014 não contaria com os três grandes da capital: Santa Cruz, Sport e a equipe alvirrubra na primeira fase do campeonato por conta da participação na fase de grupos da Copa do Nordeste. Os nove clubes restantes jogariam entre si no sistema de pontos corridos em jogos de ida e volta, onde os três primeiros colocados seguiriam para a segunda fase do pernambucano para a disputa do hexagonal decisivo com os três grandes.

 Naquele ano o time conseguiu alavancar na tabela do estadual e ainda contou com duas vitórias no clássico contra os rubro-negros nos jogos de classificação. Às vésperas do primeiro jogo, se iniciou uma rivalidade entre o técnico do Timbu e o jogador Neto Baiano, por conta de várias declarações polêmicas. Com um jejum de 10 anos, que o timba não vencia a equipe leonina na Ilha do Retiro, o resultado acabou sendo 1 a 0 para o visitante. No segundo jogo a vitória sobre o Leão, assegurou a 1ª colocação no hexagonal dando vantagem nos jogos eliminatórios, na qual o adversário seria o Salgueiro.

Na disputa das semifinais, caso uma equipe vencesse por 7 a 0 o primeiro jogo e perdesse o segundo por 2 a 0, a decisão iria para os pênaltis. No sertão, o carcará abriu vantagem com o placar de 2 a 0 com gols de Jefferson Kanu e Everton. No jogo de volta na Arena Pernambuco, os torcedores da casa tiveram que segurar o grito de gol até os 23 minutos do segundo tempo, quando o meia Vinicius, entrou e fez um belíssimo gol, levando o jogo para as penalidades máximas na qual foram convertidas por todos os atletas do Timbu e contaram com a defesa do chute de Valdeir, pelo goleiro Alessandro. 

Com a vaga na final garantida, o adversário era o Sport que havia batido a equipe tricolor também nos pênaltis. Em final dividida em dois jogos, a equipe leonina foi superior ganhando o primeiro jogo em casa por 2 a 0, e o segundo na Arena Pernambuco lotada por 1 a 0 com gol de Durval aos 31 minutos do segundo tempo e liquidando o sonho de título da equipe da casa, que agregava ao seu histórico 10 anos de jejum de títulos estaduais, e desde 1968 não quebra o tabu de vencer os rubro-negros na final. 

 Já em 2018, parece que a história de jejum vai ter seu fim para uma das equipes finalistas do Pernambucano. Central e Náutico, tiveram as melhores campanhas do campeonato e farão os jogos finais na disputa do título. De um lado o título seria inédito para uma equipe do sertão, caso a Patativa conquiste a taça. Do outro lado, uma quebra de jejum de 14 anos sem títulos, o timbu vem ganhando confiança, na direção de Roberto Fernandes, que trouxe a equipe para um desempenho acima do esperado para o ano, com apenas uma eliminação nos torneios que disputou. 

 Roberto Fernandes comentou sobre o merecimento das duas equipes, por chegarem tão longe no campeonato estadual e que ambas têm chance de serem campeãs. “Chegaram à final as duas equipes de melhor campanha. Nada mais justo. Quem chega, chega pelo merecimento. Quem chega, chega com condição ser campeão. Agora é trabalhar muito e respeitar o Central para fazer dois bons jogos sair dessa fila que o Náutico está há muito tempo", disse o comandante alvirrubro.

Central e Náutico fazem o primeiro jogo da final nesse domingo (01), em Caruaru, no Lacerdão. O técnico Mauro Fernandes, analisa a equipe alvirrubra com uma equipe de alto nível e prevê uma grande final entre as duas equipes. “O náutico, nos passa a melhor impressão possível. Os números da equipe dizem tudo. Sabemos do trabalho de roberto, não é apenas impressão. O futebol apresentado é de alto nível”, comentou o treinador

Buscando redenção para o Náutico e os torcedores, que andam carentes de comemorar um título pelo clube desde 2004, Roberto Fernandes garantiu que a prioridade é o título do Estadual; não desmerecendo a equipe Centralina, que vem de uma classificação diante do favorito ao título, Sport.

Os dois jogos prometem grandes emoções para ambas as equipes e não vai faltar empenho de ambos os lados. O Central busca um título inédito e o Timbu busca voltar aos dias de glórias, com títulos para a estante de troféus, após 4 anos sem chegar a uma final de estadual. Segundo jogo acontecerá na Arena Pernambuco, no dia 8.

VAVEL Logo