Copa do Mundo VAVEL: a história do Mundial de 1958

Copa do Mundo VAVEL: a história do Mundial de 1958

renata-guerra
Renata Guerra

A Copa do Mundo de 1958 foi realizada na Suécia entre os dias 8 e 29 de junho. Contou com a participação de 16 seleções. O evento foi sediado na Suécia, tendo partidas realizadas nas cidades de: Borås, Eskilstuna, Gotemburgo, Halmstad, Helsingborg, Malmö, Norrköping, Örebro, Sandviken, Solna, Uddevalla e Västerås.

Seleções participantes: Alemanha Ocidental, Irlanda do Norte, Tchecoslováquia, Argentina, França, Iugoslávia, Paraguai, Escócia, Suécia, País de Gales, Hungria, México, Brasil, União Soviética, Inglaterra e Áustria. 

Doze estádios suecos foram usados para Copa. Entre eles, três acabaram construídos especialmente para a competição (Tunavallen, Ulevi e Malmö Stadium) e dois teve sua ampliação feita (Rasunda e Idrottsparken).

FASE DE GRUPOS: PRIMEIRA FASE

Grupo 1: 

Alemanha Ocidental ficou em primeiro lugar. A Irlanda do Norte surpreendeu o mundo ao ficar com a segunda vaga após derrotar a Tchecoslováquia no jogo desempate. A Tchecoslováquia aplicou na Argentina uma super goleada e histórica por 6 a 1. A grande decepção da Copa foi a equipe argentina ficando em último lugar.

Grupo 2:

A França foi o destaque do grupo, com vários craques, como Fontaine e Kopa. A seleção passeou contra o Paraguai por 7 a 3 e venceu a Escócia por 2 a 1, só teve uma derrota  a Iugoslávia na segunda rodada não fez diferença, por ter um saldo maravilhoso. Os iugoslavos ficaram com a segunda vaga.

Grupo 3:

Suécia, dona da casa, passeou. O País de Gales ficou em segundo lugar. Sendo assim, esta foi a única copa até hoje em que as quatro seleções britânicas participaram juntas (Escócia, Irlanda do Norte, País de Gales e Inglaterra).

Grupo 4:

Brasil, Inglaterra, Áustria e URSS brigavam por duas vagas. O Brasil estreou bem com 3 a 0 na Áustria. mas após o empate em 0 a 0 contra a seleção da Inglaterra, (o 1º da historia das copas), os jogadores se reuniram com o treinador, Vicente Feola, e pediram a entrada de Mané Garrincha e Pelé na equipe principal. O pedido fo aceito e  deu resultado: Brasil 2-0 URSS, com grande atuação de Garrincha. A URSS ficou com a outra vaga ao vencer a Inglaterra por 1 a 0 no jogo desempate.

QUARTAS DE FINAIS:

Brasil 1 x País de Gales -  O mundo realmente conheceu Edson Arantes do Nascimento no dia 19 de junho de 1958. Em uma dura partida contra o País de Gales, Pelé marcou o primeiro gol de sua vida em uma Copa do Mundo. Mal sabia o planeta que ali começaria a trajetória do maior jogador de todos os tempos no maior palco do futebol.

 

Acervo Estadão
Acervo Estadão
Primeiro gol de Pelé na Copa do Mundo pela Seleção Brasileira (Divulgação/Luiz Carlos Barreto)
Primeiro gol de Pelé na Copa do Mundo pela Seleção Brasileira (Divulgação/Luiz Carlos Barreto)

França 4 x 0  Irlanda do Norte -  A seleção francesa aplicou uma goleada sobre a Irlanda do Norte com placar de 4 a 0, no Norrköping. O placar foi construído por Fontaine (2), PiantoniWisniewski.

 Alemanha Ocidental 1 x 0 Iugoslávia - A seleção alemã  derrotou a Iugoslávia pelo placar de 1 a 0, no Malmö. Rahn garantiu a vitória, marcando o gol da partida. 

Suécia 2 X 0 URSS - Os donos da casa e favoritos ao título, venceram sem dificuldades e avançaram às semi finais.

SEMI FINAIS DA COPA DO MUNDO 1958:

Brasil 5 x 2 França -  Exibição brilhante, com Pelé, Garrincha e Didi em um grande dia. A promessa era de jogo duro no dia 24 de junho de 1958. Era o Brasil contra o poderoso ataque francês, liderado por Just Fontaine. Mas sobrou a classe superior brasileira, que carimbou a vaga para a final. No final, 5 a 2 para o time de Vicente Feola, gols de Vavá, Didi e Pelé três vezes. Fontaine e Piaontani diminuíram para os franceses.

Didi e Raymond Kopa momentos antes do início da semifinal; Crédito: jogosdaselecaobrasileira.wordpress.com/
Didi e Raymond Kopa momentos antes do início da semifinal; Crédito: jogosdaselecaobrasileira.wordpress.com/

 

Suécia 3 x 1 Alemanha Oriental - A seleção sueca continuou com seu favoritismo e derrotou com facilidade os alemãs. Na partida, houve provocações que fizeram a seleção alemã perder a cabeça no jogo.

A FINAL: Brasil 5 x 2 SUÉCIA

Escalação do Brasil: 

SELEÇÃO POSA PARA FOTO DO TÍTULO EM 1958 (FOTO: GETTY IMAGES)
SELEÇÃO POSA PARA FOTO DO TÍTULO EM 1958 (FOTO: GETTY IMAGES)

Gilmar; Djalma Santos, Bellini, Orlando, Nilton Santos; Zito, Didi; Garrincha, Vavá, Pelé, Zagallo. Técnico Vicente Feola

Escalação da Suécia: 

Karl Svensson; Bergmark, Axbom; Börjesson; Gustavsson, Parling; Hamrin, Gren, Simonsson, Liedholm, Skoglund. Técnico George Raynor

A Seleção Brasileira disputou todos os jogos anteriores com a camisa amarelinha, mas na final teve pela frente a Suécia, também amarela. O sorteio determinou que os donos da casa jogariam com a camisa principal. Então, o chefe da delegação, Paulo Machado de Carvalho, comprou um jogo de camisas azuis na véspera e mandou bordar o escudo da CBD e os números amarelos. Os jogadores ficaram preocupados, mas Paulo motivou o time dizendo "Nós vamos vencer, vamos jogar com a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida" , disse o dirigente da delegação brasileira Paulo Machado de Carvalho. 

Os jogadores embarcaram na história e alguns deles costuraram com as próprias mãos os números e escudos na nova camisa. O azul foi oficializado como o uniforme reserva da equipe.

Antes de começar a partida, o técnico Vicente Feola foi obrigado a fazer uma substituição. Na lateral direita, De Sordi, contundido, deu lugar a Djalma Santos.

A final foi disputada no Estádio Råsunda, entre Brasil e Suécia, em com público de mais de 50.000 pessoas.  Logo aos 4 minutos, os suecos saírem na frente com um gol de Nils Liedholm. Após o gol,  Didi, o príncipe etíope, certamente uma das peças mais importantes do time brasileiro, pegou a bola e foi calmamente andando com ela debaixo dos braços. Após isso, a seleção brasileira fez uma partida memorável, ainda no primeiro tempo, o Brasil virou: Mané Garrincha na linha de fundo, centro para Vavá. Duas vezes, aos 9 e 32.

Pelé, na final da Copa, driblando os jogadores suecos.
Pelé, na final da Copa, driblando os jogadores suecos.

No segundo tempo, Pelé fez 3 a 1 com direto a um chapéu no marcador, aos 10. Zagallo aumentou aos 23. A Suécia diminuiu com Agne Simonsson, aos 35. Aos 45, Pelé deu numeros finais a partida. O final da partida, Com uma atuação de gala, o Brasil bateu os donos da casa, goleando-os por 5 a 2.

Artilheiro: Just Fontaine

Com 13 gols marcados em seis partidas, Just Fontaine foi o maior artilheiro na Suécia. O craque marcou mais gols que os dois segundos colocados juntos (Pelé, do Brasil, e Rahn, da Alemanha, ambos com seis). É até hoje o recordista em uma mesma edição da Copa do Mundo. Em 1958, Fontaine marcou gol em todos os jogos e levou a França até a terceira colocação. Só na partida contra a Alemanha Ocidental, ele fez quatro. Os outros gols foram marcados nos jogos contra Escócia, Irlanda do Norte, Paraguai, Iugoslávia e Brasil.

SURPRESA DA COPA DE 1958 - País de Gales

O País de Gales quase não foi à Copa, mas fez bonito. A seleção ficou em segundo lugar no seu grupo das eliminatórias, perdendo a vaga para a Tchecoslováquia. Graças às confusões na Ásia, os galeses ganharam uma segunda chance. Os países muçulmanos se recusaram a enfrentar Israel, que iria ao Mundial sem entrar em campo. Para evitar isso, a Fifa promoveu um duelo entre País de Gales e Israel. Os europeus venceram os dois jogos por 2 a 0 e se classificaram. Na Suécia, fizeram ótima campanha, caindo somente nas quartas de final, diante do campeão Brasil.

A DECEPÇÃO DO MUNDIAL DE 1958

A Argentina fez na Suécia um de seus piores mundiais, ficando em último lugar no Grupo 1 na fase de classificação. A seleção sul-americana venceu apenas uma partida e sofreu duas derrotas. Uma delas ficou na história: precisando vencer, o técnico Karel Kolski arriscou e escalou a Tchecoslováquia com cinco atacantes. Resumo: goleada por 6 a 1, a maior sofrida pela Alviceleste em Copas do Mundo.

BRASIL NA COPA DE 1958: A JORNADA ATÉ O TÍTULO

Jogadores da Seleção Brasileira comemoram o primeiro título mundial na Suécia. Foto: Scanpix.
Jogadores da Seleção Brasileira comemoram o primeiro título mundial na Suécia. Foto: Scanpix.

Após o desastre no Maracanã em 1950 e decepcionar na Copa de 1954, o Brasil chegou à Suécia com um elenco promissor, que mesclava craques experientes e jovens talentos. Nesse último grupo estava Pelé, o maior jogador de futebol de todos os tempos, então com 17 anos, e Garrincha, o “gênio das pernas tortas”.  O goleiro da seleção canarinha tinha a segurança de Gilmar dos Santos Neves. A defesa contava com os craques Djalma Santos e Nílton Santos, no meio-campo a categoria ficava com Didi. 

O Brasil estreou contra a Áustria, conhecida por ter um bom sistema defensivo . Depois de um início equilibrado, o Brasil venceu bem por 3 a 0, gols de Mazzola (2) e Nilton Santos. No jogo seguinte, a partida foi contra a Inglaterra e, apesar de jogar melhor, a equipe brasileira não passou de um 0 a 0 (o primeiro na história das Copas).

Para o terceiro jogo, contra a antiga União Soviética, o técnico Vicente Feola fez duas alterações. Pelé entrou no lugar de Mazzola e a segunda substituição foi a entrada de Garrincha na vaga de Joel. Essa decisão foi na véspera do jogo, em um treino secreto.

As mudanças deram certo. O Brasil fez uma partida espetacular contra os soviéticos e venceu “só” por 2 a 0, com dois gols de Vavá. Garrincha brilhou em campo, que a imprensa internacional não sabia como definir a partida do craque. Com os adjetivos de “assombro”, “mercurial”, entre outros. Classificado para as quartas de final, a seleção tinha encontrado sua formação ideal.

A surpresa da Copa, o País de Gales quase conseguiu segurar o ataque brasileiro, mas em uma jogada genial de Pelé que dentro da área e garantiu a vitória por 1 a 0 e a vaga na semifinal. A partir daí, o que se viu foi um verdadeiro show de gols e jogadas de efeito que encantaram o mundo.

Na semi final, França tinha uma das melhores equipes e o artilheiro da Copa, Just Fontaine. Mesmo assim, só conseguiu oferecer resistência nos primeiros minutos. Vavá fez 1 a 0, mas Fontaine empatou em seguida. Antes do intervalo, Didi recolocou o Brasil em vantagem. Na segunda etapa, Pelé desencantou, fez três gols e definiu a vitória por5 a 2.

Na decisão contra a Suécia, dona da casa, com Vavá e Pelé inspirados, os brasileiros aplicaram uma goleada de 5 a 2.  Até os torcedores suecos dentro do esstádio se renderam ao talento da seleção e aplaudiram de pé os campeões mundiais. Na cerimônia de encerramento, o capitão Bellini, a pedido dos fotógrafos que tentava registrar o momento, levantou o troféu para o alto, gesto que passou a ser repetido por todos os campeões. 

O FUTEBOL BRASILEIRO NO TOPO DO MUNDO

Nilton Santos e Pelé comemoram título brasileiro na Copa de 1958 na Suécia
Nilton Santos e Pelé comemoram título brasileiro na Copa de 1958 na Suécia

Os elogios da imprensa pelo mundo: "Brasil foi o maior campeão da história dos mundiais". A aceitação do maravilhoso futebol brasileiro, escrita no jornal sueco Svenka Dagbladet. O texto falava “Nós suecos, voltando para casa, pensamos que acabamos de assistir a uma final de uma beleza excepcional, ganha por remarcáveis vencedores. Do fundo do nosso coração, estamos contentes de ter visto o título mundial atribuído ao Brasil.” Títulos como “Perdemos de bom coração” povoavam as páginas suecas.

A imprensa parisiense também repercutiu o título do Brasil. “Esmagadora superioridade do Brasil, campeão mundial de 1958”, era o título do L’Equipe. A matéria seguia com “Pela primeira vez na história do futebol uma equipe sul-americana infligiu uma esmagadora derrota a equipes europeias em seu próprio campo”. O jornal L’Aurore dizia que “O Brasil (…) demonstrou que era verdadeiramente a mais forte equipe do sexto campeonato mundial de futebol”.

A imprensa londrina  como unânime em celebrar o triunfo do Brasil. O Daily Express falava que “os grandes mestres vindos do Brasil executaram a maior sinfonia de futebol de nossos tempos, sinfonia que foi dirigida por um jovem de pele escura chamado Garrincha”. O Daily Mirror, com tiragem de cinco milhões de exemplares destacada, vai além ao afirmar que “os brilhantes e desconcertantes mestres brasileiros hipnotizaram os suecos e os reduziram a uma abjeta submissão”.

Em Viena, o Wlemer Montag afirmava que “o resultado de 5 a 2 foi lisonjeiro para a Suécia”. Em Buenos Aires, o La Razon escreveu “a poderosa equipe brasileira, que derrotou categoricamente a Suécia, conquistou o título de campeão mundial, demonstrando a superioridade do futebol americano sobre o europeu”. Em Lisboa, o jornal A Bela afirmou que “organizado como está agora, o futebol brasileiro é, sem dúvida, o melhor do mundo”.

O Brasil foi campeão demonstrando uma superioridade técnica e tática dos jogadores, em especial, de Pelé e Garrincha. O fato de um menino negro ter uma visibilidade gigante e um talento fora do comum entre os brancos e loiros zagueiros foi motivo de orgulho de um povo, que cansado do complexo de vira latas, viu no futebol sua redenção. 

VAVEL Logo

Futebol Internacional Notícias

há 19 horas
há 20 horas
há um dia
há 2 dias
há 2 dias
há 2 dias
há 3 dias
há 3 dias
há 3 dias
há 3 dias
há 3 dias